terça-feira, 16 de julho de 2013

EXPOSIÇÃO POLONESA DE 94 GRAVURAS

JORNAL A TARDE,SALVADOR,  BAHIA 05 DE OUTUBRO DE 1974



Noventa e quatro gravuras, cem cartazes, oitenta fotografias e vários painéis sobre a vida e a o obra do compositor Frederick Chopin e um filme sobre a vida do astrônomo Nicolau Copérnico compõem a Exposição Polonesa Arte e Cultura que estará aberta ao público baiano de 8 a 17 de outubro no foyer do Teatro Castro Alves.
Esta mostra traduz a vinculação do gráfico polonês contemporâneo com sua linguagem plástica e formas de expressão que não diferem dos trabalhos encontrados em outros países da Europa. Sabemos que os artistas poloneses raramente se agrupam em torno de palavras de ordem e de programas determinados, devido ao desenho intimista e ao individualismo muito marcante no artista polonês.
FILIAÇÃO

Assim o artista polonês não sente a necessidade de filiação em grupos ou igrejinhas ao contrário, ele protesta com veemência contra este tipo de trabalho. Acredita que existe muita força na manifestação da individualidade criadora e aí está a tendência generalizada na arte contemporânea. Para entendermos o gráfico polonês atual é necessário conhecer a história da gráfica, desde o seu nascimento no século XIX. Seu início no que diz respeito ao livro e a ilustração tem a marcante presença de William Morris. Além de outros artistas que trabalham a gravura a água forte e a litografia. Como Josef Mehoffer o 1875-1850 e Leon Wyczokrowski 1852-1936, que tenderam para a arte nova parisiense.
O artista  Stanislau Wyspianski (1869-1907) foi também um grande incentivador da gráfica polonesa. Poeta e dramaturgo, renovador do teatro e da cenografia., criou ainda pinturas e vitrais decorativos igreja de Cracovia. Com ele começa a rutura, entre o ilusionista da arte do século XIX e a procura do estilo plano, das concepções expressivas formais.
Surgiu o choque com a aparição do grupo formista com Zhigniew Pronaszko(885-1958) e Tytus Czyewski (1885-1945.)
CUBISMO
Foi certamente o exemplo de cubismo francês e aquele do expressionismo alemão que serviram a esses dois artistas para introduzir a arte nascente do nosso século em seu país a Polônia.
Coube à Academia de Belas Artes de Varsóvia reconstituída depois da Primeira Guerra o seu grande papel de impulsionadora da gráfica polonesa. A xilogravura aparece com grande força graças ao trabalho criador de Wladislaw Skoczvlas (1883-1934) com suas xilogravuras de grande efeito decorativo e principalmente expressivo. Servindo-se de modelo da antiga gráfica popular o artista efetua criações de alto nível.
A pureza do procedimento técnico, a concentração da expressão em composições planas, as simplificações de forma, usadas por ele serviu de base para a atual gravura polonesa.
Gravura antiga polonesa Vista de Breslávia
E assim dezenas de outros gravadores poloneses se sucederam. E sem dúvida que a gráfica polonesa contemporânea, que se diz mais artística que utilitária é devedora das bases de seu desenvolvimento muito mais que as suas próprias tradições criadas pelos referidos artistas que a inspiração estrangeira.
ABSTRAÇÃO
Muito raramente a abstração pura aparece na arte polonesa.Mesmo na ficção que representa uma forma sólida, uma forma opaca, permite no entanto, sentir o pensamento e os sentimentos do autor. Isto porque a gravura polonesa engaiada a vida do País e do Mundo, com a paixão da contemporaneidade.
Existe realmente uma aversão pelas soluções puramente abstratas e mesmo o individualismo não se exprime pela revelação dos abismos da alma porque reside uma vigilância contínua do Mundo exterior e numa disposição constante de responder as questões e problemas postos pela vida à frente do homem contemporâneo especialmente em frente ao artista. Assim a base de cada concepção artística se encontra uma realidade concreta.