sábado, 6 de julho de 2013

MULHERES MOVIMENTAM MAIS UM BOM ESPAÇO ALTERNATIVO

JORNAL A TARDE, SALVADOR,  SEGUNDA-FEIRA, 13 DE MARÇO DE 1989

Aspecto da mostra Mulheres Artistas,onde
vemos vários estilos
Foi grande a participação das mulheres na primeira das três exposições que a Galeria Panorama, Studio L e o Shopping Barra estão promovendo em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, com patrocínio da Caixa Econômica Federal. A mostra Mulheres Artistas,  começou no último dia 8. No dia 17, será a exposição O Artista Vê a Mulher, uma visão da mulher através da arte, e, no dia 27, Mulheres Bonitas e Sensuais, são fotografias que mostram a beleza e a sensualidade da mulher.
É a segunda vez que divulgo esta iniciativa, pelas seguintes razões: primeiro, por se tratar de uma promoção enaltecendo o papel da mulher e, também, por ser um espaço alternativo, que merece ser preservado.
Entre as artistas que estão participando do Projeto Mulher estão: Alessandra Carneiro, Amélia Ávila, Ana Paula de Castro, Ângela Tenório, Anna Georgina, Bené, Carlota, Carmem Freaza, Cecília Marques, Christina Almeida, Daisy Rosa, Edith Bruni, Elita Seixas Maia, Flora Oliveira, Ingrid Picarelli, Ita Cardoso, Jussara Rego, Lai, Lourdinha Porto, Lavínia Gondin, Lia Freitas, Luciana Pereira, Lucini Curry, Lygia Milton, Márcia Magno, Maria José da Cunha, Marieta Aguiar, Maria Valinas, Miriam Belo, Mariza Assumpção, Mônica Arruda, Mônica Bensabath, Neuza Collares, Neuza Dourado, Nide, Núbia Cerqueira, Odete Valente, Regina Sá de Brito, Rosa Maria Brasil, Silene Freitas, Sumaya Mendes, Tereza Koch, Tetá Diniz, Therezinha Soriano e Therezinha Viana.
Entre os participantes da fase, O Artista Vê a Mulher, estará Abelleira com suas telas a óleo feitas com utilização da espátula. Aliás, a mulher sempre foi o tema básico deste artista que já está trabalhando para as próximas exposições que realizará em São Paulo e em Barcelona, na Espanha.

   ESCULTURAS SONORAS DE SMETAK SERÃO EXPOSTAS 

 Smetak com uma obra  sonora
Os 50 instrumentos ou esculturas sonoras produzidos por Walker Smetak recentemente expostos em uma galeria de São Paulo, serão mostrados ao público baiano entre os dias 29 de março e 30 de abril. A exposição acontecerá juntamente com uma série de eventos relacionados com o músico suíço que se radicou na Bahia e ocupará todo o prédio onde se situam a Fundação Gregório de Mattos (FGM) e o Teatro Gregório de Mattos, na Praça Castro Alves.
Além dos instrumentos, serão apresentados manuscritos e partituras de Smetak, fotografias, filmes e vídeos e ainda haverá debates, palestras cursos, concertos e recitais. O projeto está sendo organizado pela Associação dos Amigos de Walter Smetak e pela Fundação Gregório de Mattos, com supervisão do maestro Paulo Dourado. Participarão dos eventos a Orquestra Sinfônica da UFBa., Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rogério Duarte, Waly Salomão e Tuzé de Abreu, entre outros.
Walter Smetak,que viveu os seus últimos 30 anos em Salvador morreu em 1984, influenciou grande número de músicos brasileiros e deixou um dos maiores acervos culturais da Bahia, afirma Paulo Dourado, ex-diretor da Escola de Música da UFBa. Esse acervo é conhecido de poucas pessoas e precisa ser mais difundido e apropriado pelos baianos, acrescenta Dourado.
Smetak é um dos poucos músicos, do País que tem um trabalho auto-referenciado, compondo um universo total, e chegou ao ponto de fabricar os instrumentos adequados para a interpretação da sua música interior, como ele a denominava, diz Paulo Dourado. Apesar as sofisticada criatividade, a obra de Smetak é altamente referenciava na cultura popular, acrescenta o maestro, lembrando que os instrumentos dele foram fabricados com sucata, cabaças, cabos de vassoura, mangueiras, pedaços de relógios e outras matérias-primas do artesanato popular.
VISITAÇÃO
Foram convidados para os eventos alguns musicólogos importantes, como o maestro Ernst Widmer, amigo de Smetak, e Joaquim H. Koelreuter, responsável pela introdução do atonalismo no Brasil e pela vinda do próprio Smetak ao País. Um dos eventos programados será um curso, dividido em três seminários, sobre Fabricação de instrumentos musicais, Gênese da música contemporânea e Smetak, música e escoterismo o compositor suíço era também filósofo e poeta.
Visita de escolas da prefeitura á exposição já foram acertadas com a Secretária de Educação, Eliana Kertérz, e escolas particulares serão convidadas. Os organizadores também vão propor à Emtursa que atraía grupos de turistas para visitar os eventos.

                   PINTURA BRASILEIRA NAS GUIANAS

Uma obra do cearense Aldemir Martins
O Departamento de Divulgação Cultural do Itamaraty acaba de inaugurar no Suriname uma exposição de pintura brasileira integrada por Aldemir Martins, Paolo Maranca, Darcy Penteado, José Zaragoza, Mino Carta, Siron Franco e outros artistas nossos de renome. A exposição, intitulada Fútebol Arte Del Brasil, já foi apresentada com sucesso na Cidade do México, Caracas, Bogotá, Quito, Lima, Santiago, Buenos Aires, Montevidéu e Assunção.
Pintor brasileiro contemporâneo, artista figurativo de São Paulo, como Maranca é definido pelo verbete do Dicionário Biográfico Universal publicado em Hanover Pensylvânia, EUA, 1963, sob direção de Eduardo Cárdenas. Começou a pintar a óleo paisagens e flores, no interior do estado de São Paulo; na zona rural de Ribeirão Preto, em 1950, mas seus primeiros desenhos datam do período de sete anos, durante o qual residiu em Roma. Foi aluno de Lívio Abramo (gravura) na Escola de Artesanato do Museu de Arte Moderna de São Paulo em 1953, e de Waldemar da Costa, em seu ateliê, de desenho e óleo, de 1954 a 1956. Neste mesmo ano, chefia o departamento de imprensa da Bienal. Ao longo dos anos 50, Maranca lidera, em São Paulo, o movimento figurativista que se opunha ao abstracionismo ditado pelo MAM de Nova Iorque, e organiza uma série, de salões polêmicos, com centenas de quadros de Portinari, Tarsila, Segall, Di Cavalcanti, Flávio de Carvalho e Anita Malfatti. Em 1957, realiza sua primeira exposição individual, com 50 desenhos e nanquim, no Clube dos Artistas de São Paulo e, durante três anos, trabalha no ateliê de Clóvis Graciano, como ajudante na feitura de grandes painéis.

 ECKENBERGER EXPÕE  BONECOS NO 18 DO PASCHOAL

A primeira ideia que me surge quando observo um trabalho de Eckenberger é imaginar uma pessoa alheia ao movimento de arte diante de um boneco de pano, barro cozido ou mesmo de um desenho de sua autoria. As expressões giram em torno do espanto e afirmações mais desencontradas, fruto da dificuldade de decodificação. Mesmo assim não deixa de ser importante o registro, porque é uma forma de se emocionar diante de um estímulo. A arte do artista é realmente intrigante porque foge ao convencional. Diria que é como se fosse uma apologia ao feio, se tomarmos o bonito como o padrão da telinha mágica da televisão onde desfilam jovens, de ambos os sexos, rosados e envolvidos em ambientes requintados.
As figuras de Eckenberger parecem habitar um local fora do nosso ambiente, mas vivendo em perfeita harmonia com seus órgãos disformes. Em determinado momento nos trnasportam a um local onde ainda reina um monarca com seu séquito formado de pessoas gordas e abstadas que continuam rindo, comento e bebendo sem parar.
Conheço Ekenberger há vários anos e me impressiona a sua coerência temática e mesmo de traço. Tanto faz trabalhar com tecidos, para conceber seus bonecos de pano ou com o barro, com o desenho em suas aquarelas e aguadas ou mesmo com óleo sobre tela, que o artista tristes, mais dignas. É um universo que casa completamente com a sua figura doce e cordial.
Sua opção em fazer uma verdadeira apologia ao feio através de suas figuras anticonvencionais já permite uma série de projeções de ideias e discussões. É como se fosse um corte na estética oficial. Como abrisse um fosso obrigando o observador a parar e meditar sobre sua fragilidade humana. Os títulos que ele dá aos trabalhos tem uma fundamentação muito grande na cultura popular. São tipos humanos que estão vivendo um momento na metamorfose desta vida cada vez mais complicada.
Quando o conheci, e me disseram que nascera em Buenos Aires, duvidei. Achei que Eckenberger era americano. Sua figura comprida, meia loirada e falando embolado me passou a imagem de americano, mas não é. Estudou Arquitetura e passou dois anos na Escola Superior de Belas Artes. Fez ainda curso de cenografia no Teatro Cólon, em Buenos Aires. Aqui aportou em 1965 e desde então é uma figura presente no movimento de arte baiano. É um dos integrantes do Projeto Nordeste, juntamente com Juarez Paraíso, César Romero, Juracy Dórea e outros. Em 1966 recebeu o 1º prêmio de pintura na 1ª Bienal Nacional de Belas Artes Plásticas da Bahia, e em 1976 o prêmio Francisco Matarazzo, na Bienal nacional de São Paulo. Já expôs em Barcelona, Paris, Munique e em várias galerias do Sul do País, além de inúmeras individuais em Salvador.
Nesta exposição os trabalhos de Eckenberger estão inseridos na ambientação do Bistrô e da Galeria do 18 do Paschoal, alternando suas já famosas bonecas de pano com peças de cerâmica e pintura desta sua última fase, o lúdico e o dantesco se apropriando do espaço arquitetônico barroco do velho sobrado, num acasalamento sempre sonhado por arquitetos-artistas plásticos.