domingo, 12 de agosto de 2012

VISUAIS - ARTE MEDIEVAL DE CARLOS LEONOR - 23 DE ABRIL DE - 2002


JORNAL A TARDE ,TERÇA-FEIRA,23 DE ABRIL DE 2002

ARTE MEDIEVAL DE CARLOS  LEONOR RIBEIRO DE BRITO

 “Para o homem moderno e contemporâneo, habituado a viver e a ver as coisas informaticamente e, sobretudo, desfigurado por uma visão parcial da História, a Idade Média e a Heráldica são termos anacrônicos”, reconhece Carlos Leonor Ribeiro de Brito, que trabalha com a arte medieval. Ele diz que as pessoas esquecem que existem maravilhas na arquitetura daquela época e na sabedoria cristã. O artista está expondo no Marazul Hotel, na Barra, várias obras ligadas a esta corrente da arte. Ele revela que “ há produção literária incessante, na Europa, sobre a Idade Média”. Nesse sentido, uma comissão de 30 peritos, publicou, após seis anos de trabalho, um Dicionário Enciclopédico Sobre a Idade Média, sob a direção de André Vauchez. Ao mesmo tempo, no Brasil, os pesquisadores Carlos Eduardo Barata e Cunha Bueno lançaram o Dicionário das Famílias Brasileiras, a mais completa obra sobre o tema já publicado no País, com 17.200 verbetes e cerca de 50 mil famílias.
Reprodução de uma das obras de autoria do arquiteto Carlos Leonor Ribeiro de Brito.

                                                UMA PALAVRA

Uma instalação abordando o valor do texto e da imagem acontecerá, na próxima sexta-feira, na Galeria Acbeu – uma das obras dos artistas Dani Antoniazzi e Ricardo Guimarães. Dani Antoniazzi, formada em programação visual pela Ufba, já atuou na área da restauração, além de trabalhar com fotografia e design. Ricardo Guimarães atua, também, como arte educador e músico. Com a instalação Uma Palavra, os artistas propõem através apenas do uso de palavras, emocionar, estimular e a curiosidade e provocar sensações no público. “Utilizaremos todo o espaço da galeria. Paredes, chão, teto, vidros serão utilizados com diversos tipos de materiais, onde, com a nossa interferência, estaremos buscando a maior expressividade possível para o que desejamos: tinta, madeira, lona, papel, isopor, acrílico, concreto, pedra, vidro, etc”. A intenção é discutir sobre o valor do texto, sobre o valor da imagem, sobre o valor do texto-imagem.

                                                    MCR REALIZA LEILÃO

Ao completar 13 anos no mercado de Salvador, a Mcr Galeria vai realizar o primeiro leilão de arte, com obras selecionadas pelo marchand Marcos Couri, para atender os colecionadores e admiradores das artes plásticas. Uma tela de Di Cavalcanti, da década de 50, com temática marinha, é um do destaque. Trata-se de uma peça de importante
período do artista, similar às que se encontram no acervo particular do empresário Roberto Marinho, que possui uma das mais completas pinacotecas do Brasil. Iberê Camargo, também artista dos mais valorizados no mercado brasileiro, estará representado no leilão com duas telas, das décadas de 80 e 90, respectivamente. Um dos artistas baianos que tiveram as obras valorizadas nos últimos seis anos (200%) Floriano Teixeira, também irá a pregão, com telas das décadas de 60 e 70, uma das suas fases mais importantes.

                                                 ENERGIA DA NATUREZA

Esse é o nome da recente exposição de quadros, acrílico sobre tela, da baiana Selma Machado, que aconteceu no Espaço Cultural Ana Lúcia Rocha (Colégio Integral), na Pituba. Selma Machado é autodidata e, desde a adolescência, interessa-se pela pintura. Já realizou diversas exposições individuais, em galerias do Shopping Iguatemi, Tribunal Regional do Trabalho, Coelba e Chesf. Participou também de coletivas no Pelourinho e no Centro de Convenções da Bahia. Como parte da formação, a artista ressalta a oportunidade de visitas às mais importantes coleções de quadros do mundo, como a do Museu do Louvre, em Paris, a do Museu do Vaticano e Capela Sistina, em Roma, dentre outros museus da Espanha e de Nova Iorque. Nessa última exposição, a artista plástica expôs 11 telas, abordando três diferentes temáticas: flores, imagens abstratas e figuras.