sexta-feira, 8 de março de 2013

LUIZ JASMIN SEPULTADO NO RECIFE



     LUIZ JASMIN PARTIU COM A SUA DELICADEZA


Foi sepultado ontem no cemitério Pilar , no Recife o artista plástico baiano Luiz Jasmin,  que faleceu aos 72 anos de idade, vítima de um câncer que o atingiu numa das  pernas. Ele estava internado no Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira ( IMIP), na capital pernambucana. Levou 47 dias internado e segundo informou Newton Bezerra seu companheiro há 34 anos o artista sofreu uma intervenção cirúrgica,recentemente e, veio a falecer. Ele nasceu em Salvador a 11 de outubro de 1940.
Luiz Jasmin na década de 70 era um dos artistas mais presentes nos acontecimentos sociais em Salvador e no Rio de Janeiro. Deixou inúmeros amigos com seu jeito charmoso de ser e tratar as pessoas com muita delicadeza. Ele tinha um traço marcante e que agradava de cara. Uma das obras mais conhecidas é a capa que ele fez para o  disco Recital Na Boite Barroco, de 1968, de Maria Bethânia onde ela aparece com os seios de fora. É uma das mais bonitas capas de LPs que já foi feita no Brasil. Esta capa chegou a sofrer censura na época da ditadura.
Enquanto esteve internado no IMIP ele fez amizades com funcionários e médicos.Produziu 60 desenhos e tinha vontade de fazer uma exposição tão logo saísse do hospital.
Conheci Jasmin antes de ele ir para Pernambuco, quando morava no bairro do Rio Vermelho numa pequena casa, toda reformada, localizada  numa ruazinha que fica perto do Colégio Medalha Milagrosa. Estava em pleno vigor pintando seus retratos e desenhando muito. Gostava de frequentar as altas rodas onde mantinha muitas amizades, tanto aqui como no sul do País.
Luiz Jasmin foi para Pernambuco em 2 de fevereiro de 1980 e criou laços de amizade  na ilha de Itamaracá, na Região Metropolitana  do Recife  terminou ficando definitivamente.
Lançou recentemente o livro Mulheres Encantadas, na festa literária Filiporto em 2012,uma autobiografia focada nas mulheres da vida do artista,desde a sua amamentação até nas relações profissionais.
Como bom retratista que era  desenhou Maria Bethânia, Tônia Carrero,Clara Nunes,Yolanda Costa e Silva, Danuza Leão, Tânia Alves, Maysa e muitas outras. Ele morava em Itamaracá  desde os anos 1980,na Vila Velha de Nossa Senhora da Conceição.
Lembrei agora de um episódio presenciado por Nonato Freire, quando o então governador da Bahia Antônio Carlos Magalhães estava convidando os artistas para produzirem obras para serem introduzidas nos modernos prédios das secretarias de Estado e outros órgãos que estavam sendo erguidos no Centro Administrativo. ACM, como era mais conhecido,chamou Luiz Jasmin e disse-lhe mais ou menos assim: Eh! Jasmin ficou para você a Secretaria de Justiça,como os personagens de suas obras sempre têm um olhar que chama a atenção, não sei como vai sair dessa. De pronto ele respondeu: Governador, não tem problema eu tiro a venda dos olhos da Justiça!. E, assim fez seu belo mural que está na entrada do prédio da Secretaria da Justiça com os olhos abertos.