quarta-feira, 10 de julho de 2013

DINAMIZAR OS MUSEUS BAIANOS

JORNAL A TARDE, SALVADOR,  SÁBADO 09 DE MARÇO DE 74.


Os museus baianos precisam ser dinamizados. Hoje, o conceito museográfico visa a procura cada vez maior de um entrosamento com a comunidade, principalmente para despertar nos jovens e interesse pela arte. Assim, os museus devem desenvolver múltiplas para tornarem-se organismos vivos, permanentemente abertas ás novas tendência da arte. Acontece que os museus baianos, em sua grande maioria, estão fechados a sete chaves, nas mãos de seus diretores, que só promovem exposições de artistas já consagrados. Mesmo assim, são raras essas exposições.
Se fizermos uma estatística, chegaremos à triste realidade de que grande parte da população baiana não conhece os seus museus. Eles são visitados, apressadamente, por turistas curiosos que desejam apenas alardear em suas cidades de origem que visitaram este ou aquele museu na Bahia. Na verdade, não aprenderam coisa alguma. As visitas são apressadas e inconsequentes.
De nossos museus, como é o caso do Museu Estácio de Lima, tiveram muitos de seus trabalhos danificados, se não totalmente, pelo menos parcialmente, devido à ação dos cupins e das traças. Este fato pode ser comprovado numa visita às suas instalações. Fora os museus, muitas obras de arte baianas estão entregues às traças. Não existe uma preocupação dos órgãos governamentais em preservar o nosso patrimônio artístico e cultural. Mas, é preciso que levantemos esta bandeira, visando preservar e que ainda resta. Aos diretores dos museus baianos deixo uma sugestão: vamos abrir suas portas à comunidade.

TRABALHO SÉRIO

 Um trabalho sério que vem sendo realizado por um grupo de artistas jovens. Fruto desse trabalho, ainda este mês, Salvador terá mais uma Galeria de Arte. Só que desta vez não será apenas uma galeria de arte. será um local onde o amante das artes plásticas terá todo um ambiente artístico. Ali ele terá oportunidade de observar jovens artistas trabalhando sério em busca da realização de um trabalho artístico sem o pensamento imediato na febre da comercialização.
Esta galeria ficará localizada na Ladeira de Santana. Um local para o encontro de artistas e intelectuais.
 
PAINEL II


Volto a falar de painel. Só que desta vez é um grande painel do mestre Hansen Bahia. Este alemão encantou-se tanto com a Bahia que terminou por adotar o nome da terra. O seu mais novo painel está quase concluído e fica na entrada principal do prédio do V Batalhão de Polícia Militar, ora em construção no Centro administrativo. É um imenso painel inspirado na arte grega e assíria. Ao observá-lo, pensamos naquelas figuras de soldados com capacetes de cobre conduzindo carruagens. Foi exatamente nesta temática que Hansen se inspirou para realização de seu trabalho. Esta coluna mostra pela primeira vez, detalhes do painel de Hansen. Fotos.