segunda-feira, 13 de agosto de 2012

VISUAIS - PAISAGENS URBANAS DE HENRIQUE PASSOS - 27 DE NOVEMBRO DE - 2001


JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 27 DE NOVEMBRO DE 2001

                PAISAGENS URBANAS DE HENRIQUE PASSOS


O artista Henrique Passos é hoje um dos melhores paisagistas da Bahia . Debruçado numa janela imaginária, ele observa o tempo passar e flagra, com seus pincéis, momentos da vida da cidade. Às vezes, transporta personagens de outras épocas para a paisagem de hoje. Ele estará expondo, a partir do próximo dia 30, quando acontecerá o vernissage, às 20 horas, na MCR Galeria de Arte, que fica na Avenida Oceânica, numa das lojas de Ondina Apart Hotel.
Veja o que escrevi para o catálogo da exposição: “O homem apressado que passa dirigindo seu automóvel preocupado com o trânsito e os buracos nas pistas não dispõe de tempo para olhar a paisagem da cidade. Somente o carona ou pedestre sensíveis conseguem ver e valorizar um pedaço de um espaço urbano ou mesmo rural. Um simples tronco ou a copa de uma árvore frondosa, a florzinha que se debruça sobre uma pedra, a pequena moita de capim que balança ao vagar das águas de um riacho. Este olhar sensível está presente nas obras de Henrique Passos, um paisagista que retrata a Bahia romântica como ninguém”, Ele é capaz de vivenciar uma imagem poética nas margens da movimentada Avenida Centenário e nos encantar com a grandiosidade do Campo Grande. Henrique Passos transporta personagens de outras épocas para as paisagens de hoje e vice-versa. Ele brinca com os personagens e as paisagens que pinta, como uma criança com suas figuras de armar. A qualidade do traço, a composição, as pinceladas ou mesmo quando usa a espátula, Henrique define, com segurança, seus personagens. È um mestre da paisagem.
Reprodução da obra Monumento ao 2 de Julho, óleo sobre tela de Henrique Passos.

                                FOTOGRAFIA E COMPUTAÇÃO

A exposição Antropologia de uma Nação, de André Faria, foi aberta ontem no espaço Calasans Neto (Uec-Pituba). O artista mostra 12 peças que combinam a técnica com elementos de computação gráfica. “O retrato sócio-cultural de uma nação - seja um bairro de Salvador ou até mesmo a América Latina - está estampado neste trabalho. É uma nação angustiada, fortemente marcada pela religiosidade e que clama por piedade”, explica o autor, que realiza a primeira individual, depois de ser selecionado pela comissão julgadora do edital do espaço Calasans Neto. “As crenças, os comportamentos e o modo como se organiza a sociedade são com uma colcha de retalhos que encobre os conflitos e tensões sociais”. Adianta André de Faria, para definir o próprio trabalho. Por pensar assim, ele articulou para a abertura da exposição uma performance para ensaio fotográfico, realizada pelo modelo-vivo Paulo Lázaro e pelos percussionistas Edvaldo Bolagi e Saputi.

                     ALUNOS E FUNCIONÁRIOS

Em sua segunda edição, a exposição dos trabalhos dos alunos e colaboradores da Acbeu está sendo realizada até a próxima sexta-feira, na Exhibit da Acbeu da Avenida Magalhães Netto, e apresenta obras de 38 autores, entre alunos e funcionários.
Comemorativa aos 60 anos de fundação da instituição, que tem como um dos objetivos o incentivo à produção artística local, esta exposição vem-se firmando no calendário de atividades culturais da associação, por oferecer aos participantes a possibilidades de exporem os trabalhos de forma adequada, contando com toda a infra-estrutura de montagens, divulgação e exibição. Estão sendo apresentados trabalhos nas mais diversas técnicas, como pintura, desenho, fotografia, colagens, objetos etc. A diversidade está presente também na idade dos participantes: de crianças e adultos. “Fico feliz em ver a grande participação de crianças e adolescentes nesta exposição”, afirma Stella Carrozzo, que é artista plástica e supervisora da galeria e uma integrante da exposição.