sexta-feira, 17 de agosto de 2012

VISUAIS - LEONEL MATTOS : A ARTE NO CATIVEIRO - 1° DE AGOSTO DE - 2000

JORNAL A TARDE 1º DE AGOSTO DE 2000.

          LEONEL MATTOS : ARTE NO CATIVEIRO

“Parece que caiu uma laje em minha cabeça, mas estou traçando o  meu destino”. Esta frase angustiada está numa das cartas que recebi do amigo e artista Leonel Mattos. Ele está sofrendo um castigo que  pode ser injusto ou não, mas que serve a todos nós , para mostrar como o envolvimento com drogas é prejudicial. Confesso que ainda não tive coragem de visitá-lo.Parece covardia,mas não é.É que estou com problema de saúde e , para ter uma sobrevida, tenho que evitar emoções fortes. A prisão é um trauma e um aprendizado da pequenês de nós todos. Ninguém está isento de um dia ser envolvido com uma briga, com drogas ou outros ilícitos. |Leonel registra o dia-a-dia na cadeia.
Portanto, é preciso cada vez mais, zelar por nossa integridade em todos os planos, inclusive do relacionamento.Mas este é outro papo. Vamos falar de Leonel que está ansioso para que as tintas das quais precisa para trabalhar entrem no presido, para que sua arte não pare. A ocupação vai amenizar um pouco o sofrimento dele, que deseja produzir uma série de obras que poderão ser expostas em mostra. Como nesta terra não existe muita solidariedade entre os artistas, espero que, desta vez, as pessoas se sensibilizem , porque é preciso unir forças para que ele veja realizado seu desejo.

                           WALDOMIRO DE DEUS

Partindo da constatação de que muitos naives brasileiros,com sólido currículo no exterior,nem sempre são conhecidos pelo público mais jovem,o Mian resolveu preencher esta lacuna e reservar , sistematicamente, um espaço para mostrar a arte dos consagrados da arte naif, através de um projeto de exposições individuais desses artistas. O projeto Grandes Nomes da Arte Naif foi inaugurado em outubro de 1997, quando o Mian comemorava dois anos de Abertura de suas portas ao publico. O novo projeto de divulgação e valorização da pintura naif  brasileira foi iniciado pela decana de nossas pintoras naives em atividade, a carioca Rosina Becker do Valle. A exposição realizou-se de 22 de outubro a 22 de dezembro de 1997 e se constituiu numa verdadeira retrospectiva,com quadros mais antigos da coleção da artista e de alguns colecionadores e mais recentes, com a temática mística religiosa que vem marcando seus últimos trabalhos.A segunda exposição do projeto apresentou as cores suaves e diáfanas da pernambucana Elza O.S. – Elza de Oliveira Souza-, na mostra Uma Artista da Alma, de 23 de setembro de 1999 a 9 de janeiro de 2000.O terceiro artista convidado a integrar o projeto é o baiano Waldomiro de Deus – Waldomiro de Jesus Souza-, um artista de vasto currículo internacional, que já residiu na França, na Itália e em Israel, sem, no entanto, perder a ligação com suas raízes nordestinas e brasileiras. Hoje,dividindo o tempo entre Osasco, em São Paulo, e Goiânia, Waldomiro se firma, a cada dia, como um dos maiores nomes da pintura naif brasileira e acaba de ter um livro dedicado à sua arte: Os Pincéis de Deus – Vida e Obra do pintor Naif Waldomiro de Deus, de autoria de Oscar D’Ambrósio, editado pela editora UNESP.