sexta-feira, 10 de agosto de 2012

VISUAIS - ZÉ CORDEIRO E EDNA EM PORTUGAL - 5 DE JUNHO DE 2001

JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 05/06/2001

        
                ZÉ  CORDEIRO e EDNA EXPÕEM EM PORTUGAL




Com o apoio da Embaixada do Brasil em Lisboa, foi aberta, ontem, na Gallery Center, em Amoreira Shopping Center de Lisboa, a exposição dos pintores Zé Cordeiro e Edna De Araraquara. É a maior mostra individual que os artistas brasileiros radicados em Portugal há quase 11 anos realizam naquele país. Zé e Edna têm grande vivência no mundo das artes plásticas – atualmente, moram em Portugal, após terem residido em Paris e Roma. Zé cordeiro, com o estilo figurativo e fortes influências latinas, trabalha com artes plásticas há 35 anos. Começou em 1966, no XV Salão Paulista de Arte Moderna e, desde então, realizou mais de 350 exposições coletivas e individuais no Brasil e em outros países, como Portugal, Estados Unidos, Chile, Canadá, Alemanha, Itália, Iugoslávia, França, Japão, Espanha, Inglaterra, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Bélgica e Finlândia.
Edna de Araraquara, dona de um estilo próprio, as obras dela “são como filigranas pintadas”, é considerada  uma expoente da arte idiossincrática. Sua primeira exposição foi em 1977, em São Paulo, participou de inúmeras exposições, em vários países, em 1996, foi premiada, em Estocolmo-Suécia, no 3º Internacional Femmale Artistas Exhibition. A convite da prefeitura de Dodecaneso, Grécia, representou Portugal no Ist International Fórum for Culture of Peace by Mediterranean Women Creators, na ilha de Rhodes-Grécia. Os dois pintores têm divulgado muitos artistas brasileiros e portugueses em eventos que realizam na Europa, incluindo-os, também, em livros de arte em Portugal e Itália.

HOMO SAPIENS

A exposição Homo Sapiens, a primeira individual do artista plástico baiano Adalberto Alves, está na Galeria Acbeu. Após ter trilhado o caminho da pintura, da colagem e da fotografia, o artista transita agora pelo universo da monotipia, uma técnica que mistura desenho, gravura e pintura. “Escolhi a monotipia, porque considero que a técnica tem um caráter expressivo bastante forte”, explica o artista. Natural de Santo Amaro da Purificação, há 46 anos, Alves é formado pela Escola de Belas Artes da Ufba e já participou de algumas exposições coletivas. O artista vem trabalhando em monotipias desde 1999. “O ponto de partida são dos desenhos que faço diariamente”, diz enfatizando que o tema central dos trabalhos é o homem. O título, Homo Sapiens, seria uma forma de reflexão sobre o destino do homem.
Reprodução de figura que ilustra o catálogo das monotipias de Adalberto Alves.