sexta-feira, 1 de março de 2013

ESTAMOS EMPERRADOS - 08 DE JUNHO DE 1981


JORNAL A TARDE, SALVADOR,  08 DE JUNHO DE 1981

                 ESTAMOS EMPERRADOS

Venho reclamando, há algum tempo, que a arte baiana precisava sair do marasmo em que se encontrava em busca de novos caminhos. Tenho também incentivado, ao lado de Ivo Vellame, Matilde Mattos, Francisco Liberato (mais recentemente) e Juarez Paraíso, os artistas emergentes. Dando o apoio necessário, cada um no seu setor, uns mais e outros com menor intensidade.
Por várias vezes fiz críticas contundentes a atitudes condenáveis e a má qualidade de trabalhos expostos.
Apontei os bons, destaquei aqueles que realmente estão interessados em criar algo de novo e significativo como o Bel Borba, Zivé, Murilo, Deca Conde, Valuízio, Mazo, Jamison Pedra, Márcia Magno, Justino Marinho, César Romero e muitos outros. Porém, com a mesma intensidade continuarei a criticar posições e trabalhos que achar ruins. Com a mesma postura e com a mesma sensatez.
Mas, o que me incentivou a escrever hoje sobre este assunto foi a euforia incompreensível de alguns desses artistas, com algumas exceções com a crítica feita por Frederico Morais, em edição de O Globo do último dia três do corrente sob o título: Arte baiana, emperrada, começa a movimentar-se. Na verdade, o título mostra um certo atraso porque já começou há alguns anos esta movimentação, a qual poderá ser constatada nas colunas escritas por mim sobre os valores que estão surgindo. Não é de agora também que apontamos a necessidade de inovar e condenamos, com sérias repercussões - , o incensar constante dos artistas prontos, feitos e vendáveis da década de 40, que nada mais inovaram. Pararam no tempo e assim continuam até hoje sobrevivendo dos loiros conseguidos e também usufruindo daquele imobilismo, que felizmente começa a ser quebrado. Hoje, alguns desses jovens que lançamos e continuamos apoiando começam a deslanchar e a tomar seus lugares, dentro, evidente, da substituição natural das gerações. É preciso portanto, que a nova geração emergente seja ainda mais criativa em benefício da arte baiana.
Sou, por questão mesmo de idade, mais ligado a esta jovem geração de artistas. Em determinados momentos discordamos e, aceito a discordância como um processo natural da dialética. É preciso discordar para em seguida encontrar um ponto de equilíbrio. Infelizes daqueles que pensam ser donos da verdade. E na medida do possível, a busca da verdade deve ser conseguida de um consenso, e é isto que procuro.
Não estou desconhecendo as verdades ditas pelo Frederico de Morais, que é um dos bons críticos deste País.
Estou apenas lembrando, porque às vezes as memórias são falhas e esquecem o que foi dito com muita facilidade. Estou plenamente de acordo como Frederico. O que não entendi foi a euforia por algumas colocações que já foram ditas até com mais veemência.

PINTURAS NAZISTAS VÃO SER DEVOLVIDAS

Uma coleção de seis mil pinturas nazistas pode ser devolvida pelo Estados Unidos à Alemanha Ocidental, disse Marylou Gjernes, diretora do Centro de História Militar do Exército Norte-Americano, instalado em Alexandria, Virgínia.
O conjunto de obras apreendido durante a Segunda Guerra Mundial, que retrata as glórias do Terceiro Reich, contém quatro aquarelas pintadas por Adolf Hitler, existe uma grande probabilidade de elas não serem devolvidas, disse a diretora explicando que elas poderiam tornar-se peças de propaganda política dos neonazistas.
Os Estados Unidos e seus aliados reuniram as peças artísticas produzidas em sua maioria por pintores do Ministério Nazista da Propaganda, já no final da Segunda Guerra.
Entre elas se incluem vários retratos a óleo de Hitler, que muito provavelmente não serão também devolvidos, mas outras obras prestam-se a uma ampla interpretação, explicou Marylou Gjernes.
Antes da visita feita a Washington recentemente pelo chanceler alemão-ocidental Helmut Schmidt, especialistas do Departamento de Estado recomendaram ao secretário Alexander Haing a devolução do conjunto de obras como um gesto de boa vontade, mas um porta-voz da Embaixada de Bonn em Washington disse que seu governo não fez qualquer tentativa para recuperar os quadros.

VAMOS MOSTRAR AS FOTOGRAFIAS




A Criança e os Pombos, foto de Carlos Santana
Se você é um bom fotógrafo e gosta de registrar a paisagem, uma bonita Lua cheia ou mesmo cenas e flagrantes cruéis, é hora de expor a sua sensibilidade. E para isto estão sendo convidados os fotógrafos profissionais e amadores para participar da próxima exposição que será realizada, de 8 a 16 de julho, durante a 33ª Reunião da SBPC, que será em Salvador. Também haverá um encontro de fotógrafos a nível nacional, tendo como tema: Política Profissional e Produção Fotográfica. O tema central da exposição versará sobre O Homem e a Sociedade além de subtemas como: A População Brasileira Rural e Urbana; O Negro na Sociedade Brasileira e a Luta Indígena.
Cada fotógrafo poderá participar de quatro até 10 fotos com o tamanho mínimo de 20x20 cm e máximo de 30x40 cm com margem a critério do profissional. A montagem tipo passepartout em papel duplex branco. As fotos podem ser preto e branco ou a cores.
Para o jornal-catálogo da exposição o fotógrafo enviará quatro fotos, até o dia 10 de junho, ao Instituto de Arquitetura da Bahia, Ladeira da Praça.
Este prazo é apenas para o catálogo, chamo a atenção para evitar confusão que a seleção será de 10 a 20 de junho.
SALÃO EM PARIS
Por outro lado, será realizado o 34º Salão Internacional de Fotografia, Cinema e Ótica, de 24 de outubro a 2 de novembro no Parque de Exposição da Porta de Versailles, em Paris. A exposição ocupará uma área de 26 mil metros quadrados, sendo que 230 expositores apresentarão 457 marcas de material de fotografia e cinema entre máquinas de fotografar, equipamentos e acessórios para fotocópia e projeção; equipamento de laboratórios e estúdios fotográficos; álbuns e quadros, produtos sensíveis, micrografia, microfilme e micro cartas. Quanto a cinema, serão mostradas câmeras, acessórios, projetores e equipamentos para cinema, além de equipamentos para audiovisual
Paralelamente ao salão haverão diversas manifestações como: o grande prêmio Foto da Cidade de Paris, a exposição A China Vista Pelos Chineses, fotos da China feitas por fotógrafos chineses; a retrospectiva do Nu, de Daguerre a nossos dias; a exposição de fotos de esportes náuticos, apresentada pela Associação Encontros Internacionais do Mar e mostrando as mais belas fotografias deste esporte.
Anotamos ainda outras exposições: os grandes momentos do rádio em imagens; retrospectiva de Boiffard e de Elie Rothard: o Surrealismo de 1920-1940 e retratos de crianças e de velhos apresentados pela Associação Nacional Francesa de Fotografia Profissional.


              KLAUS STAECK EXPÕE DIA 15 NO ICBA



Os trabalhos de Klaus Staeck um dos maiores cartunistas da Alemanha, serão apresentados ao público baiano na exposição O Pensamento é Livre, organizada pelo Instituto Cultural Brasil- Alemanha, de 15 de junho a 15 de julho.
Staeck, 43 anos, nasceu na Alemanha Oriental, transferindo-se para a República Federal da Alemanha em 1957. Começou sua atividade gráfica de 1960, e de dez anos depois conquistava o prêmio Zille, uma das distinções mais importantes da gravura sócio-crítica.
Sua técnica é caracterizada pela montagem de retratos, gravuras, recursos tipográficos antigos e modernos e, principalmente, fotografias, ao estilo da propaganda comercial. Para Staeck, a fotografia provoca mais impacto que a caricatura usual feita com lápis, nanquim, guache, etc. pois, como no efeito da propaganda, ao olhar uma foto, o espectador pensa contemplar a realidade e é pego desprevenido, deparando-se com a mensagem proposta pelo autor. E a mensagem de Staeck é direta, desafiante, agressiva. Em defesa do meio ambiente, da paz e dos direitos humanos, ele investe sem rodeios contra a restrição da liberdade, a injustiça social, a demagogia dos partidos políticos, o que já custou alguns processos da Justiça.
Para o humorista Millôr Fernandes, que o apresenta nesta exposição, “ qualquer que seja a discussão teórica sobre o processo gráfico de Staeck , o resultado que obtém é da mais alta qualidade – uma imagem apresentada com nitidez, eficiência e, mesmo que isso não seja busca intencional nesse tipo de proposta – beleza artística -. Quanto à mensagem , Staeck é curto e grosso. Vai direto ao assunto e não trata a mãe de ninguém de senhora sua mãe”. E, numa apreciação resumida , afirma Millôr: “ Sem conhecer Staeck, apenas por sua arte, me arrisco a dizer que ele é um radical. E por que não ?”.







 DIANA DE CERA - O Museu de Madame Tusseau, como é mais conhecido em Londres, onde estão representadas as principais figuras humanas, recomendou recentemente à escultora Muriek Pearson uma estátua de Diana Spencer, a noiva do príncipe Charles. O modelo de barro já está pronto e servirá para a moldagem da cera. Posteriormente serão implantados os cabelos e olhos e finalmente será feita pela escultora a distribuição das cores. O modelo estará em exposição antes do casamento de Charles com Diana, marcado para o dia 29 de julho próximo.



CONCURSO- As inscrições de projetos ao concurso de esculturas para praça, com dois prêmios de CR$100 mil cada, serão recebidas até o dia 31 de julho pela Coordenadora de Cultura de Minas Gerais. As duas esculturas premiadas serão colocadas nas praças Bandeirantes, em Mariana (alusiva a Claudio Manoel da Costa, poeta e mártir da Inconfidência Mineira) e ao coronel Maximiano, localizada em Carangola (comemorativa ao centenário de emancipação política do município).
Pode participar qualquer artista brasileiro ou estrangeiro residente no país há mais de três anos. Os projetos devem ser apresentados através de maquete, foto ou qualquer outra forma que dê plena condição da avaliação da obra pela comissão julgadora.

FEIRA NA LE DÔME - Revivendo uma iniciativa pioneira, a Galeria Le Dôme abrirá suas portas a partir de hoje para sua Feira de Arte 1981.
Reúne a feira mais de 200 quadros de sessenta e dois artistas. A Galeria fica situada na Rua Direita da Piedade, 17 e é uma boa oportunidade para aqueles que gostam de colecionar obras de arte.

CRÍTICA DE ARTE - O mestre Romano Galeffi ( Foto) lançou na última sexta-feira seu mais novo livro intitulado Fundamentos da Crítica de Arte, na Galeria Eucatexpo, com a presença de  muitos de seus alunos e amigos. O livro tem uma tiragem limitada de apenas mil exemplares, tendo em vista que este assunto interessa de perto a estudantes de Belas-Artes, professores e amantes da crítica. Sem dúvida que o professor Romano Galeffi é um dos mais conceituados estudiosos das artes plásticas na Bahia e tem uma bagagem cultura capaz de discorrer sobre Estética e outros assuntos, considerados difíceis, com muita fluidez.