sexta-feira, 29 de março de 2013

SALÃO DE SÃO CRISTÓVÃO - 20 DE OUTUBRO DE 1979


JORNAL A TARDE SALVADOR, 20 DE OUTUBRO DE 1979

              VIII FESTIVAL DE ARTE DE SÃO CRISTÓVÃO

Os artistas baianos vão participar do VIII Festival de Arte de São Cristóvão expondo seus trabalhos no Salão de Artes Plásticas do festival. Este salão visa uma movimentação em caráter nacional, criando possibilidades de uma amostragem global que reúna os novos e os antigos valores das artes plásticas do país.Realizar-se-á de 20 a 27 de outubro próximo e será instalado na histórica cidade sergipana de São Cristóvão. Veja parte do seu Regulamento:
- O Salão estará aberto à exposição de pintura, escultura, gravura, desenho, tapeçaria, objetos e propostas experimentais.
-  O Salão admitirá duas categorias de expositores e concorrente e participantes:
- Cada expositor concorrente deverá apresentar o mínimo de três (3) e um máximo de cinco (5) obras do mesmo gênero, com as quais se habilitará a concorrer aos prêmios oferecidos pelo salão;
- Cada expositor participante deverá apresentar obras cujo total, individualmente, não exceda a três (3);
- As inscrições foram encerradas a 10 de outubro de 1979, com a entrega, no Centro de Cultura e Arte-Cultrat/UFS- das fichas devidamente, preenchidas e das obras artísticas a serem expostas no salão.
- As obras inscritas serão agora submetidas a uma seleção prévia podendo, por opção dos autores, aquelas não aceitas, transferir-se para a Exposição dos Novos Artistas, também integrante da programação oficial do VIII FASC.
- As obras referentes à Secretaria de Propostas Experimentais serão executadas no recinto do salão sob a inteira responsabilidade do autor, o qual deverá presente aos processos de montagem e desmontagem, sem que com isso acarrete prejuízos e danos materiais ao local cedido para essa manifestação artística.
-Coordenação do salão estará a cargo de uma comissão especialmente delegada pelo Cultart-UFS.
Serão distribuídos pelo salão, os seguintes prêmios:
I Prêmio Horácio Hora, do Conselho Estadual de Cultura de Sergipe, através da Secretaria do Estado de Educação e Cultura, no valor de CR$15.000,00, ao primeiro classificado.
II Prêmio Universidade Federal de Sergipe, de aquisição da obra, no valor de CR$11.000,00, ao classificado em segundo lugar.
Parágrafo Único- Outros prêmios poderão ser criados, inclusive de aquisição.
- Os trabalhos de julgamento e premiação serão realizados por uma comissão especialmente designada pela Presidência do Conselho Estadual de Cultura de Sergipe, a partir de indicação pelo Cultart/UFS.
- A referida comissão relatará o procedimento relacionado com o julgamento e premiação, encaminhando o relatório através da Comissão Coordenadora do salão, para homologação e proclamação oficial do resultado.
- Após o encerramento do Salão, as obras nele expostas retornarão á sede  do Cultart/UFS, onde ficarão a disposição dos seus proprietários ou procuradores, sob a guarda da Comissão Coordenadora, no período compreendido entre 29 de outubro a 5 de novembro.
- No caso de artistas residentes em outros estados e, a critério destes, a Coordenação do Salão de Artes Plásticas do VIII FASC poderá se encarregar de promover a devolução das obras aos seus proprietários, por via aérea, com frete a cobrar.
- Decorrido o prazo estabelecido no Art. 10, e não havendo autorização de que trata o Art. 11, a comissão coordenadora do salão não se responsabilizará pelos danos e perdas das obras, reservando-se o direito de dar às mesmas o destino conveniente.
- Não será permitido ao expositor, recorre da decisão da Comissão Julgadora.
- Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Coordenadora.

              TERMINA MOSTRA DE SAUL STEINBERG

Uma exposição de 27 trabalhos do artista norte-americano Saul Steinberg que fez parte do IV Salão Internacional de Humor, realizado em São Paulo, esteve aberta no Solar do Unhão até ontem, no Museu de Arte Moderna, numa promoção conjunta da Associação Cultural Brasil-Estados Unidos e Fundação Cultural do Estado da Bahia.
Steinberg é um dos mais populares artistas vivos dos Estados Unidos, e suas obras são imediatamente identificáveis pelo público como as de Andrew Wyeth ou Norman Rockwel.
Steinberg nasceu em Bugareste, Romênia, em 1914, filho de um tipógrafo impressor de cartazes e posters.
Seus primeiros brinquedos foram os tipos de metal e madeira- os sinais gráficos que motivaram a sua notável criatividade artística.
Ao s 18 anos, após terminar o colégio, Steinberg mudou-se para a Itália, onde fez, em Milão, um treinamento como engenheiro e arquiteto. Seu coração, entretanto, estava no desenho e aos 21 anos ele já era um artista profissional ganhando a vida vendendo desenhos humorísticos a revistas e jornais. Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial Steinberg transferiu-se para os Estados Unidos onde chegou em 1941, naturalizando-se cidadão americano.
Seu primeiro emprego no país foi como desenhista da revista The New Yorker, para a qual continua trabalhando até hoje.
A sua criatividade como artista, todavia, não se limitou a revista. As capas que criou para The New Yorker, bem como as charges e ilustrações, constituem apenas uma parte de sua copiosa produção artística, rica em humor e ambiguidade. Autor de meia dúzia de livros, ele se tornou conhecido internacionalmente através de mostras coletivas e individuais em inúmeras cidades, entre as quais Barcelona, Caracas, Estocolmo, Chicago, Londres, Milão, Paris e Hamburgo.

Suas figuras incorporam um paradoxo, sendo ao mesmo tempo acessíveis e impenetráveis. Pode ser fácil para o público adentrá-las, mas é Steimberg quem decide quando o público pode penetrá-las. Em seu trabalho ele pouco vê para amar na natureza, mas, por outro lado, muito observa para satirizar.
Hoje, aos 65 anos, Steinberg sente que está no limiar de novas aventuras estéticas, diferentes daquelas que ele viveu até agora com caneta, lápis, crayon e outros materiais menos convencionais como madeira, cera, cola, envelope etc.
Hoje em dia eu desenho a vida diz ele como os velhos mestres, a medida em que fico mais velho, torno-me cada vez mais interessado no que está lá fora e não com o que está em minha cabeça.
Após serem mostrados aqui os trabalhos de Steinberg serão vistos pelo público de Belo Horizonte e Porto Alegre.



        INSCRIÇÕES PARA O II SALÃO NACIONAL 
       DE ARTES PLÁSTICAS

Estão abertas as inscrições para o II Salão Nacional de Artes Plásticas, franqueado aos artistas que desenvolvam qualquer forma de expressão artística, desde as tradicionais pintura, escultura, desenho e gravura até as mais livres manifestações como fotolinguagem e performance corporal. O salão, uma iniciativa do Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte, será realizado de 15 de dezembro a 15 de janeiro, marcando a reabertura do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.
As fichas de inscrição já foram distribuídas por todo o país, através das delegacias regionais do MEC que se encarregarão de distribuí-las às Instituições de Arte das Universidades Federais, Departamentos de Assuntos Culturais e Secretarias de Educação e Cultura dos Estados. No Rio de Janeiro, as fichas, juntamente como regulamento, estarão á disposição dos candidatos no MAM, Av. Beira Mar, no Aterro. Em São Paulo e em Brasília, nas sedes das representações da Funarte, respectivamente, na Rua Apa, 83, campos Elíseos, e no Setor de Difusão Cultural, atrás da Torre de Televisão.Os artistas de posse da ficha de inscrição preenchida, deverão remetê-las para o Rio de Janeiro, até o dia 30 de outubro-data limite de entrega no endereço-II Salão Nacional de Artes Plásticas, Museu de Arte Moderna (MAM), AV. Beira Mar s/n.º, Castelo, Rio de Janeiro, CEP 20021, e em Salvador, na Delegacia do MEC, no Largo Dois de Julho.Poderão concorrer quaisquer artistas, brasileiros ou estrangeiros domiciliados há pelo menos cinco anos no país, e que no período de dez anos até a data de inscrição tenha realizado pelo menos uma exposição individual ou participado de, no mínimo, duas exposições coletivas.
Cada artista deverá inscrever três trabalhos por categoria, não podendo as obras ocupar espaços superior a 12 metros quadrados, enquanto o conjunto das projeções de obras de fotolinguagem, incluindo vídeo-tapes, super-8, audiovisual, ou exibições de expressão corporal, não podem ultrapassar 12 minutos.Aos vencedores, serão concedidos quatro grandes prêmios de viagem ao exterior, cada um no valor de CR$180 mil; quatro de viagem pelo país, cada um no valor de CR$70 mil e ainda o prêmio especial Gustavo Capanema, no valor de CR$50mil, ao artista que apresentar o melhor conjunto de obras. Os prêmios de aquisição, até o máximo de cinco, serão pagos de acordo com os valores declarados pelos expositores nas respectivas fichas de inscrição, desde que o total não seja superior a CR$70mil. A Comissão de Seleção e premiação será constituída de  três membros eleitos pelos artistas inscritos no salão, além do presidente da Funarte que a presidirá com direito a voto de qualidade.