domingo, 3 de março de 2013

OS IMÓVEIS TOMBADOS E A FALTA DE CONSERVAÇÃO - 26 DE JANEIRO DE 1981


JORNAL A TARDE SALVADOR 26 DE JANEIRO DE 1981

OS IMÓVEIS TOMBADOS E A FALTA DE CONSERVAÇÃO

Várias ladeiras históricas estão com o casario deteriorado
Foto Correio da Bahia / Google.
É difícil para o Governo Federal arcar com toda a responsabilidade do patrimônio público. Acho que as prefeituras municipais as santas casas, os proprietários particulares e outras entidades tem obrigação de conservar os imóveis que estão sob sua guarda e que foram tombados. A própria Igreja Católica, proprietária da maioria desses imóveis deve conservá-los e não apenas cruzar os braços à espera que o governo venha a consertá-los. Vejo com tristeza, igrejas imponentes de nossa Salvador caindo aos pedaços. A simples ocupação do imóvel e o desenvolvimento de atividades, desde que não o descaracterizem, é uma forma espetacular de conservá-los.
O tombamento não significa que os ocupantes ou proprietários deixaram de ter responsabilidades para com os imóveis, ao contrário, isto significa que a responsabilidade aumenta, já que aquele imóvel pertence ou integra a memória nacional. Mas é preciso alertar esta  gente para a necessidade de exercer uma conscientização e evitar, inclusive, a instalação de pequenas oficinas e o exercício de outras atividades que venham colocar em perigo esses imóveis.
Acompanhei de perto, por algum tempo, o trabalho incansável do professor Vivaldo Costa Lima, a quem a Bahia deve parte da conservação de seu patrimônio, contra a dilapidação por alguns proprietários inescrupulosos que só desejam o lucro.
Lembro que alguns deixavam o imóvel chegar a condições precaríssimas no desejo de levantar um monstrengo qualquer. O professor Vivaldo Costa Lima não permitia e a briga era para valer. Isto acontece também com alguns prefeitos do interior do estado que deixam os imóveis de valor cultural chegarem a estados de quase irrecuperação. Cruzam os braços à espera que o governo federal venha dotar recursos para sua recuperação. Acho mesmo que a responsabilidade é de toda a comunidade e não apenas de seus proprietários quer seja igreja, entidades ou comerciantes. É necessário denunciar aqueles que mutilam esses imóveis ou que simplesmente deixam que o tempo os destrua.

ARTISTAS BAIANOS JÁ PODEM PREPARAR SUAS PROPOSTAS
Unhão agora começa a ser um centro de arte

Finalmente, aparece um concurso público voltado às artes plásticas promovido pela Fundação Cultural do Estado da Bahia. Os projetos podem ser entregues até 15 de fevereiro, no Museu de Arte Moderna da Bahia. O principal objetivo do concurso é fornecer recursos financeiros para a montagem integral de dez propostas, visando estimular a criatividade nessa área, bem como atender ás expectativas do mercado de trabalho do meio produtor local. Realmente, as artes plásticas estavam relegadas pela Fundação Cultural a um plano inferior e quase sempre venho criticando esta atitude. Basta você passar uma vista na programação distribuída mensalmente, que constará que os eventos plásticos estão em escala bem inferior. As exposições importantes que aconteceram ou acontecem, geralmente chegam aqui através de embaixadas e outras entidades culturais.
Portanto, agora é hora de enaltecer o acordar dos burocratas na esperança que outros concursos virão. Na esperança de que lançamentos de livros de qualidade duvidosa seja preteridos em benefício de outras atividades culturais mais dignas. Quando escrevo parece ao menos avisados que nutro qualquer antipatia pela Fundação. Mas, não é nada disto.
Apenas cumpro com a responsabilidade de criticar e sugerir (mesmo que não peçam) caminhos, já que são muitos os descaminhos. O compromisso é com a cultura baiana e com a nossa comunidade.
DETALHES
O concurso destina-se exclusivamente, a artistas baianos ou brasileiros radicados na Bahia há mais de dois anos e a responsabilidade da elaboração dos projetos da elaboração dos projetos poderá ser assumida individualmente ou por equipe, formada por artistas de diversas áreas de expressão, mas impreterivelmente liderada por um artista plástica.
Os prêmios para os dez melhores projetos são no valor de cem mil cruzeiros para cada um e as propostas devem ser concebidas de forma a atender aos requisitos explícitos no regulamento do concurso, tais como propostas inéditas, considerando como referencial as manifestações contemporâneas das artes plásticas, que sejam concebidas com um enfoque específico na realidade cultura regional de modo a despertar interesse a nível nacional que tenham como característica fundamental a expressão de novos significados estéticos relacionados com os diversos aspectos dos nossos conteúdos culturais.
Os artistas concorrentes podem se utilizar de diversas linguagens expressivas, desde que a dominante seja inerente às artes plásticas e, por isso mesmo, devem observar que cada parte da proposta esteja estruturalmente vinculada à proposta maior, reforçando a unidade de cada trabalho como um todo.
No projeto de realização deve constar um memorial descritivo da idéia-tema e apresentação da proposta de trabalho comunicada clareza de exposição, de modo a facilitar seu julgamento e o exame da viabilidade de execução.
Apresentar também a concepção geral da proposta, definindo as diversas linguagens que serão utilizadas e a concepção visual apresentada através de desenhos, estudos e maquetes e tudo o mais que for necessário para perfeita definição.
Além dos recursos financeiros, os vencedores do concurso do MAMB terão á sua disposição, para a realização das propostas, o apoio do museu, incluindo pauta de exposição para uma mostra conjunta, espaço físico disponível para os trabalhos de montagem e ensaios, apoio da equipe técnica interna para a montagem da exposição e elaboração de um catálogo contendo informações relativas aos trabalhos selecionados.
Os artistas devem apresentar seus projetos de concepção e execução quando da inscrição no Museu de Arte Moderna da Bahia, Avenida de Contorno, s/n.º, Solar do Unhão, até dia 15 de fevereiro, quando será encerrada.
Os trabalhos que forem executados através dos recursos que o  concurso favorece estarão automaticamente selecionados para participar do Salão Nacional de Artes Plásticas, que se realizará no segundo semestre deste ano, aqui em Salvador.

                      MARCO FOI PREMIADO EM MINAS

O artista mineiro Marco Túlio Resende ganhou o grande Prêmio Prefeitura de Belo Horizonte, no valor de CR$80 mil, do XII Salão Nacional de Arte, no Museu de Arte da Pampulha, como parte das comemorações dos 83 anos da capital mineira.
Todos também com trabalhos sobre o temas A Cidade, foram ainda premiados, cada um com CR$50 mil, os artistas Marco do Valle, Hugo Denizar, Maria do Carmo Secco, Fátima Pena, Ângelo Marzano, Rubens Gerchaman, Manfredo de Souza Neto, Sandra Bianchi, Nilton Machado, Regina Silveira, Carlos Muniz, Maluba, Ana Amélia Diniz Camargo, Vicente Barbosa Coura, Herculano Ferreira e equipe da escola Guignarde.
A comissão julgadora, integrada por Aracy Amaral, Celma Alvim, Frederico Morais, Maristela Tristão e Márcio Sampaio, selecionou ainda 47 trabalhos, que integram a mostra, juntamente com as obras de 11 artistas convidados. O júri selecionou ainda seis propostas de intervenção, executadas durante a realização do salão e foram premiadas com CR$50 mil cada, apresentadas pelos artistas José Renato Sartori inchausti, Marcelo Nitsche, Geraldo de Souza Dias Filho, Elizabeth Cavalcanti, Lúcia Batista Andrade e Ana Torrano.

SUCESSO CHEGOU DEPOIS QUE HOBBEMA DESAPARECEU

Meindert Hobbema (1638-1709), amigo e aluno de Jacob van Ruijsdael, figura hoje entre os mais eminentes pintores do século 17. Suas paisagens com moinhos enriquecem muitos grandes museus da Europa Ocidental, desde Amsterdam onde nasceu até Viena. A obra prima Avennida em Middlharnis está na National Gallery de Londres. (Foto ao lado)
O artista era pouco cotado em sua terra, porém, os colecionadores ingleses dos séculos 18 e 19 buscavam suas obras e sua influência sobre a pintura britânica foi aparentemente considerável. Até pouco a Holanda possuía apenas seis Hobbemas. Algumas de suas mais belas criações estão em museus americanos. A Frick Collection, a Sociedade Histórica e o Museu Metropolitano (NY), Filadélfia e Washington possuem quadros de Hobbema quase indistinguíveis dos de Ruijsdael.
A Mauritshuís (Haia) e sua requintada coleção de obras dos séculos 17 e 18, possui apenas uma paisagem de Hobbema, presente de um colecionador holandês radicado na Suíça. O segundo Hobbema ali exposto foi emprestado pelo Rijksmuseum.
Em 1913 a Mauritshuís ganhou um soberbo Hobbema; entretanto em 1950 um  comitê decidiu doá-lo ao povo do Canadá como prova de gratidão pela inestimável ajuda prestada durante a libertação da Holanda.
E assim, a tranqüila paisagem foi para o Museu Nacional de Ottawa.
Uma bela paisagem pintada por Hobbema
Graças a seus muitos amigos, a Mauritshuís será em breve enriquecida com um excelente Hobbema. Devido à generosidade da Associação Rembrandt da Fundação Johan Maurits a tela, oferecida na Feira de Antiguidades em Delft em outubro passado, irá fazer parte do acervo naquela casa. O painel, antes pertencente à famosa coleção inglesa Haywood Lonsdale, foi adquirido na Galeria Christies (de Londres) pelo anglo-holandês Noortman que decidiu repatriá-lo para a terra que o inspirara.
Por não ter podido vender suas paisagens, Hobbema, muito necessitado de dinheiro, aceitou um pequeno emprego na Fiscalização do Imposto de Consumo. Nas palavras de famoso historiador de arte inglês, é difícil compreender como um homem com tanto talento pode se resignar a abandonar a pintura e passar quarenta anos medindo o vinho dos tonéis. Meindert Hobbema não foi o único mestre subestimado e somente reconhecido longo tempo após a morte.