segunda-feira, 13 de agosto de 2012

VISUAIS - A GEOMETRIA DE ALCEU LISBOA - 31 DE JULHO DE - 2001



JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 31 DE JULHO DE 2001

               A GEOMETRIA DE ALCEU LISBOA

 Ele está pintando sem parar. Um grande impulso criativo move, neste instante, o professor Alceu Lisboa, umas das figuras baianas mais agradáveis de se conversar. Trancafiado num amplo apartamento, no Itaigara, o professor Alceu vive intensamente este moimento, envolto em livros de arte, em pesquisas pela internet, em visitas freqüentes a artistas consagrados e a grandes museus em vários países. O alvo é realizar um trabalho de arte de qualidade.
Atualmente, está voltado para o concretismo, a escola do suíço Max Bill (1908), baseada na imagem autônoma que não surge do natural. W, nada melhor para expressá-la do que através das figuras geométricas. Alceu tem uma formação racional de físico, portanto, tem, certamente, uma tendência pela lógica, pelo racional. Sem fazer alarde, Alceu está pesquisando exaustivamente a cor, os volumes, as formas, o entrelaçamento perfeito, as transparências, e vem conseguindo com êxito e num tempo quase recorde. A evolução dele é tamanha, que fico perplexo cada vez que o encontro. Neste seu trabalho, que pode parecer frio aos olhos incautos, tem por trás uma grande dose de emoção. Alceu é um artista emotivo, que vibra com o que acaba de fazer numa tela, como se estivesse comemorando o nascimento de um filho. A obra dele tem alma, expressa nas cores, que ele combina tão bem. Pode até parecer exagero o que estou afirmando, mas, dentro em breve, você, que está lendo este artigo, poderá comprovar o que afirmo.

Reprodução da obra de Alceu Lisboa onde vemos uma pintura limpa, racional, na qual sobressaem, a aplicação e a lógica.

                        CHICO LIBERATO E SAMICO

O baiano Chico Liberato e o pernambucano Gilvan Samico estão mostrando a arte deles na exposição Tempo brasileiro. Durante o vernissage, os músicos João Liberato e Pedro Robatto tocaram peças modernas e contemporâneas com instrumentos de sopro. Chico Liberato mostra uma série de 10 relevos, apresentados em caixa brancas, mais algumas pinturas (1,00m x 1,00m e 1,20m x 0,80m )e três objetos tridimensionais de forte colorido (esculturas pintadas). Liberato começou a carreira profissional no início dos anos 60.

Esteve presente nas bienais de artes plásticas, acontecidas em 1966 e 1968, na Bahia. A presença dele foi também marcante nas mais importantes galerias de arte do País e em salões oficiais- no Brasil e no exterior- durante toda a década de 60. A partir de 1970, iniciou as atividades em cinema de animação, tendo produzido inúmeros filmes de curta-metragem e o longa-metragem Boi Aruá. Gilvan Samico está mostrando 12 gravuras, sendo quatro delas inéditas. Ele iniciou as atividades profissionais em meados dos anos 50, participando do salão Anual do Museu o Estado de Pernambuco. Entre 1957 e 1959, estudou com Lívio Abramo, em São Paulo, e Goeldi, no Rio de Janeiro.
Em 58 e 60, recebeu o prêmio de gravura do Salão de Pernambuco e, em 61, recebeu o prêmio de Isenção do júri do Salão Nacional de Arte moderna do Rio de Janeiro.
Objeto triidimensional, em acrílica sobre placas e materiais diversos de autoria de Chico Liberato.