segunda-feira, 13 de agosto de 2012

VISUAIS - CARLOS BASTOS - DESENHOS - 28 DE AGOSTO DE - 2001


JORNAL A TARDE SALVADOR, 28 AGOSTO DE 2001

                                 CARLOS BASTOS E SEUS DESENHOS

Será amanhã o lançamento do livro de desenhos de Carlos Bastos, que integrará a Série Desenhos e contém reproduções de trabalhos do artista, criados especialmente para a obra de Jorge Amado. O livro traz, ainda, um histórico da carreira profissional do artista, que teve início no final dos anos 40, quando realizou a primeira exposição individual, na Biblioteca Pública de Salvador. O lançamento acontecerá das 18 às 21 horas, na Fundação Casa de Jorge Amado, no Pelourinho. Com tiragem de 2 mil exemplares, o livro tem o mesmo padrão de qualidade dos anteriores da Série Desenhos, que registraram a trajetória dos artistas Floriano Teixeira, Mário Cravo Jr e Calasans Neto. Vale destacar que o patrocínio da Copene está sendo viabilizado através do Fazcultura. Responsável pela edição, o escritor Claudius Portugal explica que a coleção tem caráter didático, por retratar o processo evolutivo do artista, do anonimato à maturidade. O livro traz, ainda, vários, textos de escritores e críticos de arte sobre a obra de Carlos Bastos, inclusive um de autoria deste colunista.

                      RETRATO DE CIPRIANO BARATA

O artista Henrique Passos ilustrou a capa do livro Cipriano Barata na sentinela da Liberdade, de Marco Morel, que será lançado na Academia de Letras da Bahia (Avenida Joana Angélica, 198) nesta quinta-feira, a partir das 17 horas. O livro é o sexto que a Academia de Letras e a Assembléia Legislativa do Estado da Bahia publicam juntas. Há cerca de um mês, as duas instituições renovaram o convênio por mais dois anos. A capa de duas das obras anteriores- A Bala de Ouro, de Pedro Calmon, e Ao Tempo do Governo Conceição, de Ruy Santos - foram ilustradas, respectivamente, por Gentil, ilustrador de A Tarde, e Lygia Sampaio, um dos nomes do modernismo na Bahia.
Henrique Passos pintou para a capa do livro de Morel, após pesquisa da iconografia existente, um novo retrato de Cipriano Barata. O pintor está voltado há tempo para o passado da Bahia, ora retratando personalidades, ora trechos da velha cidade do Salvador.
Sua última individual, dedicada aos 450 anos de Salvador, foi no Museu da Cidade. Que incorporou ao acervo as quatro telas que reproduzem velhas plantas da capital. Passos possui telas também no Memorial da Câmara dos Vereadores, Museu de Arte Moderna, na Biblioteca Central da Ufba e em coleções particulares.
Reprodução de foto onde o artista Henrique Passos aparece ao lado da tela que pintou para ilustrar o livro Cipriano Barata.

                                                     ANA VIRGÍNIA

Existem variadas razões que levam as pessoas a agirem desta forma e também a abraçarem determinadas causas. Muitos têm os caminhos interrompidos e nunca mais retomam. Outros voltam com mais garra. É o caso da artista Ana Virgínia, que, após um problema de saúde familiar, volta a pintar. Ela mesma revela que as últimas criações nasceram de um apelo à emoção. Foi assim que  partindo de formas e figuras tradicionais, homenageou, retratando, na figura de um São Jorge, o médico Mário Ancilon, neurologista e cirurgião, que tratou a irmã dela.
A artista Ana Virginia homenageia o médico Mário Ancilon através da pintura.