domingo, 12 de agosto de 2012

VISUAIS - RÓTULOS TRAZEM OBRAS DE ARTE - 6 DE MARÇO DE 2001.


 JORNAL A TARDE ,SALVADOR, TERÇA-FEIRA 06 DE MARÇO DE 2001. 

            RÓTULOS QUE SÃO OBRAS DE ARTE


Salvador recebe a exposição de reproduções de rótulos e cartazes da bebida Martini, os quais estão expostos no Shopping Center Iguatemi - 3º piso (Alameda das Grifes).
Ao lado reprodução de um dos rótulos que fizeram sucesso no passado.
É um resgate dos cartazes promocionais criados por grandes artistas plásticos no século XX, tornando esses trabalhos, que marcaram época na história do design e da propaganda, acessíveis ao grande público. Para isso, este mês, as garrafas dos quatros tipos de vermuth - bianco, rosso, rose e dry - chegam aos consumidores diferenciados por rótulos metalizados, reproduzindo alguns dos mais belos cartazes da coleção e com os dizeres “Edizione Limitada”. E agora, já numa segunda tiragem, com novos rótulos, pois a primeira está esgotada.
A mostra tem a curadoria do professor da USP Carlos Fajardo, doutor em artes plásticas e escultor que também assina o texto de apresentação da exposição que ficará em Salvador até 15 próximo e, depois, percorrerá outras cidades do Brasil até o final de abril.
A linda e elegante mulher, toda vestida de branco, com o clima de sedução, é de autoria do artista M. Dudovich; o rosé ganha rótulo reproduzindo uma criação de A. Testa, de 1950, criada como estampa para revestimento de caixas natalinas na qual se destaca um braço feminino enfeitado por uma luva longa, segurando, delicadamente, uma taça; já o dry ganha rótulo reproduzindo um estudo a têmpera, de autor não identificado, datado de cerca de 1933, jogando com círculos e semicírculos. Do mesmo ano, também de autor não identificado, o rótulo de rosso é um estudo a têmpera representando uma figura com idéia de movimento e pressa, carregando uma bandeja com uma taça do célebre vermouth.

                                             HOMENAGEM À MULHER

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, a galeria Solar do Ferrão, no Pelourinho, promove duas exposições, nesta quinta-feira, a partir das 19 horas. A mostra, denominada Ora yê yê ô- Saudação a Oxum, reúne trabalhos em tela do artista plástico Durval Queiroz . Já o artista plástico Fio Cartibani expõe uma série de esculturas em cerâmica. As obras poderão ser vistas até o dia 18 próximo.
Nas obras, Durval Queiroz procura contar parte da história da deusa da água doce. Para ele, “Oxum é faceira e ciumenta e maliciosa, mostrando assim que é madura, é mulher”. Fio Cartibani explora formas e cores usando a cerâmica e tendo como referência a mulher. O artista diz estilizar a figura humana, buscando equilíbrio, harmonia e leveza nas suas expressões.
O baiano Durval Queiroz tem várias exposições realizadas, entre individuais e coletivas. Seus trabalhos estão em coleções particulares nos Estados Unidos, Argentina, frança, Itália e Espanha, além de vários Estados brasileiros. Segundo o artista, a riqueza da religião afro é uma fonte permanente de inspiração. Preceitos, indumentárias e, principalmente, os movimentos da dança propiciam as mais variadas interpretações plásticas.

                  ARTISTA BAIANA IEDA OLIVEIRA  NO CCBB-RJ

A instalação Pistapravida, da artista plástica Ieda Oliveira, é uma das obras que integram a exposição Uma Geração em Trânsito, do calendário 2001 do Centro Cultural Banco do Brasil, Inaugurada no último dia 6, a exposição estará aberta ao público até 25 deste mês.
A instalação foi exposta pela primeira vez no Liceu de Artes e Ofícios da Bahia, em outubro do ano passado, durante a mostra fotográfica Lentes e Pincéis.
Ieda tem, no currículo, dentre outras realizações, o prêmio da Bienal do Recôncavo 1998 e quatro exposições na Alemanha. Até janeiro, teve a instalação Descanso exposta no MAM, como uma das selecionadas do VII Salão da Bahia, e está com outra obra, O Apagador, em exposição em Curitiba (PR), no Salão de Arte Contemporânea.