domingo, 14 de julho de 2013

MANOEL JERÔNIMO NA POUSADA DO CARMO

JORNAL A TARDE, SALVADOR,  SÁBADO, 09 DE NOVEMBRO DE 1974


O Museu do Estado da Bahia, está apresentando pinturas de Manoel Jerônimo na Galeria da Pousada do Convento do Carmo. O seu trabalho é antes de tudo liberdade desde a escolha dos temas e motivos da obra, de arte ao emprego das cores. "O que deseja é pintar, sim pintar a natureza, a figura humana e tudo que lhe inspira criação. Manoel Jerônimo traz em seus trabalhos a violência de tons que se fundem ou se repelem em movimentos de vagas de emoção", como afirma o Professor Carlos da Rocha.
Assim os amarelos, azuis e vermelhos intensos refletem em todas as telas a personalidade do artista Manoel Jerônimo, cujos trabalhos são calcados em perfeitos desenhos que desaparecem parcialmente dentro da composição plástica.

IMPRESSIONISMO
Moça no Trigal, obra de Eliseu Visconti, de 1913

O Museu Nacional de Belas Artes, na Guanabara está apresentando uma exposição comemorativa do 1º Centenário do Impressionismo, intitulada Reflexos do Impressionismo e que reúne mais de 60 quadros, alguns célebres de pintores nacionais e estrangeiros, todos pertencentes ao acervo daquela instituição.
Durante a exposição o MNBA está promovendo uma série de exibições de filmes sobre o Impressionismo através do cinema. Entre os pintores impressionistas brasileiros que integram a exposição, destacam-se Eliseu Visconti, Marques Júnior, Henrique Cavaleiro, Belmiro de Almeida, Antônio Parreiras, Garcia Bento, Lucílio de Albuquerque e outros.


ÁRABE E ARTE

Alguns leiloeiros americanos do mercado de arte estão aprendendo a língua árabe pois os árabes estão entrando firmes neste setor. O dinheiro está afluindo justamente dos países produtores do petróleo principalmente do Iraque. Os árabes estão adquirindo obras de importantes pintores para os acervos de seus museus e também para colecionadores particulares. Assim os revendedores de obras de arte estão cortejando o mercado árabe, e suas esperanças começam a aumentar.

GRAVURA
Chuva, uma bela gravura de Oswaldo Goeldi

Até que enfim a gravura brasileira ganha um lugar de destaque na próxima Bienal de São Paulo, que abrirá um grande espaço dedicado a exposição de trabalhos dos mais renomados gravadores nacionais. Uma retrospectiva está sendo montada globalizando tudo o que se fez no País em gravura de 1800 até os nossos dias, incluindo 55 originais de Debret.
Esta exposição ficará dividida em dois setores sendo um, com conotação histórica e outro didático, com montagem de ateliers vivos. A Bienal deverá ser inaugurada no dia cinco e se estenderá até o próximo dia 20 de dezembro.

SOLANGE MAGALHÃES EXPONDO
Pintura de Solange Magalhães

Outra obra de pintora 
A pintora Solange Magalhães inaugurou no último dia uma individual de pinturas na Galeria Grupo B, na Guanabara. Ela já conquistou em 1972, o Prêmio de Isenção de Júri ,no XXI Salão Nacional de Arte Moderna. Francesa de nascimento Solange veio para o Brasil em 1952, tendo inicialmente estudado Física. Casada com um dos principais designers em São Paulo, Recife, João Pessoa e Brasília.
brasileiros, Aloísio Magalhães, a artista começou a pintar em 1963 e em 1968 inaugurou uma individual na Galeria Goeldi, seguindo-se outras
Solange assumiu o risco de uma atitude intelectual, oposta à atitude promocional. Assim vem pintando sem parar a espera de um reconhecimento pelo próprio amadurecimento de seu trabalho. Foto.