sexta-feira, 26 de julho de 2013

UMA ARTE FORTE QUE VEM DO POVO

JORNAL A TARDE, SALVADOR,  SÁBADO 13 DE JANEIRO DE 1979


Dois operários estão unidos produzindo uma arte negra de grande força plástica. Nunca tiveram escolas ou mesmo uma função apresentação teórica para trabalharem juntos, como é tão comum hoje na chamada arte de grupo ou coletiva. São apenas dois humildes operários que trazem dentro de si toda uma pulsação criativa herdada de seus antepassados. São mulatos, e as máscaras e esculturas com talhos fundos mostram toda a força do braço desses homens simples que, dum tronco inerte, conseguem formas e movimentos dignos de ressalva. Eles vieram à redação de A Tarde a minha procura para que desse uma olhada em nossas peças para o senhor dizer se estão boas ou ruins. Isto é muito importante para nós. A princípio pensei que se tratava de mais um escultor primitivo desses que preenchem as prateleiras das lojinhas do Mercado Modelo. Porém, quando conheci de perto as peças fiquei surpreso com a capacidade de criação, principalmente com a identidade com as raízes brasileiras e africanas.
Os olhos sobressaem como a perceber as injustiças que estão sofrendo, concoJosé Pereira dos Santos e Otávio Francisco dos Santos podem ser consideradas objetos de arte de significação. Os dois se conheceram há cerca de 10 anos. Diz Otávio que resolveu convidar "José para trabalhar comigo em algumas peças, e de lá para cá temos trabalhado sempre juntos. Fabricamos móveis e sempre estamos esculpindo peças baseadas na arte negra. Agora pretendemos mostrar 40 peças que fizemos a quatro mãos, no dia 9 de fevereiro no Museu da Cidade."
rrendo num mercado competitivo onde muitos sentem dificuldade de distinguir o artesanato de uma obra de arte. As peças de
Há dois anos que eles vêm selecionado as peças que serão mostradas aos baianos. Vão apresentar esculturas com a figura de Cristo, castiçais em estilo barroco, anjos, painéis com temática africana, Iemanjá e muitas outras peças todas de grande beleza plástica.
Já foram convidados a expor em outros estados, tendo em vista a aceitação que estão tendo por parte de pessoas que visitam Salvador.Contaram os escultores que recentemente esteve em seu atelier um suíço que ficou impressionado com a força expressiva de suas esculturas. Ele me perguntou se já tínhamos visitado algum país africano.
Respondi negativamente e o suíço retrucou. Como você consegue fazer peças com verdadeira característica de peças feitas na África, sem nunca ter saído do Brasil. Respondemos que tudo acontecia espontaneamente. A gente sente a vontade de esculpir e de repente surgem as figuras de negras e negros. Elas brotam como uma flor nos velhos troncos de madeira que adquirem.
Não tem maiores explicações a dar. Mesmo porque não sabem como isto acontece. Porém, o que importa é que são peças de qualidade e plasticidade.

MORRE MESTRE DA ARQUITETURA PIER LUIGI NERVI

Foto de Pier Luigi de Nervi
Roma- Pier Luigi Nervi, um dos maiores nomes da arquitetura moderna, morreu em seu apartamento em Roma, aos 87 anos de idade.Discípulo do conhecido arquiteto francês Le Corbusier, Nervi especializou-se nas construções que pareciam desafiar a lei da gravidade e criar amplos espaços abertos sem o apoio de colunas ou paredes.
Alguns de seus projetos mais famosos incluem o salão de audiências na cidade do Vaticano, o Palácio dos Esportes ,de Roma usado os jogos olímpicos de 1960, a sede da Unesco, em Paris e o arranha-céu da Pirelli, em Milão.
Nervi, que como Le Corbusier usou o concreto para realizar seus ousados projetos, introduziu os métodos modernos de  construção com cantileveres para construir o estádio de esportes de Florença, em 1932.
Nervi desenvolveu ainda mais a técnica com seu projeto para um hangar de aviões em Orbitello, em 1938 que incluía uma área coberta sem apoio de mais de 92 metros de largura.
A grandiosa sede da Unesco, em Paris, uma de suas obras
 O especialista em arquitetura, Nikolaus Pevsner, recentemente chamou Nervi de um dos maiores arquitetos vivos cujos projetos influenciaram todos os que seguiram.
As cerimônias fúnebres serão realizadas na Igreja de Santa Maria de Roma.
Nervi, que se considerava mais um engenheiro que arquiteto, inspirou-se no arquiteto florentino do século XV, Filippo Brunelleschi, cuja obra-prima é a cúpula da catedral da Florença.
A maior obra projetada por Nervi foi o Palácio do Trabalho, de Turim, um edifício cujo teto sem apoio tem uma área maior que a do Coliseu ou da Basílica de São Pedro.
O edifício de Turim e o terminal de Ônus da Ponte Washington na cidade de New York deram-lhe a fama de O homem que dobrou o concreto.
Talvez o trabalho mais controvertido de Nervi seja o salão de audiências do papa, uma estrutura de mármore com um teto ondulante semitransparente.
Quando Nervi apresentou seu projeto, perguntou ao falecido papa Paulo VI, em 1964, se permitiria que um projeto tão audacioso fosse construído perto de uma das obras-primas de Michelangelo.
"Vá em frente e ouse" teria respondido o Santo Padre   na ocasião.

  ENTALHES DE COSME NASCIMENTO

A Galeria 13 apresenta a primeira exposição individual de entalhe do artista baiano Cosme Nascimento.
São 20 trabalhos que pertencem a diversas fases artísticas, desde o ano de 1975. Cosme afirma não possuir uma consciência plena de suas verdadeiras influências, embora me digam que elas estejam enraizadas na arte negra.
Além de entalhador ele é também pintor, já tendo um acervo de quase 80 quadros a óleo, guardados no atelier que funciona em sua própria residência. Os trabalhos que compõem a exposição da Galeria 13 foram executados com apenas dois instrumentos: formão e guiva.
SENTIMENTO
Cosme trabalha durante o dia como cabista da Telebahia." À noite, dependendo do meu grau de inspiração, eu vou pintando até de madrugada. Às vezes chego em casa e nem janto porque a arte me chama, confessou. Diz que a sua arte está muito ligada aos sentimentos. Pois aquilo que vai me possuindo eu vou transvazando, vou deixando sair."
Esta é a primeira exposição individual de Cosme Nascimento. Antes, já houvera participação de algumas coletivas no Instituto Mauá, Ira Atelier e na própria Galeria 13. A mais expressiva, contudo, foi no ICBA, juntamente com o Núcleo de Pesquisa Afro-Brasileira, a convite de Mário Gusmão. Ele sempre teve vontade de fazer uma exposição individual, mas isto só se tornou possível graças a uma nota enviada pela Coordenadoria de Comunicação Social da Telebahia e publicada em um jornal local, que acabou por despertar o interesse da Galeria 13, por seus trabalhos. A exposição será aberta amanhã, às 21 horas.

MUSEU NACIONAL DO CINEMA RESTAURA PEÇAS DO ACERVO

Trinta e três peças historiando o processo de filmagem no Brasil até os anos 40, serão mostradas em exposição pelo Museu Nacional do Cinema, sediado na Funarte, Rua Araújo Porto Alegre, 80, Rio. A mostra tem ainda painéis com fotos de filmes antigos, e textos explicativos de como era o processo de filmagem no início do século, dividida em seis seções: filmagem, trucagem, laboratório, montagem, som e projeção.
Em março do ano passado a Funarte expôs, de forma provisória, uma parte do acervo, que agora chega a 162 peças identificadas e catalogadas, ocupando definitivamente a galeria, que sofreu reformas gerais.
Quarenta e sete dessas peças foram doadas pelo Museu do Índio, constituindo o equipamento que pertenceu ao Marechal Rondon e foi usado no registro de suas viagens pela Amazônia. As demais pertenciam à Embrafilme.
RESTAURAÇÃO DAS PEÇAS
Entre as peças expostas, 18 foram restauradas por Germano Steimbauch, especialista em equipamentos de cinema, que ficou durante três meses executando esse trabalho. Uma dessas peças é a Lanterna Mágica, o primeiro equipamento de projeção, com funcionamento a óleo, do final do século; a Lente Transfokator, de procedência alemã, antecessora das atuais zoom que foi a primeira no gênero a ser usada no Brasil em 1939: Blimp, de fabricação nacional, era o equipamento utilizado nos anos 30 para impedir o ruído da câmara durante as filmagens com som.
Foi fabricado também especialmente para esta mostra, a partir da peça original, um tambor de revelação em tamanho menor.Uma foto mostrará o tamanho original da peça. Serão expostas ainda 9 peças das que foram doadas pelo Museu do Índio: 6 câmeras,, 1 cuba metálica para revelação, 1 enroladeira e 1 fole.
Segundo a coordenação do museu, a finalidade principal de seus trabalhos é a de informar e dinamizar a área de cinema, tornando o órgão não só um mostruário de peças, mas também um ponto de reunião e debates de profissionais e interessados na área. Além de uma exposição permanente com peças de importância histórica, textos e fotos, haverá também mostras temporárias, expondo determinadas fases do cinema. Serão propostos também, num futuro próximo, cursos, seminários, projeção de filmes com ciclos de debates.