quinta-feira, 18 de julho de 2013

LEONEL BRAYNER COM PINTURAS E OBJETOS

JORNAL A TARDE , SALVADOR, SÁBADO, 18 DE FEVEREIRO DE 1978

Leonel Brayner trabalhando em seu atelier no bairro da Pituba
Fico contente quando chego no atelier de Leonel Brayner e sinto aquela liberdade e vontade de criar. Uma liberdade que contagia o visitante, o qual sente vontade também de manipular os materiais utilizados pelo artista na confecção de suas pinturas e objetos. Isto porque, além de um bom artista Leonel é um entusiasta, um homem capaz de vibrar com a espontaneidade de uma criança diante de um trabalho concluído. Percebo através de seus novos trabalhos e de suas palavras que muita coisa ainda estar por vir, e esta mostra que fará em Curitiba é o passo inicial para esta nova série de trabalhos, onde estão incluídos os objetos.
Mangas, obra recente de Leonel Brayner
Os objetos são resultado de um jogo de materiais, formas, e o próprio suporte que foi seccionado em vários tamanhos, variando tanto na espessura como no comprimento. As frutas coloridas também ganharam receptáculos, como cabaças de vários tamanhos e outras foram lançadas em espaços livres. Um trabalho de um artesão que trabalha com a consciência e dose de intelectualidade, o que permite a valorização do objeto de arte. Não confundir com uma peça simplesmente decorativa. Tudo que Leonel faz é com consciência e com a certeza de um resultado maior ou seja aquele que toca de perto a sensibilidade das pessoas. Isto porque ele vive jogando num campo onde cada movimento, cada cor ou forma, cada secção tem uma razão de ser dentro dos limites de seu espaço criativo.

É verdade que ele dá realce a alguns materiais de sua predileção, principalmente as frutas, que ora são vermelhas e grandes, ora verdes e pequenas, e assim por diante. Mas tudo isto é consequência de um trabalho que  já vinha desenvolvendo desde quando passou a utilizar o suporte como elemento integrante de sua pintura.
Leonel cria uma atmosfera metafísica tendo como base aquela beleza revelada do objeto em repouso. É preciso parar para sentir esta beleza de formas e  cores. Leonel conseguiu captar esta beleza metafísica que tem os elementos em repouso e recriá-la em suas pinturas e objetos. Dizia um critico sulista que a tendência natural do artista era a escultura, mas ele faz questão de ressaltar que continua e continuará sendo um pintor.
Ganhei os espaços com esses novos objetos, mas não desejo partir para a escultura. Os espaços e as formas exercem sobre meu trabalho uma presença constante. Mas, não acabarei escultor, embora goste de mexer com lixas, colas, tornos, massaricos e outros instrumentos tão presentes na vida do escultor.

             MUSEU NACIONAL DE CINEMA

Através de um convênio assinado entre a Funarte e a Embrafilme, será instalado  Museu Nacional  com um acervo de sessenta peças de diferentes épocas doadas por   colecionadores e realizadores. 
As peças que compõem o acervo do Museu Nacional do Cinema compreendem desde projetores a manivela, microfones, câmeras, copiadoras, refletores, até fotos, cartazes, catálogos e programas de várias décadas.
Entre as peças mais importantes está uma mesa de montagem alemã marca Lika, manual, mais conhecida como Olho de Boi, antecessora das atuais moviolas. É um exemplar dos equipamentos fabricados no início dos anos 30.Outra peça de grande valor histórico é a câmera Erneman a manivela alemã,  para chassis de 60 metros, equipamento da segunda década deste século, foi utilizado no Ciclo do Recife pelos cineastas J. Soares Dustan Maciel, Gentil Róis, Pedro Novas e Ary Severo.
Do acervo consta ainda um projetor Luco (Italiano) também da segunda década à  manivela e fixo. Foi adaptado posteriormente a filmes falados 

MONTAGEM
A montagem do Museu do Cinema está a cargo de uma museóloga, assessorada por um artista plástico e um arquiteto, funcionários da Funarte e da Embrafilme. A instalação obedecerá a diversas etapas: catalogação das peças, elaboração do livro de tempo do museu visualização de espaço e planejamento da exposição permanente.
De acordo com Jurandyr Passos Noronha ,Chefe da Divisão de Pesquisa e História de Cinema Brasileiro da Embrafilme "o Museu Nacional do Cinema foi pensado como elemento capaz de contar a história de nosso cinema, aproveitando a oportunidade de mostrar a evolução do equipamento de filmagem, iluminação, revelação, copiagem, montagem e sonorização."
A mostra, reunindo mais de 60 peças, será completada por um catálogo editado pela Funarte, onde o visitante encontrará a história e a descrição de cada peça do acervo, servindo como uma fonte de pesquisa.

           SALÃO NACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS

O presidente da República usando das atribuições legais decretou que caberá a Fundação Nacional de Arte-Funarte organizar anualmente o Salão Nacional de Artes Plásticas, no Palácio da Cultura, no Rio de Janeiro, ou em outros locais a depender dos critérios da Comissão Nacional de Artes Plásticas.
O salão será sempre de âmbito nacional e destinado a exposição publicadas formas de arte plástica, sem privilégio de nenhuma de suas expressões tradicionais, das formas experimentais ou de produção e comportamento não tradicionais. Para isto no primeiro trimestre de cada ano o Ministro da Educação nomeará pessoas de notório saber e experiência no campo das artes e das ciências para realização do referido Salão. Esta Comissão será composta de nove membros, além do Presidente da Funarte, seu membro nato, que presidirá com direito a voto de qualidade. Para integrar esta Comissão poderão ser convidados, em todo país, autoridades e estudiosos das áreas de: ciências humanas e tecnológicas; artes plásticas e visuais, filosofia história da arte e crítica da arte, programação e comunicação visual, arquitetura, urbanismo e paisagismo. Todos receberão pro labore, a ser fixado anualmente pelo ministro da Educação.
A Comissão Nacional de Artes Plásticas poderá estabelecer temática ou tendência específica, convidando artistas representantes das mesmas para exposição em sala especial, de caráter histórico-didático cujo espaço físico não excederá a 1/3 da área total do Salão. Por outro lado, para os efeitos de seleção e premiação será constituída uma subcomissão composta de três membros eleitos pelos artistas inscritos no Salão, além do presidente da Funarte.
Um detalhe curioso é que ao se inscrever no Salão o candidato indicará na própria ficha de inscrição os nomes dos três membros para comporem a subcomissão e premiação. Outra curiosidade é que somente poderão concorrer os artistas que, no período de 10 anos até a data do respectivo Salão, tenham realizado pelo menos uma exposição individual ou participado de no mínimo duas exposições coletivas, estas devidamente comprovadas mediante catálogos.
Quanto aos prêmios serão de Viagem no País ou ao Viagem exterior e de Prêmio de Aquisição. Serão em número de oito sendo quatro ao exterior e quatro no país, e os de aquisição, até o máximo de cinco dependendo das disponibilidades financeiras, passando as obras adquiridas a integrar o patrimônio da Funarte. Os valores serão fixados anualmente pelo MEC e pagos de uma só vez em moeda nacional aos vencedores.

ARTISTAS BAIANOS EXPÕEM EM SÃO PAULO

Os artistas baianos da nova geração, Antenor Lago, Sinval Cunha, Edson Calmon, J. Cunha, Murilo, Renata da Silveira que se encontra em Paris, e Sônia Rangel estarão expondo seus trabalhos de pintura e escultura, num total de 48, no próximo dia 13 na Galeria Global ,de São Paulo na exposição intitulada Arte Bahia Hoje. A mostra será patrocinada pela TV Aratu e tem como responsáveis pela seleção das obras o diretor da galeria, Franco Terra Nova, Sílvio Robatto e Carlos Ramon, J. Cunha e Sônia Rangel ficaram incumbidos de preparar a exposição na capital paulista.

LIBERDADE DE GOELDI  EXPOSTA EM SUAS  GRAVURAS

A liberdade de um desenho simples haveria de caracterizar Oswaldo Goeldi como um artista perscrutador de seu mundo interior, e despreocupado com os caminhos dos centros artísticos.
A Tarde, obra de Oswald Goeldi
Próximo do procedimento dos expressionistas do norte da Europa, com os quais tivera contato no início de sua formação artística em Berna, Genebra, Zurique de 1917 a 1919, Goeldi encontra em Kubin um legitimador de suas intenções pessoais, retornando em 1919 para o Brasil, depois de uma estada de quase 20 anos na Suíça.É na solidão de seu trabalho que reside o substrato de sua vida e de sua obra.
Entre a noite e o dia, entre a vida e a morte, move-se o poeta a desvendar um mundo extraordinário: dos pescadores silenciosos, dos ventos e sóis aos animais às plantas, todos seres eugendrados por uma força inimiga. Partindo do observado em seu trajeto pela rua ou pelo cais particularmente sensível às misérias humanas, Goeldi transfigura o  cotidiano em sua dimensão mais   capaz de ultrapassar o factual . Em 1924 passa a dedicar-se à xilogravura e do novo meio surge um desenho incisivo e mais definido: as figuras revelam-se pelos traços luminosos sulcados na superfície da madeira, qual superfície noturna, em contraste dramático.
Pela xilogravura Velhice é possível observar o gesto do artesão unido à intenção simbólica. Ao contraste mais rarefeito do branco com o cinza vem superpor-se o preto, a povoar a figura do velho, a constranger-lhe o espaço, afunilando-o.Do silêncio e da solidão monocromática surge um vermelho distante e poente. Inatingível por detrás do muro.
Goeldi utiliza a cor na gravura desde 37, quando busca da memória na infância vivida em Belém do Pará, em contato com a natureza, o motivo par a ilustração de Cobra Norato, de Raul Bopp.O artista procura atingir a gravura concebida pela cor, ou seja, a cor gravada ao invés da cor superposta á gravura definida pelo desenho.
Em Jardim, a suavidade conseguida pela menor definição dos limites da cor, pelas suas variações sutis, e pelo uso de regiões claras, nem gravadas nem entintadas, constitui uma atmosfera de encanto e leveza na intimidade do cultivo de plantas. A flutuação do azul do céu resulta da superfície colorida depreendida da demarcação do traço gravado; a solução de rosados dá horizontalidade á casa. Embora o cuidado artesanal da tiragem possa ter permitido maior ou menor adensamento da cor nota-se que as variações são conseguidas através da escolha de valores diferentes no movimento da entintagem da madeira, como é o caso dos verdes das plantas, ou através da superposição de cores, como mostra a figura humana, na qual o castanho recebe por vezes, pretos mais ou menos diluídos.
Goeldi que expôs desde 1919, dedicou-se à ilustração de vários jornais e revistas, livros  e poemas, cabendo referências ás xilos realizadas em 1940 para ilustrar Dostoiévski. Sua atividade pioneira o situa como marco do florescimento da gravura moderna no Brasil, tendo influenciado seu posterior desenvolvimento.

                 UMA PAISAGEM DE BRASÍLIA

No próximo dia 5 de março será realizada em Brasília a 5ª. Gincana de Pintura promovida pela Associação dos Artistas Plásticos do Distrito Federal. A gincana será na Torre de Televisão e tem ainda o patrocínio da Secretaria Geral do Ministério da Educação e Cultura. Quem está coordenando os trabalhos é Roberto Lucena que afirma que poderão participar da gincana qualquer artista e serão conferidos quatro prêmios sendo que o colocado em 1º lugar receberá oito mil cruzeiros, o segundo lugar, quatro e, o terceiro apenas dois mil cruzeiros. O quarto colocado receberá um troféu da Associação dos Artistas Plásticos do Distrito Federal, categoria ouro.
Ao quadros premiados passarão para o acervo da AAP-DF e todos os candidatos deverão se apresentar à comissão julgadora no dia 5 de março para pintar uma paisagem de Brasília.Qualquer informação poderá ser conseguida com a pintora Nide, em Salvador.
Recentemente foi empossada a atual diretoria a atual diretoria da AAP-DF que tem como presidente Roberto Lucena, secretário José Maria Belo de Oliveira, Tesoureiro-Mauro Leão Martin.

EXPOSIÇÃO DE ELISEU VISCONTI EM SALVADOR

Retrato de Família, do mestre Eliseu Visconti
Em promoção conjunta da Fundação Cultural do Estado, Galeria de Arte Global e TV-Aratu, foi inaugurada no Museu de Arte Moderna da Bahia, a exposição itinerante de Eliseu Visconti que será apresentada nas principais capitais do Nordeste.
A mostra propõe-se a registrar, a nível de informação crítica e revisão, na área das artes plásticas, das principais escolas e tendências, a presença brasileira na pintura pós-impressionista, de que Visconti foi um dos nomes mais representativos.
O catálogo, confeccionado sob a responsabilidade da Galeria de Arte Global ao lado de reproduzir os principais momentos da pintura de Eliseu Visconti apresenta uma seleção de análises críticas sobre sua obra, assinadas por destacadas personalidades da vida cultural brasileira.