segunda-feira, 13 de agosto de 2012

VISUAIS - LIVRO SOBRE CARLOS BASTOS - 7 DE AGOSTO DE - 2001


JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 07 AGOSTO DE 2001

                   LIVRO SOBRE CARLOS BASTOS


Será lançado amanhã, às 18 horas, na Fundação Casa de Jorge Amado, Pelourinho, um livro de arte em homenagem ao artista plástico Carlos Bastos, intitulado Carlos Bastos-Desenhos. O livro traz reproduções de obras de várias fases do artista, desde o início da carreira, no final dos anos 40, quando realizou a primeira exposição individual, na Biblioteca Pública de Salvador. Com tiragem de 2 mil exemplares, o livro integra a série Desenhos e tem o mesmo padrão dos anteriores, que registraram a trajetória dos artistas Floriano Teixeira, Mário Cravo Jr. e Calasans Neto. Vale destacar que o patrocínio da Copene está sendo viabilizado através do Fazcultura. A publicação será vendida a R$ 10,00 e toda a renda será doada ao Núcleo de Apoio ao Combate do Câncer Infantil. Responsável pela pesquisa e edição do projeto Série Desenhos, Claudius Portugal explica que a coleção tem caráter didático, por retratar o processo evolutivo do artista, do anonimato à maturidade.

                                            IVO NETO

Ivo é filho de artista. O pai, Ivan Lopes, passou-lhe as primeiras noções de pintura. Formou-se em artes plásticas pela Ufba e já trabalhou em diversas obras de restauração de bens culturais da Bahia e de Alagoas, principalmente, pintando murais, azulejos, forros de igrejas, dourando imagens e retábulos. Além desse trabalho silencioso - em que passa horas a fio dando retoques cuidadosos e bem singelos nas peças sacras ou não -, o artista Ivo Neto também pinta aquarelas, trabalha em nanquim e pastel-seco. É este lado (fora do restauro) que ele vai mostrar nesta exposição, a partir do próximo dia 14, no Museu Eugênio Teixeira Lea l- aquele criado pelo ex-banco Econômico, no Pelourinho. O título da mostra é Relíquias Culturais da Bahia, na qual ele mostra casarões, templos e praças de cidades históricas do nosso recôncavo. São obras concebidas em óleo sobre tela. Nas 14 telas, o artista retrata a grandiosidade e a riqueza dos casarões e templos de Cachoeira, Santo Amaro e Cairu. É um trabalho meticuloso, como tudo que Ivo produz.

                                          YMA NA CASA COR

A artista plástica Yma começou a pintar no ateliê de Waldo Robatto.De lá para cá, tem feito algumas exposições de suas obras abstratas. As manchas coloridas instigam o espectador a criar imagens que surgem e se desfazem como as nuvens carregadas pelos ventos. Conquistou o 1° lugar na exposição de pintura do XXVII Congresso Brasileiro de Urologia, Rio de Janeiro. Agora, ela está na Casa Cor, embelezando o ambiente criado pela arquiteta Márcia Meccia com a tela Cajus.

                                                  ARTE NÃO É LIXO

Uma dupla de artistas plásticos e um poeta, inconformados com o tédio a que os condiciona a natureza humana, resolveram, numa dessas madrugadas, não menos entediantes, exteriorizar a revolta com uma atitude nada convencional: tirar arte do lixo. Sim, isso mesmo, enquanto a cidade dormia, J. C. Barreto, Janary Silva e Zuwk Gelasko, literalmente, reviraram um depósito de lixo, em São Caetano, bairro onde residem. Em meio aos dejetos inúteis, eles viram ali o lugar perfeito para expressar a arte deles, e o fizeram, manifestando-se através de poema Canto Para Minha Morte, de Raul Seixas, recitado com performance teatral, aos berros,como se quisessem despertar o bairro inteiro.Ao redor do cadáver estendido de um cachorro, eles fizeram uma legítima e fúnebre metáfora sobre a existência. O rebuliço causado por eles não foi pequeno.
A vizinhança, intrigada, abriu as janelas, para ver o que se passava e, ao final, todos aplaudiam mesmo sem entender. Aquele não foi o primeiro nem o último manifesto  do trio , transformado, agora, em grupo, por conta da sedução que somente a arte é capaz de provocar. Embrionariamente está surgindo um movimento cultural, envolvendo artistas de várias tendências como escultura, pintura, poesia, música literatura e teatro.