quarta-feira, 9 de agosto de 2017

MORREU O ARTISTA REINALDO ECKENBERGER

                                                                                                                                       Fotos Google
Reinaldo Eckeberger em sua casa atelier no
 Santo Antônio Além do Carmo.
O artista plástico argentino radicado na Bahia Reinaldo Eckenberger, 77, comemorou este ano 50 anos de trajetória profissional  com uma instalação cheia de criatividade mostrando suas pinturas, desenhos, assemblagens - colagens com objetos tridimensionais - , objetos, esculturas e as inconfundíveis bonecas de panos na Caixa Cultural, na rua Carlos Gomes. Ontem, ele veio a falecer vítima de um infarte fulminante deixando mais uma importante lacuna nas artes plásticas baianas.
Figura esguia e seu sotaque marcavam sua presença onde chegasse. Seu sobrenome estrangeiro dava uma dimensão imediata que este cidadão era um estrangeiro, mesmo já estando morando por décadas em nossa cidade. Era um cara doce, que inspirava humildade ,e assim Eckenberger vivia em sua casa atelier em Santo Antônio Além do Carmo, na zona do Pelourinho.
Lembro que ficava curioso e ao mesmo tempo fascinado com as figuras deste multi artista ao olhar uma aquarela, uma cerâmica, e principalmente suas bonecas que nos transportam a um mundo fantasmagórico e fantástico. 
Uma visão parcial de sua última exposição
na Caixa Cultural
As formas de colocar suas bonecas, as mutilações e as desarticulações feitas propositadamente para mexer com nossos sentimentos e ao mesmo tempo nos fazer enxergar ali a presença do humano. Também, trazia algumas obras com temática erótica. Sempre dizia orgulhoso ser de Escorpião e gostar de sexo.

Estudiosa da obra de Reinaldo Eckenberger a baiana Luciana Accioly lembra a presença em suas obras nas várias plataformasde cenas de sexo oral, perversão, carícias , e os fetiches com pênis,língua estirada,o nariz em forma de falo e os olhos salientes .

O artista nasceu em Buenos Aires, em 1938, estudou arquitetura, optando depois pelas artes plásticas: faz o curso da Escola Superior de Belas Artes e o curso de Cenografia no Teatro Colón. Em 1958 realizou sua primeira mostra individual em Buenos Aires. Depois de ter viajado pela Europa, veio ao Brasil, conhecer a Bahia. Não resistindo aos encantos, aqui ficou.
Foi o ganhador do Primeiro Prêmio Estadual de Pintura da 1ª Bienal Nacional de Artes Plásticas. Aqui realizou dezenas  de exposições, como também em alguns estados brasileiros.