domingo, 12 de agosto de 2012

VISUAIS - NOVE EXPOSIÇÕES - 30 DE ABRIL DE - 2002


JORNAL A TARDE, TERÇA-FEIRA, 30 DE ABRIL DE 2002

                                                   NOVE EXPOSIÇÕES




Nove mostras compõem as exposições comemorativas do Seminário Internacional Patrimônio Intangível nas Américas: a Terra, o Homem e a Cultura, que serão abertas hoje, às 19 horas, na Galeria do Solar do Ferrão, e às 19h30m, no Centro Cultural Memória dos Correios, no Pelourinho. As exposições  que têm a curadoria de Zélia Bastos, reúnem obras do Mestre Didi, Emanoel Araújo, Manoel Bonfim, Trípoli Gaudenzi, azulejos de Udo Knoff, além de desenhos antigos e fotografias do Centro Histórico de Salvador, esculturas pertencentes à antiga Sé, cerâmicas indígena, arte popular e, em homenagem às Américas, uma sala com projeção multimídia. O evento é promovido pelo comitê brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios ( Icomos) , Secretaria da Cultura e Turismo e Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia ( Ipac). A Galeria do Solar do Ferrão funciona de segunda a sexta-feira , das 9 às 18 horas,; o Centro Cultural Memória dos Correios, de terça a sexta-feira, das 10 às 19 horas.
Reprodução da foto de Manoel Bonfim que participa da mostra comemorativa do Patrimônio Intangível.

                                                 PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA

O público baiano vem conferindo, no Museu de Arte Moderna da Bahia – Mam-Ba, uma das mais importantes exposições de artes plásticas do País. Realizado há 33 anos, o Panorama da Arte Brasileira, tradicionalmente organizado pelo MAM paulista, está ocupando as galerias do museu baiano, voltando a transformar o Solar do Unhão num pólo para conhecimento, interpretação e difusão da arte brasileira contemporânea . A edição 2001 do Panorama apresenta um mapeamento dos espaços alternativos, cooperativos e colaborações entre artistas, organizações e trabalhos surgidos nas comunidades, em paralelo à cena institucional, em diversas regiões do País. Ao todo são 40 artistas que , com suas obras instigantes, compõem um painel inovador, provocante, como uma forma de pensar e fazer arte que passa a léguas do convencional. Segundo Ivo Mesquita, diretor técnico do MAM de São Paulo e que assina o texto de apresentação da exposição, a intenção desta edição do Panorama foi de estar afinada com as novas formas de organização e expressão da sociedade, levando em conta o crescimento das ONGs e ações voluntárias, bem como outras formas de atividades alternativas à cena institucional tradicional.

                                                   TRÊS ARTISTAS NO ICBA
Os artistas Iuri Sarmentoi, Alex Fleming e Herald Braum utilizam-se da iconografia do século XXI para, num cruzamento de diferentes meios visuais, assumir posições que são inovadoras, tanto esteticamente quanto no conteúdo. Os trabalhos de Iuri aproximam-se do kitsch, pois ele utiliza-se do vocabulário dos mitos religiosos e profanos. Ao reproduzi-los numa grande instalação espaço-residencial – elevando-os, com isto, ao contexto do cotidiano -, ele roça nos limites entre o trágico e o cômico. Eles estão expondo no Icba. Alex Flemming, que vive entre Berlim e São Paulo, é, nesta exposição , o artista com maior experiência internacional – o que se reflete em sua obra. Na série body builders, exposta em Salvador, ele confronta a beleza e a força  que supostamente emanam com os focos de guerra do mundo. O jogo de forças é, também, o tema de Herald Braun. A composição de materiais que, por sua natureza física, são inconciliáveis, e o patchwork de diversos tecidos e cores tornam visível o conflito, sempre discutido, entre racionalidade e emocionalidade. É difícil subordinar os trabalhos de Herald Braum às nossas circunstâncias.