sexta-feira, 17 de agosto de 2012

VISUAIS - AS TRANSPARÊNCIAS DE CHICO MAZZONI - 30 DE MAIO DE - 2005

JORNAL A TARDE TERÇA-FEIRA, 30 DE MAIO DE 2000.

AS TRANSPARÊNCIAS DE CHICO MAZZONI


Como estamos no início de um novo milênio, acredito que o título escolhido por Chico Mazzoni, Milênios no Ar, para sua 12ª mostra individual foi muito oportuno. Esta mostra fica no Design Center até o dia 22 de junho. Nesta série de obras Mazzoni privilegia a riqueza das transparências, intensificando o jogo entre o esconder e o revelar das imagens. Misturando técnicas, o artista brinca neste jogo imprevisível e ambíguo da fusão  entre imagem e cenário,figura e fundo.
Ao contrário das mostras anteriores, nesta, ele concentra sua ação numa linha temática definida, que é a representação do mito em variadas interpretações: mitologia humana e sua temporalidade, do arcaico ao contemporâneo. A mostra, composta por 27 quadros em médios e grandes formatos, contempla todas as culturas humanas, na procura de seu significado e de sua utilidade contemporânea.
Reprodução da obra "J'ai baisé ta bouche yokanaan ( Salomé)",tela de Manzzoni.

NUNCA É TARDE PARA SE FALAR DE HANSEN
Os que lêem as notícias e comentários que venho fazendo há mais de 20 anos, já conhecem a minha total convicção pela grandiosidade da obra de Hansen Bahia. Isto seria bastante para enaltecer esta iniciativa do MAM em mostrar 22 gravuras inéditas deste artista que deixou sua terra para adotar o nome Bahia como sobrenome. Estas gravuras foram especialmente produzidas para ilustrar a versão alemã do livro de Bertold Brecht, a Ópera dos Três Vinténs, que também tem um exemplar na exposição, aberta até o próximo dia 18.
Nascido em Hamburgo, Alemanha,em 19 de abril de 1915, filho de uma família de navegadores, ele chegou ao Brasil como marinheiro em 1950. Cinco anos depois, lançou âncora na Bahia, vindo a falecer em 1978. Escultor, pintor, escritor, cineasta e xilógrafo, arte que dedicou grande parte de sua existência. Retratou os horrores da guerra na sua obra Drama do Calvário ou Via Crucis. Doou, através de testamento, toda sua obra à Bahia - está reunida na casa que construiu em Cachoeira, onde funciona a Fundação Hansen Bahia.
Gravura de Hansen Bahia feita para o livro A Ópera dos Três Vinténs, de Bertold Brecht.

                   A 1ª MOSTRA DE ARTE SOLIDÁRIA

O nome é sugestivo, mas certamente, muitas outras mostras solidárias já foram realizadas e os artistas sempre que convocados têm dado sua contribuição em causas justas como esta, que é para ajudar as crianças com câncer. Esta exposição reúne 93 obras que foram recolhidas pelo Grupo de Apoio à Criança com Câncer - Bahia, entidade engajada na luta pela saúde e melhoria da qualidade de vida desses seres que tanto precisam da nossa solidariedade. As obras podem ser adquiridas em até três vezes e estão expostas no Conjunto Cultural da Caixa Econômica, na Rua Carlos Gomes. Tem obra de Ana Georgina, Bel Borba, Edson da Luz, Denise Pitágoras, ClaudioTozzi, Graça Ramos, Guache, Lula Queiroz, Sonia Rangel, Terezinha Dumet, Wanda do Nada, Gilberto Salvador e Leonardo Alencar são alguns nomes que integram esta mostra. A exposição fica no dia 5 de junho.