terça-feira, 23 de julho de 2013

JUSTINO: BANDIDO OU HERÓI ?

JORNAL A TARDE, SALVADOR,  SÁBADO, 20 DE MAIO DE 1978

A mostra de Justino Marinho é composta de 32 desenhos sob o título Bandidos ou Heróis?, onde procura um diálogo com o público através de suas figuras mudas. Um diálogo onde o entendimento e as consciências falam mais alto que as palavras, que por ventura estivessem nas legendas dos quadros ou fossem pronunciadas pelos presentes e visitantes. Um diálogo onde o visual penetra através das retinas e vai bulir com as consciências.
Diz Justino que "os meus desenhos não têm, cada um, especificamente, títulos. Não precisa, por que muitas vezes um título destoa completamente do trabalho de arte. O que é preciso observar é a evolução no trabalho de transposição de figuras e também na sua técnica cada vez mais apurada."
O uso na cor do trabalho é uma decorrência do próprio risco, porque ele não procura combinar uma cor com outra. "Procuro é criar um clima, através da cor, que expresse melhor as minhas intenções, dentro do trabalho. A cor não é para enfeitar e sim para ser usada como força para uma maior expressão", afirma
Sabe também Justino que a função do artista é procurar alertar às pessoas para a realidade que lhes cercam. Para as situações que estão por aí e que muitas vezes somos envolvidos. Muitas dessas vezes por livre vontade, e outras, forçosamente. Ele mesmo sofreu certa vez um sequestro enfrentou sérias dificuldades, as quais só pensava existir nos filmes americanos ou nas páginas dos noticiários internacionais.
Partindo deste conhecimento Justino denuncia a violência existente no mundo de hoje e faz algumas perguntas: Por que se mata? Por que se destrói o ser humano? Não existem respostas convincentes. Nem mesmo aqueles que defendem uma determinada ideia. A vida humana é algo que deve ser preservada e deve estar acima dos ismos. A violência deve ser abandonada, denunciada, como faz agora o Justino Marinho. Ele sabe que o que mostra agora não é novidade para muitas pessoas. Mas sabe também que não pode calar porque este é mais um grito, entre tantos já dados.
Justino parte da fotografia como se fosse um esboço de desenho, e ai faz uma composição de alto nível. Um artista que brinca com as imagens e nesta brincadeira ele assume uma posição de porta-voz dos fatos que nos chegam através do vídeo e das letras impressas nas rotativas. Um artista perfeitamente integrado com esta década cheia de violência e desumanidade.A mostra do Justino será no próximo dia 26, na Mini Galeria Acbeu, na Vitória.

             OS HUMORISTAS  BAIANOS VIAJARAM

Humor, preocupação com a ecologia e o maior convívio do homem com a natureza, são a tônica do Salão de Humor e Ecologia que permaneceu durante toda a semana na sede baiana da Aliança Francesa, na Barra Avenida. A mostra com 71 desenhos de 42 humoristas brasileiros de diversos estados veio de Recife e seguiu para Brasília e daí para Belo Horizonte, Rio, São Paulo, Curitiba e Porto Alegre. Entre os criadores dos desenhos, que abordaram a temática Ecológica com espírito de renovação e crítica, utilizando técnicas simples como o carvão, o guache e o lápis de cor, estão Jaguar, Henfil, Caruso, Nani, Marques, Mário Vale, Miran Piska e Luís Fernando Veríssimo, Laje e Nildão, os dois últimos baianos.
Entre os desenhos escritos a constante preocupação com a destruição da natureza pelo homem e consequentemente do próprio homem.
Charge de Lage que publicava suas obras
no jornal Tribuna da Bahia
Na França já existe Ministério encarregando-se da preservação da Natureza e contra a poluição que conta com o apoio do Departamento de Cultura e do povo francês. A ecologia é ainda o assunto da prova de língua francesa que os alunos da Aliança farão ao final do curso da Universidade de Nancy, na província do mesmo nome.
Num desenho de Henfil em que mostra os animais marítimos repetindo a cena bíblica da Arca de Noé em razão da poluição das águas. Noutro o mais agressivo, Miran mostra a necessidade de se recriar o verde nas cidades, mostrando uma mulher que pega o vaso, do qual se expande uma planta por toda a cidade, rompendo os edifícios e destruindo o asfalto.
Num desenho de grande beleza a poesia, Mário Vale com cores suaves, rosa e o verde oliva, mostra um passarinho com lágrimas nos olhos, tendo na mão o ninho com dois pintinhos, num apelo mudo ao homem, que machado em punho havia cerrado a árvore, sua moradia.
Outro verdadeiro grito de revolta contra a destruição da natureza pela poluição é o Pequeno Príncipe, de Ubarte, que é obrigado a fugir, levado por pássaros do seu universo, todo coberto de lama.
De Nildão dois desenhos de muita expressão que revelam uma árvore destruída pelo machado e noutro a sombra da morte rondando a natureza.
Mino, vai mais adiante. Num lay-out do OX-Gênio, a possível nova fórmula infalível contra a poluição, se a ecologia continuar sendo afetada da maneira brutal como ocorre nas grandes cidades. Ao lado da foto do produto uma mensagem: Houve um tempo em que falar da poluição era moda. Os artistas, os intelectuais, principalmente os humoristas, eram os que mais badalavam a poluição e seus maléficos. Diziam até que seria o fim do mundo, em outras palavras. No entanto, o mundo continuou apesar de todo o agouro dessas pessoas metidas a intelectuais. E poluição hoje em dia é apenas um dos males que vieram para o bem, pois graças a ela surgiu OX-Gênio, a maneira sensacional de respirar. OX-Gênio é ar puro em spray contendo ardil o mais perfeito agente anti-atmosferizante, já a venda em todos os supermercados. Para você tod a sua família no camping, ou na cidade, use OX-Gênio.  lembre-se: Enquanto há vida há esperança. Se o ar for OX-Gênio, é claro.

     FOTOGRAFIAS DE SÍLVIO ROBATTO NO MAM-BA

O Museu de Arte Moderna da Bahia está realizando a Exposição Fotográfica Um Oceano Que Nos Une com trabalhos de Sílvio Robatto.
A mostra, que se estenderá até o fim do mês em curso, registra atividades de trabalho, folguedos e cultos religiosos realizados nas praias do litoral africano e Bahia, tentando enfatizar as semelhanças do povo, das paisagens e dos métodos de trabalhos, e é constituída por 20 fotografias de grande formato, montadas numa ambientação expressiva.
A iniciativa da exposição partiu da Diretoria da Difusão Cultural do Estado da Bahia como parte das atividades comemorativas dos 90 anos de Abolição da Escravatura no Brasil.
As fotografias da África são parte do acervo fotográfico realizado por Sílvio Robatto nas diversas viagens que realizou durante a fase preparativa do Festival Internacional da Arte e Cultura Negras e Africana, enquanto que as fotografias da Bahia foram tomadas nas praias de Mar Grande e da Mesquita, sobretudo durante o ciclo das festas de culto dos orixás e santos ligados ao mar.
Concordo com a capacidade criativa de Sílvio Robatto e mesmo com a sua boa intenção, mas não posso deixar de fazer daqui um registro. É que a pauta para os artistas exporem no Museu de Arte Moderna, na capela ou mesmo no grande salão do Unhão, é disputada e muitos não tem vez. Por isto estranho que num curto espaço de tempo Sílvio, que é dirigente do museu, realizou duas exposições de suas fotografias.

                   PAINEL
NETO -Meu povo, minha terra, minha gente...assim a Fundação do Museu da Cidade está convidando para a exposição de Neto. É a sua décima exposição. Retrata com humanismo a realidade.

RETRATOS- A Galeria Cañizares apresenta exposição de C.Lauria desde ontem. São retratos cheios de imaginação. Já o conheço, quando na realização do Salão Universitário.É um jovem artista talentoso.

GRANDE ACONTECIMENTO- o prefeito da Cidade e a Secretária de Educação professora Maria Stela Santos Pita Leite estão convidando o público baiano para a inauguração no Núcleo de Arte/Educação- Nuclearte que ocorrerá no próximo dia 21, ás 15 horas, no Parque da Cidade. É talvez o acontecimento mais importante ligado a arte e a educação na Bahia este ano. Ali serão desenvolvidos importantes programas iniciando as crianças nas artes. O convite já é sugestivo. Foto I.

CALÁ- recebo um catálogo a exposição do gravador Calasans Neto onde figura uma apresentação poética de Vinícius de Moraes, sobre as baleias que habitam o território livre de Itapuã. Ele vai expor na Galeria Casa Grande, em Goiânia, a partir no próximo dia 24. respondendo a uma indagação de Vinícius o Calá responde: "Aquilo, o ignorante Aedo e súbito é o cetáceo mamífero do período eocênico a que chama a baleia, que sem ser bonita também não é feia, eu diria mesmo que é engraçadinha, e tem toda pinta de bem educada, só de uma puxada come mil sardinhas."

ROLANDO VILA- as pinturas deste artista estão na Panorama Galeria de Arte. É um peruano, que traz uma apresentação de Marcelo Santos, do Recife que diz : "Não é um vanguardista. Nem pretende sê-lo. Não propõe fórmulas ou idéias novas."

ARTE VIDA INTERIOR- É notícia o Roberto Araújo mais conhecido por Rag que ajudou tantos e tantos artistas jovens na Bahia e acabou enfrentando sérias dificuldades financeiras. Um valenciano invencível. Agora, abriu uma pequena galeria em sua cidade a qual deve ser prestigiada pelas autoridades locais, e principalmente, pelas pessoas mais esclarecidas de sua terra natal. Roberto é um idealista, um homem capaz de de resistir às injustiças e outros bichos tão presentes nesta década. A galeria já está funcionando e fica na Rua Conselheiro Ferraz, 14. Entre os expositores estão: Antoneto, Ademar Lopes, Benedito Barreto, Calixto Sales, Edson da Luz, Enelê, Edmundo Simas, Hansen Bahia, Iuriku, Juarez Paraíso, Joselito Duque, J. Arthur, Maria Elvira, Nide, e Rescála. Foto II.

O CASAL- Lúcia Goodgroves e Sámenezes estão expondo na Le Dome Galeria de Arte suas tradicionais telas retratando os casarios e ruas da cidade. A mostra foi aberta na última quinta-feira e permanecerá por vários dias..