domingo, 12 de agosto de 2012

VISUAIS - WASHINGTON SALES EM MADRI - 5 DE NOVEMBRO DE 2002


JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 05 DE NOVEMBRO DE 2002


                                       WASHINGTON SALES EM MADRI



Obras do pintor e escultor baiano Washington Sales estão expostas em Madri, Espanha, integrando a exposição Arte Independente de Madrid, no Palácio de Convenções daquela cidade. Quem o convidou foi a marchand e antropóloga Aida Ester Bueno, que reside na capital espanhola. Sales já realizou várias exposições na Alemanha e seus trabalhos escultóricos têm tido boa receptividade entre os europeus. A pintura, especialmente a fase em que ele pintou bonecas, é uma das mais representativas e ricas das artes plásticas baianas contemporâneas. Ele também foi convidado a doar reproduções dos seus trabalhos ao acervo do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Lucidade da Faculdade de Educação da Ufba – Gepel. O artista defende que a direção do MAM poderia fazer um convênio com o órgão ou pessoa responsável pela guarda dos instrumentos musicais de Walter Smetak, que, segundo ele, “considero verdadeiras esculturas e poderiam fazer parte do acervo, tanto do MAM como na Galeria da Cidade”.
Reprodução da foto de Washington Sales com a Família-Escultura, exposta em Madri.

                                    BAIANOS NA BIENAL DE XANGAI

A Bienal da Xangai, considerada a mais importante mostra de arte contemporânea da China vai expor o trabalho de dois baianos. O evento, que acontece no Shangai Peoples’s Park, deste mês a janeiro próximo, contará com a participação dos arquitetos Gustavo Valença e Sérgio Ekerman, recém formados pela Universidade Federal da Bahia, que projetaram, respectivamente, um museu e uma sinagoga, como trabalhos de graduação. Aprovado com louvor pela Faculdade de Arquitetura, Gustavo comemora a escolha do seu trabalho, para integrar uma das mais respeitadas mostras internacionais. Está será a primeira vez que a Faculdade de Arquitetura da Ufba participa desse evento. Os trabalhos foram produzidos para a Cidade de Salvador e, por isso, será uma grande oportunidade de mostrar a realidade urbanística e arquitetônica da cidade para outros povos.
Os dois projetos integrarão a mostra internacional de estudantes, que tem a criação urbana como tema. Os jovens profissionais nem bem tiveram tempo de comemorar a vitória e já estão às voltas com a busca de patrocínio, para participar do evento. Que se apresentem os mecenas de plantão.

                         COLETIVA MULTIINTERNACIONAL

A exposição Pequeno Oceano, que integra o projeto Linha Imaginária, propõe o intercâmbio cultural entre artistas de várias partes do mundo em mostras coletivas pelo Brasil. Agora, Salvador sedia uma dessas mostras, com obras de sete artistas, na Galeria Acbeu. São eles, Nuno Ramalho e Catarina Felgueiras, de Portugal; King Fielding e Simon Mitchell, do País de Gales, além de Eddie Mendes, Neide Jallageas e Vera Costa, do Brasil. A exposição, que tem a curadoria do paulista Sidney Philocreon, fica em cartaz até o dia 19 deste mês.
Reprodução da obra Muda, de Catarina Felgueiras, artista portuguesa.
 Pequeno Oceano traz, pela primeira vez dentro do projeto Linha Imaginária, um núcleo de artistas estrangeiros, para exporem, coletivamente, com os brasileiros, aumentando sua relação de intercâmbio. Os dois portugueses, Nuno Ramalho e Catarina Felgueiras, expressam as questões contemporâneas em diálogo com a produção nacional. Ramalho vai mostrar desenhos sobre vidro, enquanto Catarina apresenta fotografias coloridas. Ambos são jovens artistas, com atuação entre as cidades de Porto e Lisboa, inclusive, participam, atualmente, de mostras coletivas nas duas cidades portuguesas.