terça-feira, 14 de agosto de 2012

ARTES VISUAIS - NOVAS OBRAS DE BEL BORBA - 26 NDE SETEMBRO DE- 1995


JORNAL A TARDE, TERÇA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 1995.

                             NOVAS OBRAS DE BEL BORBA


 O saudoso Ivo Vellame merece todas as homenagens possíveis das pessoas que têm qualquer relação com a produção plástica em nosso estado. Um espírito aberto, desinteressado em usufruir qualquer resultado monetário para si, preocupado em elevar o nome da Escola de Belas Artes, a qual serviu com dignidade, e também dos jovens talentos. Agora Bel Borba faz uma exposição na Ada Galeria de Arte e dedica a Ivo. “Esta mostra é uma homenagem ao amigo, crítico e professor Ivo Vellame. Foi ele o responsável pela minha primeira exposição individual na Galeria Cañizares, em setembro de 1975. Há exatamente 20 anos”, o artista ainda transcreveu para o catálogo o pequeno texto que Ivo fez,apresentando-o ao mercado de arte. Estas palavras de Bel Borba são verdadeiras e emotivas. Conheço Bel, como convivi com Ivo. Sabia do seu interesse em ajudar os talentos emergentes, com palavras muitas vezes até carregadas de muito otimismo.

Reprodução da  foto da obra onde a caixa de um velho telefone ganhou vida nas mãos de Bel Borba.
Mas esta mostra de Bel Borba vem autenticar as palavras de Ivo, que via nele a inquietude de um talento sempre disposto a ousar, a desenvolver um trabalho criativo que fosse ganhando espaços. Um caminhar constante, tendo como base o passado recente com uma visão de futuro. Ele já utilizou vários suportes para expressar as suas emoções e é capaz de lançar mão de qualquer objeto transformando-o num produto artístico. Afirma Bel que o “ melhor atalho na direção da originalidade e qualidade de expressão não está atrás de ninguém e sim dentro de cada um de nós”. Bel expõe na Ada Galeria de Arte a partir das 20 horas de hoje.

                              HOJE O XI SALÃO DE FEIRA

Mais de 100 artistas da região de Feira de Santana estarão mostrando, a partir de hoje, trabalhos de pintura, gravura, escultura, vídeo, performances e novas experiências, no XI Salão Regional de Artes Plásticas. A abertura será às 20 horas, no Centro de Cultura Amélio Amorim, na Avenida Presidente Vargas, Capuchinhos. Durante a solenidade será lembrado o artista Raimundo Oliveira e as artesãs ceramistas Fia e Cri pina.
Os artistas que foram classificados nos três primeiros lugares receberão prêmios em dinheiro, além de terem os seus trabalhos incorporados ao acervo artístico da Fundação Cultural do estado. A Prefeitura de Feira oferecerá dois prêmios.

                          BRILHO DE ESTRELAS EM FOTOS

Originais da agência francesa Magnum Photos – fundada há 40 anos por Henri Cartier-Bresson, entre outros – podem ser conferidos até o próximo domingo, a partir de amanhã (das 17 às 22h30min), na Sala Walter da Silveira. São 15 fotografias que mostram nome como Brigitte Bardot, Simone Signoret, Yves |Montand, Jean-Luc Godard, François Truffaut, dentre outros grandes artistas do cinema francês.
Cartier-Bresson fotografou Jacques Tati, em momento inusitado, na rua, sob um cartaz do clássico da comédia francesa Meu Tio; Oscar Werner e François Truffaut são revelados pela lente de Phillippe Halsmann; Brigitte Bardot por Raymond Depardon; Godard, por Giles Peress; e Montand e Signoret por Dennis Strock. São fotos originais apresentadas em Paris, em novembro do ano passado, no quadro do mês da foto.
Trata-se de uma colaboração da Aliança Francesa de Salvador, que trouxe a exposição, com a Secretaria de Cultura e Turismo do Estado, a Fundação Cultural, através da Diretoria de Imagem e Som. A iniciativa é do Ministério do Exterior da França e da Associação Francesa de Ação Artística,que desejaram associar à difusão de filmes franceses no exterior uma exposição composta a partir de fotografias de realizadores e atores franceses, feitas por profissionais da agência.
Foto da atriz Simone Signoret e Yves Montand, por Dennis Stock.
Fundada por Davi Seymour, Robert Capa e George Rodger, além de Bresson, a Magnum Photos constitui arquivos únicos. Sua continuidade é garantida por um grupo de fotógrafos que enriquecem um fundo contando com mais de um milhão de fotografias coloridas e em preto-e-branco. A exposição circula por vários países.