domingo, 10 de março de 2013

AS PREVISÕES PARA 87 DO CARTUNISTA SERRA - 29 DE DEZEMBRO DE 1986


JORNAL A TARDE,SALVADOR,  SEGUNDA-FEIRA, 29 DE DEZEMBRO DE 1986

AS PREVISÕES PARA 87 DO CARTUNISTA SERRA




















Há  vários anos que o cartunista Paulo Serra apresenta suas previsões, com uma forte dose de humor e crítica. Este ano, ele lembra do Cruzado, que já despencou do seu altar autoritário em forma de cascata. Os preços escapolem por todos os lados e a classe média vai aos poucos perdendo o seu poder de compra. Segundo o sábio Delfim Neto, um dos responsáveis por esta situação de miséria que vive o País, a sociedade brasileira não quer o fim da inflação. Mais uma mentira que deve ser entendida assim: o povo não quer inflação. Porém, acabar com o povo para acabar a inflação de nada adiantaria.
Paulo Serra acredita ainda que 87 será um ano bom para as artes, de modo geral. Vamos esperar que as boas previsões se confirmem e que as más não. Serra, além de cartunista é um artista atualizado, que vive os momentos bons e ruins deste País, que está sempre envolvido com os movimentos ecológicos. Tem consciência do seu papel de artista, que afinal de contas deve ser sempre renovador.

OS DISSIDENTES DE 1942 E O GRUPO DO 
MESTRE GUIGNARD
Obra de Iberê Camargo

Encerrando sua programação de 1986 a Galeria de Arte Banerj está apresentando duas mostras simultâneas: A Nova Flor de Abacate e os Dissidentes. Integram o Ciclo de Exposição sobre arte no Rio de Janeiro, que a Galeria vem realizando desde 1984 e no qual já foram documentados e analisados alguns movimentos fundamentais da arte brasileira ali sediada, como o Neoconcretismo, A Mostra Opinião 65 e a Geração AL-5. A primeira das duas mostras se ocupa dos sete artistas que se reuniram em atelier, na rua Marquês de Abrantes 4, no Catete, entre março de 1943 e abril de 1944, sob a liderança de Guignard, são eles: Iberê Camargo, Alcides da Rocha Miranda, Geza Heller, Vera Midlin , Maria Campello, Milton Ribeiro, Elisa Byington e Werner Amacher. A exposição procura enfatizar a metodologia de ensino de Guignard.
A segunda exposição reexamina a atual de um grupo de alunos da Escola Nacional de Belas Artes que se rebelou contra o ensino acadêmico ali ministrado, realizando, na Associação Brasileira de Imprensa em 1942 uma exposição polêmica, apoiada pelos principais intelectuais atuantes no Rio de Janeiro naquela época, como Afonso Aruinos, Manoel Bandeira, Aníbal machado, Murilo Mendes, José Lins do Rêgo, Marques Rebelo, Santa Rosa, além do próprio Guignard.  Desse grupo rebelde da ENBA
Participaram entre outros Sansão Castello Branco, Alfredo Ceschiatti, José Pedrosa, José Moraes, Percy Deane, Ahmés di Paula Machado , além dos arquitetos Maurício Roberto, Francisco Bologna , Eduardo Corona e Flávio de Aquino, crítico de arte.
As exposições realizadas pelos dois grupos tiveram intensa repercussão dentro e fora da Escola Nacional e mesmo fora do Rio de Janeiro. A mostra do Grupo Guignard montada inicialmente na ENBA em 1943 , foi desmontada a força pelos alunos acadêmicos , sendo transferida, a seguir, para a ABI. O incidente teve tanta repercussão que, segundo alguns articulistas da época, estimulou o movimento que levou a criação do Museu de Arte Moderna.
Já o movimento dos Dissidentes de acordo com a análise de Quirino de Campofiorito foi mais importante que o realizado em 1931 por Lúcio Costa. Segundo o conhecido crítico e historiador, foi mais positivo porque foi realizado pelos próprios alunos, enquanto Lúcio Costa quis combater a Escola com elementos de fora, provocando uma reação interna de professores e alunos que levaram a sua demissão.


                  VINTE E CINCO PUBLICITÁRIOS

Será encerrada hoje, no Museu de Arte da Bahia a I Mostra de Artistas Publicitários, reunindo 25 artistas da área, que desencantaram uma Idea antiga, cujo objetivo é de criar um espaço estimulador, livre das pressões de mercado. Nildão, Enéias Guerra, Gizele e Donizete foram alguns dos expositores, desta mostra cujo maior destaque já a partir da noite de inauguração foi do pintor Carlos Rodrigues, publicitário que trabalha na Secretaria Municipal de Comunicação Social, da Prefeitura de Salvador. Seus quadros ( Foto) foram apreciados pela criatividade .