domingo, 3 de março de 2013

MAMB PRORROGOU PRAZO PARA ENTREGA DE NOVOS PROJETOS -

JORNAL A TARDE, SALVADOR, 16 DE FEVEREIRO DE 1981

     MAMB PRORROGOU PRAZO PARA ENTREGA DE 
     NOVOS PROJETOS

Foi adiado até 9 de março o prazo de encerramento das inscrições de projetos para realização de trabalhos de artes plásticas no Museu de Arte Moderna da Bahia. Seu diretor, Chico Liberato, diz que a prorrogação foi decidida pela Fundação Cultural para que ocorra maior participação dos artistas. Ele explicou a questão seletiva dos projetos e acredita na existência de valores emergentes baianos que vão contribuir e abrir novos caminhos de expressão artística. E, quem sabe, ainda este ano, o Salão Baiano Nacional de Artes Plásticas.
Ainda poucos projetos inscritos, mas o MAMB já forneceu mais de cem formulários diretamente a artistas interessados. A maior dúvida é quanto a questão seletiva dos trabalhos. Chico Liberato explica o artigo 12 do programa: Ineditismo: Inédito para haver maior atração. Queremos que o projeto tenha a última expressão do artista dentro de sua linguagem, sua forma mais nova é significativa.
A Bahia é o Estado que tem mais força, nos seus segmentos culturais.
Esses projetos será um significado muito grande para as artes plásticas brasileiras. No julgamento dos projetos será considerado a autenticação da vivência do artista com esses elementos. E todos nós sabemos que é uma força muito grande de contribuição que o Nordeste poderá dar para a história da arte. De maneira nenhuma tem nada a ver com folclore. O folclore é uma visão consumida desses elementos, enquanto que o nível que se estabelecerá é a expressão de arte.
A Fundação Cultural pretende que os trabalhos concluídos realmente representem as artes plásticas na Bahia. A depender do nível, ela deverá ter uma manifestação para o conhecimento nacional. Há uma expectatividade, ainda este ano, ser realizado o Salão Baiano de Artes Plásticas a nível nacional (projeto que já está com o  Conselho Deliberativo da Fundação Cultural). Sendo assim, os projetos já são uma garantia para a representação das artes plásticas baianas no salão nacional.

SIGNIFICADOS

"As artes plásticas baianas tiveram uma força muito grande e um determinado posicionamento dos conceitos estéticos há 20 anos atrás. Hoje, o principal trabalho do MAMB é a tentativa da natural renovação de valores estéticos, com uma continuidade do processo cultural: abrir suas portas para novos grupos, novos valores, novos artistas, novas experiências. Esse concurso, por exemplo, é uma abertura a artistas que propõem novas tendências".
"As experiências que nós tivemos em 1980 nos dá a certeza de que existem valores emergentes que vão contribuir e abrir novos caminhos de expressão artística."
Diz Francisco Liberato que " um mil cruzeiros realmente é uma ajuda, mas dá para fazer um trabalho sim.
Acho que a oportunidade é muito mais significativa que a ajuda financeira porque é o processo de identificação dos novos valores de expressão plástica que será posto à mostra e, principalmente, pelo reconhecimento nacional desses novos valores."

    OBRA PRECURSORA DA POP ART

Três Bandeiras, obra do artista norte americano Jasper Johns, foi adquirida pelo Museu Whitney de Arte Americana em Nova Iorque por 1 milhão de dólares. Acredita-se que este foi o maior preço pago pela obra de um artista vivo. A obra , uma imagem tripla da bandeira norte americana, executada em 1958, foi a precursora do movimento Pão Art. Estará, de agora em diante, em exposição permanente naquele museu.



CRIANÇAS E JOVENS NA IUGOSLÁVIA

Crianças e jovens de 6 a 15 anos, de qualquer parte do mundo poderão participar da Exposição Internacional de Obras Artísticas de Crianças da Iugoslávia , de 14 a 26 de abril. O tema para os trabalhos de qualquer natureza gráfica nas dimensões 40 X 50 cm é o Esporte Constrói Pontes de Amizade e Humanidade, e aqui no Brasil eles poderão ser enviados até 20 de fevereiro, ao Instituo Nacional de Artes Plásticas da Funarte, Rua Araújo de Porto Alegre, 80, Centro, Rio de Janeiro, RJ, onde também são dadas maiores informações.
No verso do trabalho, que deverá ser enviado sem moldura, o candidato colocará o seu nome completo, idade, sexo, nome completo do professor e o nome e endereço da escola. Caso não haja tempo de enviar o trabalho ao INAP-Funarte o candidato deverá remete-lo direto para o seguinte endereço: Center Za Likovno Vaspitanje-Dece I Omladine Voivodine ( Spens, 81) 21.000 Novi Sad ,Naksima Gorkog 54/1 Iugoslávia.

IPAC-BA QUER LEGISLAÇÃO PARA DELIMITAR DEMOLIÇÃO DE MONUMENTOS

O belo portal do Liceu de Artes e Ofício
A necessidade da criação de uma legislação capaz de evitar as constantes demolições de movimentos históricos na Bahia vem sendo levantada pelo arquiteto Paulo Ormindo de Azevedo, Coordenador do Ipac, Inventário de Proteção ao Acervo Cultural da Bahia, programa desenvolvido pela Secretaria da Indústria e Comércio. Segundo o arquiteto muitos monumentos inventariados pelo Programa são demolidos antes do seu tombamento, principalmente no interior.
Por isso, Paulo Ormindo chama a atenção das autoridades responsáveis pelo setor, principalmente a Fundação Cultural do Estado e o Conselho de Educação e Cultura para a necessidade de se desenvolver uma política de limitação,a partir da qual, todas as demolições de monumentos seriam precedidas de uma consulta a esses órgãos que dariam ou não autorização, dependendo das condições de restauração do prédio a ser tombado, a exemplo do que ocorre na França. Ele explica que em Salvador o perigo de destruição e demolição de monumentos é bem menor, uma vez que os veículos de comunicação de massa estão sempre que possível exercendo uma ação fiscalizadora, o que não ocorre frequentemente nas cidades do interior. O Ipac, desde a sua criação em 1973, já tem cadastrados e divulgados cerca de 500 monumentos em todo o Estado, porém o processo de tombamento se desenvolve por um período relativamente longo. É possível que durante os 5 anos em que se deu a primeira publicação do inventário muitos prédios já estejam mesmo irrecuperáveis.

INTERESSE INTERNACIONAL

Sobre o trabalho desenvolvido pelo IPAC , países e órgãos internacionais como a UNESCO e o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios Históricos – Icosmos, com sede em Paris, vem constantemente solicitando informações sobre as experiências do Programa. Ultimamente, o seu Coordenador, Paulo Ormindo esteve em Cabo Verde, numa viagem de 30 dias assessorando autoridades locais nas realizações de inventário.
Cabo Verde, segundo  Paulo Ormindo é um arquipélago de 10 ilhas, antiga colônia de Portugal que obteve sua independência em 1965. Com grandes períodos de seca, enfrenta muitas dificuldades econômicas mas vem lutando para recuperar a sua autonomia, e está bastante interessado em preservar a sua herança cultural.É um país eminentemente mestiços de negros e portugueses, possuindo, uma população que em muito se identifica com a Bahia.
Colonizado 90 anos antes do Brasil, possui monumentos bem mais antigos que os nossos, até mesmo os de estilos góticos e de influência africana como as casas circulares em pedra frequentemente encontradas no litoral da Guiné, construídas em barro. Existem , também, inúmeras construções semelhantes as nossas casas de engenho e nas cidades são freqüentes os sobrados iguais aos brasileiros, com dois ou três pavimentos, balcões e varandas, só que construídos em pedras, que leva, segundo o arquiteto, a um bom estado de conservação dos prédios. Como arquipélago não possui nenhuma instituição dedicada a preservação de monumentos, está sendo elaborado um relatório dando ênfase a criação de um órgão que venha a se responsabilizar pela política de preservação e manutenção desses bens, a exemplo do que acontece na Bahia através do Ipac, deverá ser elaborada paralelamente um inventário para identificação dos prédios.

OS TRABALHOS CONTINUAM

No momento o Ipac se ocupa da redação de sua IV publicação, relativa a parte Ocidental do Recôncavo Baiano que se estende de Cachoeira até Jaguaribe, com 14 municípios. Segundo Paulo Ormindo, esta é uma zona que apresenta grande desenvolvimento de cultura de subsistência, além de cana e mandioca, com inúmeros engenhos ainda em funcionamento, voltados para a produção de aguardente, rapadura e açúcar mascavo para o consumo local e que, por isso, não sofre o impacto da concorrência dos grandes engenhos de São Paulo e Pernambuco.
Os técnicos do Ipac estão terminando o trabalho de campo no litoral que vai de Valença até Mucuri, fronteira com o Espírito Santo, uma zona de colonização bem antiga principalmente na área de Porto Seguro, Ilhéus e Santa Cruz de Cabrália entre outras. Além disso, estão atualizando e ampliando a I publicação do Programa referente a Salvador e já esgotado há mais de três anos em função do grande interesse  que desperta para a comunidade. Para sua reedição os técnicos estão fazendo uma ampliação e espera-se acrescerem cerca de 40 monumentos. O número de monumentos cadastrados, embora dos 125 anteriormente apresentados, uma grande parte já tenha sido recuperada ou arruinaram-se completamente.