sexta-feira, 10 de agosto de 2012

VISUAIS - MÃOS FEMININAS - 21 DE MAIO DE 2002

 JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 21 DE MAIO DE 2002
                             
                             
                             MÃOS FEMININAS

O fotógrafo Mário Edson está expondo, na Galeria Moacir Moreno, no Teatro XVIII, Pelourinho. Ele fotografou as mãos de várias mulheres, famosas ou não, como forma de expressão de cada uma delas no trabalho, na arte e no dia-a-dia. Assim foram fotografadas as mãos de Marisa Monte, Elba ramalho, Adriana Calcanhoto e Fernanda Montenegro, dentre outras.
É um projeto que já data de 1998 e tem o nome de Feminino Plural.
Na foto as mãos firmes da cantora baiana Sylvia Patrícia.


                                  A IMAGEM EM QUESTÃO

“A imagem  surge da emoção que aparece como nuvens em formação em obras bidimensionais nas pinturas e tridimensionais em minhas esculturas”, assim o artista Leonel Mattos sintetiza a exposição que vai abrir no Museu de Arte Moderna da Bahia, no Solar do Unhão. São pinturas, elaboradas a partir de 1998 em óleo e acrílica sobre tela, inspiradas em detalhes de sua passagem pela penitenciária do Estado, auto-retratos, cenas do terror das torres gêmeas de Nova Iorque.
Leonel expõe o mundo com as fraquezas do homem. A mostra será aberta nesta sexta-feira. O artista está vivendo o momento de uma pré-estréia, com todo o gás que nós conhecemos.
Ele telefona, aparece nas redações, conversa com as pessoas... Leonel tem uma necessidade interior de levar ao público aquilo que produz.Não busca o aparecimento fútil ou a autopromoção, o sentimento que nos passa é de que precisa comunicar o que foi feito, fazer com que as pessoas participem de sua emoção incontida. Como um vulcão em perfeita ebulição, ele busca lançar sua emoção ao vento, para que possamos admirar sua obra, feita com muita paixão.

                                       SINTONIA COM A VIDA

Sem nunca haver cursado uma escola de artes plásticas, o comerciário Edu Gomes, 25 anos, desenvolveu as próprias técnicas e as inseriu no cotidiano de seu mundo. “Na verdade, quando comecei a pintar encontrei nas telas e nas tintas uma válvula de escape. Há quatro anos, uso a pintura para documentar meus momentos de vida, o que tem me ajudado a passar para a tela as minhas emoções”. Com a exposição Sintonia, ele expôs os trabalhos no Pelourinho, na joalheria La Bonfim. Os temas de Edu Gomes são sempre definições do seu estado emocional comportado de maneira magnífica no abstracionismo autodidata. Ele conta que trabalhava, há quatro anos, numa casa de material de construção, quando os colegas o incentivaram a fazer uma exposição num espaço destinado aos funcionários. As 20 telas foram quase todas vendidas e, a partir daí, não parou mais de pintar.

                                   LIANE KATSUKI NA ESPANHA

A escultora baiana Liane Katsuki, que atualmente reside na Espanha, está fazendo mais uma exposição, desta vez, na Arcale, Feira de Arte Contemporânea, em Salamanca, que ela chama de a capital cultural da Europa. Até novembro, a artista fará mais quatro mostras na Europa e, no final do ano, virá a Salvador, para matar as saudades da terra e dos amigos. Além das esculturas, Liane vem destacando-se com as jóias de alta qualidade que cria, inclusive, algumas delas estão expostas, pela Galeria DKS, na Arcale. Foto de Liane Katsuki, ao lado da escultura Harmonia ,Espaço,Tempo.