terça-feira, 19 de março de 2013

BAIANOS DE FORA - 05 DE MAIO DE 1979


JORNAL A TARDE, SALVADOR, 05 DE MAIO DE 1979

              BAIANOS DE FORA DA BIENAL PAULISTA

Os membros da Associação Brasileira de Críticos de Arte, reunidos no Rio de Janeiro, apreciaram em conjunto todos os nomes de artistas brasileiros enviados por carta por associados de todo o País, com a finalidade de integrarem a representação nacional à XV Bienal Internacional de São Paulo, de acordo com o artigo II do Capítulo 3 do Regulamento do referido certame.
Ao aceitarem a incumbência da Bienal de São Paulo, os membros da Associação Brasileira de Críticos de Arte aprovaram que o critério a ser seguido para a representação do Brasil deveria concentrar-se na significação da obra de nomes que tiveram uma participação criativa decisiva no decorrer do último decênio, em todos os campos da atividade artística.
Eles realizaram a consulta  nível nacional e os baianos ficaram de fora.Existe alguma coisa errada nisto.
Deve ter havido falta de interesse por parte dos artistas ou falta de comunicação entre os critérios. Mas, vamos aos apontados para nos representar: Amilcar de Castro e Arlindo Dalbert do Amaral, de Minas Gerais; Ascanio MMM, Haroldo Barroso, Hélio Oiticica, Cildo Meireles, Ivens Machado, Roberto Magalhães e Rubens Gerchamam,pelo Rio de Janeiro; Berenice Gorini Rodrigues e Glauco Pinto de Morais, pelo Rio Grande do Sul; Ival Granato e Luiz Gregório Correio, por São Paulo; João Câmara Cascudo, de Pernambuco e José Tarcísio, do Ceará.

    O INCRÍVEL VIDEODISCO ESTÁ CHEGANDO

O equipamento de videodisco é ligado à antena de qualquer aparelho de tv
O videodisco, como revela o nome, é um long-play para sinais de imagem e som, e já começou a ser comercializado nos Estados Unidos. O sistema compreende discos pré-gravados reproduzidos  do toca-disco que funciona ligado pela antena a qualquer receptor de televisão.
O videodisco emprega um sistema ótico para a sua reprodução, composto de um raio laser fino para transmitir a sua imagem e som para a tela da televisão.A comercialização do videodisco começou em Atlanta, nos Estados Unidos, em uma iniciativa da Philips e da Magnavox.
Paulatinamente a distribuição do videodisco se estenderá a outras cidades e estados americanos. O preço da tabela de um tocadisco é de US$695 (cerca de CR$16 mil) a um videodisco de meia hora de duração custa US$5.95 (CR$140,00), enquanto um sucesso recente do cinema Tubarão II, por exemplo pode ser assistido várias vezes sem que ocorra desgaste ou deterioração. Alguns videodiscos oferecem até duas horas de programas em cores ou em preto e branco, acompanhados de som estereofônico. Eles podem ser acionados quadro por quadro, para apresentações imóveis (still presentations) ou ação parada (stop action). Isto é muito bom para mostrar obras de mestres da pintura passo a passo.
Quando o aparelho Magnavision está funcionando de maneira standard, o videodisco gira a 1.800 rotações por minuto. Cada rotação resulta numa imagem. Um disco toca normalmente a 30 quadros por segundo ou ainda em câmara lenta (show motion), em retrocesso (backwards)  ou na forma de congelamento, no vídeo, de um quadro escolhido (freeze-fragme).
Todos os quadros são codificados individualmente com números e podem ser selecionados rapidamente pelo contador colocado no pick-up.

TEMPO E EQUIPAMENTO


Existem duas possibilidades. Caso seja escolhido o extendend play mode, o videodisco funcionará até 60 minutos em cada face, totalizando duas horas. Se for acionado o standard  serão 30 minutos.                       aparelho compacto para acionar o videodisco tem o tamanho aproximado de um toca-disco comum.
Essa unidade deve ser conectada à ligação da antena de qualquer televisor. As imagens que aparecem na tela da TV são de melhor qualidade do que as fornecidas por uma antena externa. Caso se deseje melhorar a reprodução sonora, basta ligar a unidade do videodisco a um amplificador estereofônico.

COMO FUNCIONA

O sistema consiste de vídeodisco pré gravados MCA Disco Vision Marca Registrada e de um toca disco Magnavision, da Magna Vox, que pode ser acoplado a qualquer televisor. Nenhuma espécie de agulha ou cápsula roda o disco, portanto, nem o manuseio, nem o uso repetido diminuirão a qualidade do disco. Significa que os filmes e programas preferidos podem ser exibidos e re-exibidos a critério do usuário. A variedade do catálogo do vídeo disco inclui desde clássicos dos Irmãos MARX até fitas modernas como a premiada Animal Horse ainda não exibida no Brasil, além de O Poderoso Chefão. Tubarão I e II, Cyborg, Love Story, A Procura de Mister Goodbar, e dentro em breve vários filmes sobre a vida de artistas .
Significa também, que o interessado poderá aprender a cozinhar, pintar, jogar golfe , entender, enfim, quase qualquer coisa que tenha condições de ser aprendida por meios visuais e sonoros.Duzentos títulos já estão à disposição do público.

DIFERENÇA ENTRE VIDEODISCO E VIDEOCASSETE

O Videodisco é mais barato para o consumidor. Há ainda a vantagem da qualidade superior da imagem e das faixas sonoras. É também mais barato fabricar um videodisco do que o videocassete porque as técnicas de reprodução do primeiro são mais desenvolvidas e o ferramental custa menos. Além disto o videodisco tem durabilidade maior do que as fitas, pois é protegido por uma capa plástica. A principal vantagem dos cassetes é que eles podem ser apagados e reutilizados. Isto não ocorre com os videodiscos pré-gravados porque a qualidade é garantida e os custos são atraentes, sobretudo se os discos forem produzidos em grande quantidade. O equipamaneto não requer conhecimentos técnicos para ser manejado e as peças de substituição são baratas, inclusive o elemento principal o laser. Com os controles de parar – stop – e a facilidade para repetir qualquer sequência dos programas, o videodisco possui grande valor como equipamento doméstico de instrução e aprendizado.

            EXPOSIÇÃO DE ATIVIDADES DA FUNARTE

Depois de inaugurada, no mês passado, em Brasília, a Exposição de Atividades da Funarte esteve na Galeria Funarte/Rodrigo Mello Franco de Andrade, no Rio, onde permanecerá até o final de março. Em seguida foi deslocada para São Paulo, onde ocupa o Pavilhão da Bienal do Parque Ibirapuera.
Já existem propostas para que a Exposição seja mostrada também nas cidades de Porto Alegre, Recife, além de Vitória, Piracicaba (SP), Santos, Curitiba e Florianópolis, prevendo-se que, durante o ano, outras capitais recebam a sua visita. A mostra reúne documentação desde 1976, data da fundação da Funarte, até o início de 1979, apresentando um balanço de suas atividades através de fotos, textos e mapas explicativos, cartazes de promoções, discos e apresentação ilustrados dos projetos das áreas de sua atuação.
Está em destaque na exposição o livro Artesanato Brasileiro, lançado em fevereiro pela Funarte, que reúne grande quantidade de fotografias, com análise de conteúdo e qualidade gráfica, além de fazer a abordagem de coleções e acervos voltados ao patrimônio da Cultura Popular, ressaltando o artesanato de uso e função social.
A mostra inclui ainda os projetos de Artes Plásticas, Recuperação de Grupos Folclóricos, Edições do Folclore, mapas e textos de Atlas Folclóricos, instrumentos musicais em diversas faces de montagem e outras realizações do Projeto Espiral, Partituras de Música Sacra Mineira, Coleções de Discos.
E mais: posters e fotos de todos os Projetos da Funarte em especial do Pixinguinha, fotos e textos sobre Restauração e Conservação de Prédios Históricos, Festivais de Arte, e uma mostra das publicações da Divisão de Multimeios da Funarte, como O Choro, Na Roda do Samba, Chiquinha Gonzaga, entre outros.
A exposição está aberta de 2º a 6ª feira, no horário de 10 às 18 horas e a Galeria fica no prédio da Funarte, Rua Araújo Porto Alegre, 80. está na hora de Salvador ser incluído no roteiro desta exposição. Com  a palavra do Estado. Aliás, os burocratas da Fundação Cultural até agora disseram para que vieram.

ESCOLHIDOS DESENHOS DO CONCURSO MUNDIAL

Foram escolhidos os dez desenhos que representarão o Brasil no Concurso Mundial de Desenhos Infantis, promovido pela UNESCO/UNICEF, através do Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte. Um total de 4.175 crianças menores de 12 anos enviaram desenhos sobre o tema Como Viverei no Ano 2000.
Foram premiadas as crianças: José Nembri Zembrod, 11 anos, residente na Tijuca/RJ; Lilson Pelegrine Simas, 7 anos, residente em Quintino/RJ; Elison de Novais Simas, 11 anos, de Campinho/RJ; Paulo de Barros Correria, 7 anos, de Ouro Fino/MG, Fábio Henrique da Silva Araújo, 8 anos, Petrópolis/RJ; Mauro Lopes, 11 anos, de Goiânia/GO; Luciano Faria, 7 anos, de Ouro Fino/MG; Fábio Henrique da Silva Araújo, 8 anos, Belo Horizonte/MG; Marcelo Tadeu Assunpção. 11 anos, Brasília/DF; José Perez Filho, 11 anos, Salvador/BA e George Antônio Miguez Dias, 11 anos, Salvador/Bahia.
Os trabalhos premiados serão expostos na sede da UNESCO, em Paris, em Montreal na exposição Terra dos Homens e na sede da ONU em New York e Genebra. Um júri internacional deverá reunir-se em Paris a 15 de maio de 1979 para julgar o total de trabalhos enviados do mundo inteiro e selecionar dez desenhos para serem publicados em forma de cartazes e cartões de Natal. Os autores dos dez melhores desenhos receberão,  dentre outros prêmios, uma viagem a Paris concedida pela França
A fase brasileira do concurso reuniu trabalhos de quase todos os Estados brasileiros, atingindo localidades distantes e carentes. Além da seleção dos dez melhores desenhos, o INAP aproveitará o enorme volume de obras para extrair os mais expressivos, que deverão ser expostos em outubro próximo, no Rio de Janeiro, na I Bienal do Desenho Infanto-Juvenil, uma homenagem da Funarte ao Ano Internacional da Criança.

       DESENHO ARQUITETÔNICO TERÁ CURSO

O Método- Desenho Técnico, estará iniciando no próximo dia 21 de maio, um curso especial que versará sobre Desenho Arquitetônico. O curso terá a duração de 60 horas, e visa capacitar técnicos na projeção e interpretação de plantas de construção civil.O curso será ministrado pelo professor Dr. João Fernandes, ex-professor do Instituto Técnico Nobel,e foi projetista da Construtora Nobel,em São Paulo .Além do desenhista de inventos  professor Dr. Ariosto Mila, da Universidade Federal de São Paulo.
As inscrições já se acham abertas, devendo os interessados dirigirem-se à sede do Método,  na Av. Frederico Pontes nº 310 2º andar, no Largo da Calçada, em cima das lojas Radiolar, no horário comercial todos os dias e ás terças-feiras também a noite, das 19:00 ás 14:00 horas

            SALÃO DE DESENHO NA INGLATERRA

Londres (BNS)- A Municipalidade de Cleveland, no nordeste da Inglaterra, está organizando mais um Salão Internacional de Desenho, ao qual espera que compareçam vários artistas latino-americanos. O Primeiro Prêmio será de dois mil dólares. Este Salão de Cleveland, o quarto da série, é hoje reconhecido como um dos eventos mais sérios do gênero. O que se realizou em 1977 atraiu 2 mil e 600 artistas de 52 países da América Latina, Europa, Extremo Oriente e África. 
Da seleção final de cerca de 100 desenhos constaram artistas da Argentina, Peru e Venezuela. A Municipalidade de Cleveland promove a competição e a boa produção gráfica, numa tentativa séria de  restabelecer a importância do desenho original e artístico.
A comissão julgadora, composta de Rita Donagh, artista britânica, Nigel Gosling, critico de arte, e um jovem artista romeno, Paul Neagu, vai conceder além, do primeiro prêmio de 2 mil dólares, mais um de 1 mil dólares e cinco de 600 dólares cada. Os concorrentes terão também a oportunidade de vender seus trabalhos para companhias britânicas que garantiram colaborar dessa forma com o evento.
Como nos anos anteriores, a atração máxima será uma exposição de desenhos de um artista convidado, este ano o convidado foi o norte-americano Robert Rauschenberg.
A data de encerramento das inscrições e de recebimento dos trabalhos 1 de maio de 1979. Os formulários de inscrição e maiores detalhes podem ser conseguidos no seguinte endreço: Departament P. Biennale Cleveland County Museum Service, 5th floor, Gurney House, Gurney Street,  Middlesborough, Cleveland, England ou em Brasília: AV das Nações, Lote 8, tel: 225-2710 Rio: Praia do Flamengo, 284, 1º, tel 225-7552 e São Paulo: Av Paulista, 1938, 17º, tel 287-7722.