sexta-feira, 10 de agosto de 2012

VISUAIS - ESPERIDIÃO MATTOS - 18 DE JUNHO DE 2002

JORNAL A TARDE SALVADOR, TERÇA-FEIRA, 18 DE JUNHODE 2002
                                          
                    ESPERIDIÃO MATTOS
Aos 85 anos, a maioria dedicada à arte de pintar a Bahia, Espiridião Mattos retratou os principais monumentos históricos da Boa Terra, especialmente as seculares igrejas, para onde levava o cavalete e ficava horas e horas detalhando os altares e as pinturas das naves. O artista está apreensivo com as obras que ele pintou, com tanta dedicação, nas paredes do Elevador Lacerda. É que o Elevador está em reformas, e a preocupação dele tem razão de existir, porque é costumeiro em tais reformas os painéis, murais e outras obras de arte serem apagados.
Três obras de Esperidião na entrada das cabines do Elevador Lacerda , em foto de 1954.
Constantemente, nas restaurações de nossas igrejas, os restauradores encontram várias camadas de tintas encobrindo a beleza original de pinturas antigas. As obras de autoria de Esperidião Mattos datam de 1954, portanto, estão com 48 anos de idade e retratam a Igreja do Bonfim, o Farol da Barra e o Forte de Monte Serrat, dentre outros pontos turísticos de nossa cidade. Mas acredito que a sensibilidade das autoridades municipais vai falar mais alto e as obras de autoria de Mattos, que pertencem à nossa cidade, serão preservadas, para que futuras gerações possam admirá-las.
                     FOCO EM NEW ORLEANS
O fotógrafo Álvaro Villela realiza uma exposição sobre o Festival de Jazz de New Orleans, na Casa 8, no Rio Vermelho. Serão apresentadas 28 imagens, mostrando o comportamento da cidade, hábitos costumes e, principalmente, os shows realizados no maior Festival de Jazz dos Estados Unidos, que reúne cerca de 630 mil pessoas, durante sete dias. Fotógrafo profissional há 16 anos, Villela tem diversos trabalhos   publicados em livros e revistas nacionais e internacionais e já mostrou seu trabalho em exposições, no Rio de Janeiro, São Paulo, Recife e Aracaju, sendo premiado, no V Salão de Fotografia da Cidade de Recife, no IV Salão de Fotografia da Cidade de Aracaju e, ainda, recebeu uma Menção Honrosa no IX Salão Fasc de Artes Plásticas, durante o Festival de Arte de São Cristovão /SE, cujo tema foi Festas Populares. Em abril de 2000, a convite da Tulane University, realizou um audiovisual (cromo-clip) com imagens do Nordeste brasileiro durante o XX Jazz Fest, homenagem na cidade de New Orleans /Lousiana /USA.

                         FÁTIMA TOSCA
 Tenho uma satisfação especial quando vejo mais uma exposição de Fátima Tosca e, principalmente, quando podemos atestar a evolução dela, com a utilização da cor e de múltiplos elementos que compõem sua pintura. É uma pintura que lembra um jogo de armar, com cada elemento colocado num lugar estratégico para proporcionar ao admirador de sua obra curtir melhor esta construção instigante. Ela está expondo na Mosaico Galeria de Arte, que funciona na sede do SuperClubs Breezes, na Costa do Sauípe. Na realidade, Fátima Tosca resgata a memória da infância dela, compondo as telas como brincadeira de criança. No primeiro ano de atividade artística, em 1979, a artista ganhou o Prêmio de Desenho da Funarte. No ano seguinte, ficou com o primeiro lugar no Salão de Curitiba, recebeu o Prêmio Viagem ao Exterior e, no VI Salão Brasileiro de Arte Mokiti Okada, São Paulo, Prêmio Exposição, dentre outros. Foto de Continente , óleo sobre tela, de Fátima Tosca.