sexta-feira, 10 de agosto de 2012

VISUAIS - OBRAS DE NAMI E HIKARI - 28 DE MAIO DE 2002

JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 28 DE MAIO DE 2002.

                                  OBRAS  DE NAMI e HIKARI

Uma sensação de bom gosto estilo apurado reluzindo nas obras de prata, ouro e pedras preciosas que Nami Wakabayhi utiliza para criar suas jóias sofisticadas. Desde a antiguidade que o homem trabalha com maestria na ourivesaria, criando peças que encontramos em museus, as quais eram usadas pelos senhores que mandavam, cada um em sua época. Tanto no Oriente como no Ocidente, artistas de alta qualificação, utilizando instrumentos rudimentares, conseguiam criar peças que ainda hoje nos deixam extasiados. “Pontos e mais pontos, milhares deles se transformam na grande sombra e em formas que são remanescentes de vidrilhos brilhantes e compactos”, assim Aldemir Martins refere-se às tapeçarias de Hikari Wakabayashi, que expõe, juntamente com Nami, na A Galeria, que fica em São Paulo, a Rua Bela Cintra, e está comemorando 35 anos de existência.A mostra fica até o dia 6 de junho.
Foto à direita,  colar de prata e labradorita criação de Nami. Ao lado esquerdo, tapeçaria de Hikari Wakabayashi.

                             MUSEU RODIN NA BAHIA

Devemos saudar a iniciativa do Governo do Estado em instalar o Museu Rodin em Salvador, que será o primeiro fora de Paris, cujas obras são cedidas em comodato pelo museu francês. As obras de Rodin vieram ao Brasil pela primeira vez em 1995, para duas exposições, em São Paulo e Rio de Janeiro, atraindo milhares de pessoas. Ano passado, houve uma mostra pequena no MAM baiano, que também despertou a atenção de muita gente. Em Salvador, o museu será gerido pela Ong Sociedade Cultural Auguste Rodin- Rodin Bahia, responsável pela execução de programas e projetos de estímulo ao desenvolvimento das artes plásticas, no segmento da escultura, em particular, através de atividades de cunho educativo, artístico e sócio cultural. A diretora executiva será a jornalista Eulâmpia Reiber. O acervo reunirá 62 peças, em gesso, de Auguste Rodin, que ficarão expostas durante três anos. Após esse período, um novo contrato será assinado, havendo a renovação do acervo. Entre as peças, destacam-se O Beijo, O  Pensador, O Escultor e Sua Musa, Eva, A Lorena, O Desesperado, A Mulher, Torso Masculino, Parte Esquerda do Frontão da Porta do Inferno, Glaucus, O Sono, A Meditação da Porta e O Filho Pródigo.

                      A EMOÇÃO DE FERNANDO CARVALHO

As obras de Fernando Carvalho vão surgindo espontaneamente sob o impacto de sua emoção.São trabalhos abstratos que surgerem uma construção de imagens sonhadas ou imaginadas, na medida em que olha, seguindo as formas e as curvas que eles apresentam. Ele utiliza um material derrapante misturado com a cola, e depois passa a colorir. “É a parte mais cansativa, que exige mais de mim. Mas tudo  é feito com uma imensa satisfação”, diz Fernando carvalho, que revela, com palavras simples e sinceras, a emoção que sente quando pinta. O suporte é quase sempre o Eucatex ou um papelão grosso.
Suas obras têm um bom efeito decorativo devido à profusão de cores e formas, além da composição não obedecer a um desenho preestabelecido. Tudo é fruto de uma emoção incontida que se traduz em arte.