domingo, 12 de agosto de 2012

VISUAIS - PINTURAS DE MARCELO ARAGÃO - 3 DE ABRIL DE - 2001


 JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 03 DE ABRIL DE 2001.

             PINTURAS DE MARCELO ARAGÃO


Com o título de Visão Inusitada do Sertão Geológico, Marcelo Aragão exibe, a partir de hoje, no Museu Geológico da Bahia (Avenida Sete de Setembro, 2195, Corredor da Vitória), 12 telas pintadas em técnica mista. A mostra é uma homenagem ao pai dele, o pernambucano Guilherme Aragão, já falecido, o qual, no decorrer de 30 anos de atividades geológicas, não se limitou a emoção dos aspectos inerentes à profissão. Guilherme foi um homem apaixonado por um Brasil que a mídia não mostra e pela pureza da gente humilde e anônima que habita as mais recônditas regiões. Esse sentimento está estampado nas centenas de fotografias que ele fez nas viagens de campo nas três últimas décadas. Sempre tocado pelos aspectos humanos, sociais e naturais, Guilherme captou imagens realmente inusitadas, com olhar atento e rara sensibilidade. Essas fotos serviram como ponto de partida para Marcelo Aragão fazer uma releitura com tinta e pincel e transpor para as telas o sertão geológico do pai dele.
Sertão rico, sim, em minerais e pedras preciosas, mas muito rico ainda em vida, tipos, cotidianos insólitos e aspectos pitorescos, todos carregados da mais autêntica brasilidade. Marcelo é baiano e suas obras podem ser vistas no Aeroclube Plaza Show.
Reprodução da obra onde vemos duas rurais Williams atoladas.

                    EXPOSIÇÃO DOS FORMANDOS

Os formandos de Artes Plásticas da Escola de Belas Artes da Ufba, segundo semestre do ano 2000, vão expor, no período de 6 a 15 deste mês, os trabalhos de conclusão do curso na Galeria Solar do Ferrão (Pelourinho). A exposição tem abertura marcada para quinta-feira, no horário das 19 às 21 horas.
A atividade artística tem apoio da Ufba, através da Pró-Reitoria de Extensão, da Escola de Belas Artes e do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural. Segundo os expositores, o conjunto tem como temática o homem. “o sentido é buscar nas relações humanas o ponto de partida para a criatividade individual. Sob o olhar crítico do artista, o imaginário confunde-se com o real. Sentimentos e sensações traduzem em linguagem poético-artística os momentos, as formas, as cores, as luzes, as sombras e os contrastes”, definem os artistas. Edu O. Gepeto, Idálvia Guimarães, João Augustus, Márcia Cardoso, Mazé, Rosa Costa, Valéria e Sandro Passos são os expositores.

                                  OS GATOS

O comportamento peculiar dos gatos vem chamando a atenção de Luís Pierre há bastante tempo. Ele já realizou uma mostra individual sobre o tema, há cerca de dois anos, e retoma o assunto na exposição Meu Amigo Gatinho - Uma Visão Pop do Gato, que será aberta amanhã, às 19 horas, no espaço Calasans Neto ( Engenho Cultural UEC-Pituba ). Suas obras multicoloridas explicitam a influência do cubismo, pop arte e expressionismo.
O artista confessa que sempre observa gatos da cidade - inclusive os seis exemplares com os quais convive em casa. “Percebi que os gatos, muitas vezes, além de manter seu instinto selvagem, vivem uma alteração condicionada por sua convivência com o homem”. Diante desta constatação, o artista resolveu pintar, com bom humor e sutileza, o comportamento desses felinos, que nas telas aparecem assistindo à televisão, agindo como crianças que guardam cuidados dos adultos e cultivando o característico gosto pela solidão. Luís Pierre, 24, recebeu menção especial da Bienal do Recôncavo (1998). Em 1999, foi selecionado para a Bienal da UNE e mostrou, no Centro de Convenções, um projeto sobre a relação entre as pessoas e seus computadores.