domingo, 12 de agosto de 2012

VISUAIS - EDSOLEDA E PAULO RUFINO - 8 DE FEVEREIRO DE 2000


JORNAL A TARDE, TERÇA-FEIRA,8 DE FEVEREIRO DE 2000.

                              EDSOLEDA E PAULO RUFINO


Os artistas Edsoleda Santos e Paulo Rufino estão expondo no Conjunto Cultural da Caixa Econômica Federal, que fica na Rua Carlos Gomes, onde já funcionou o saudoso Diário de Notícias. Com o tema Bahia Mito, Magia e Rendas, eles estão por lá, a partir das 15 horas, para dar explicações aos visitantes. Segundo Monique Humbert, supervisora do Conjunto Cultural, serão programadas visitas de grupos até 17 de março, inclusive é uma boa oportunidade para as escolas levarem os alunos para terem um maior contato com a arte.
Reprodução acima de uma tela em acrílica de Edsoleda . Abaixo óleo sobre tela de Paulo Rufino.
Edsoleda é uma artista já conhecida do público baiano e está expondo dez telas, que retratam a paisagem urbana, na qual mescla os casarões coloniais com os prédios mais modernos em aquarelas. Na composição, estão presentes rendas em relevo e enfoques das festas cívicas e religiosas, tão incorporadas à vida de nossa cidade.
Já Paulo Rufino exibe oito telas, com figuras míticas banhadas pelo sol e desvendando as noites de Salvador. Mostra os mistérios e símbolos mágicos e sagrados através de um cromatismo barroco, onde predominam os contrastes de luz e sombra.

                                                        DIFÍCEIS...

Alguns artistas são difíceis por temperamento. Outros, desorganizados. Com isso, perdem oportunidades de negócios, crescimento e presença na mídia; Geralmente, se queixam de dificuldades, mas cruzam os braços e não vão à luta. É preciso correr atrás, para mostrar o trabalho a pessoas que possam opinar discordar ou divulgar. Enfim, é preciso ter consciência de que não basta criar. Tem que criar e mostrar. Não pode ficar naquela posição contemplativa, sem mover uma palha, e depois reclamar da vida. Mas, para isso, é preciso criar com qualidade, o que só se consegue com muita dedicação e trabalho.
Alguns podem estar perguntando: Por que Reynivaldo está fazendo este comentário? Respondo, porque as cobranças são muitas, de vários artistas, e, quase sempre, estou explicando o porquê de alguns a estarem fora da mídia, do circuito das exposições etc. Tem artista que não guarda absolutamente nada da própria história. Não tem registro de quase nada. O despojamento, prejudicial, é sempre sentido, no final da vida.