quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

PINTORES ESPANHÓIS EXPÕEM NO MUSEU DE ARTE MODERNA - 20 DE NOVEMBRO DE 1981

JORNAL A TARDE,Salvador,  20 DE NOVEMBRO DE 1981

PINTORES ESPANHÓIS EXPÕEM NO MUSEU DE ARTE MODERNA
Figuras Urbanas ,obra de José Maria Cuasante
integrante do Grupo Realista

A linha, espaço e expressão reúnem importantes artistas contemporâneos espanhóis que estarão mostrando seus trabalhos no Museu de Arte Moderna da Bahia. Eles chegam até Salvador através o governo espanhol. Coube ao Comissário de Exposições do Instituto de Cooperação Ibero-americana apresentar os artistas espanhóis que afirma que na presente seleção, tratou-se de ressaltar afinidade e diferenças, de mostrar como se unem temática e técnica, de ressaltar aspectos que, muitas vezes,passam inadvertidos por demasiado evidentes e outros que, freqüentemente, ficam ocultos na totalidade da obra.
Os organizadores confessam que tiveram dificuldades em selecionar devido a tradicional riqueza do panorama pictórico espanhol, mas conseguiram nos brindar com 56 artistas cujas obras merecem ser vistas pois atestam a contemporaneidade. Alguns são jovens artistas ainda desconhecidos até mesmo da critica brasileira, mas todos são de boa qualidade e isto me parece foi o ponto mais importante da seleção feita.Também foi sacrificada a possibilidade de maior representação de cada artista, em benefício de maior número destes.
Assim a Espanha apresenta uma panorâmica com vários artistas, embora é claro, não se possa ter uma visão mais ampla da obra dos expositores pelo pequeno número de trabalhos de cada um .
Estão participando da exposição: Elena Asins, Rafael Baixeras, Fernando Bermejo, Elena basco, Enrique Brinkman, Antonio Burgos, Juan Carceles, Manuel Carregal, Luís Caruncho, Julian Casado, Ricardo Cristobal, Luís Cruz Hernandez, José Maria Cuasante, José Luis de Dios, Gerardo Delgado, Francisco Echauz, Manuel Egido, Manuel Esteban, Carlos Forns Bada, Maria Helena Gago, José Maria Garayo, Juan Giralt, Pedro Grifol, Juan Guiterrez Montiel, José Maria Iglesias, José Luís Jimenez Algarabel, Anton Lazamares, Vírginia Lasheras, Francisco Lorenzo Tardon, Sofia Madrigal, Joaquim Michavila, Mon Montoya, Joaquín Mouliam, Luís Muro, Antón Patino, Francisco Peinado,Miguel Pena, Cristóbal Povedano, Emílio Prieto, Rogelio Puente, José Quero, Francisco Rojas, Luiz Saez, Enrique Salamanca, Fernando Sanchez Calderon, Soledad Sevilha, Ramiro Tapia, Rosa Torres, Ignácio Tovar, Esteban Tranche, Roman Valles, Dário Ruben Velásquez, Dário Vilalba, Javier Virseda, Miguel Ybañez, Ignácio Yraola.
As criações desses 56 artistas plásticos estarão expostas no Museu de Arte Moderna da Bahia, de 21 a 31 deste mês.O Cônsul da Espanha, Ricardo Peidro disse "que em termos de pintura contemporânea espanhola é a mostra mais importante e mais significativa que já chegou ao Brasil."
Considera essa mostra uma boa ocasião para o público em geral, em particular os artistas brasileiros, especialmente do Nordeste, entrarem em contato com as tendências e realizações artísticas da Espanha. Acho que seria importante se levar trabalhos artísticos brasileiros ao seu país. Inclusive está mantendo contatos no sentido de levar trabalhos de artistas plásticos nordestinos à Espanha. Com isso, criar um contato mais profundo entre a arte dos dois países.

        ROBERTO GALVÃO NA GALERIA ÉPOCA

O artista Roberto Galvão iniciou na pintura em 1966 e continuou realizando pesquisas plástico-visuais com elementos da cultura popular.
Daí surgiu a série Reflexos Sobre Cultura Popular. Em 1972 dedica-se à escultura em metal e mármore, quando executa grupo de esculturas para os jardins de um banco oficial em Quixeramobim, relevos para a cidade histórica de Icó e escultura mural para outra agência bancária. Em 1973 cria vários vitrais. Diversas vezes premiado, com exposições realizadas nas principais capitais do país a sua vinda à Bahia deve-se ao trabalho sério que o pessoal da Galeria Época vem desenvolvendo, dando apoio aos artistas da nova geração. Este cearense tem grande poder de criação que pode ser constatado nas ilustrações de seu catálogo. Depois falarei sobre sua obra com mais detalhes.

SALÃO DA CATÓLICA PREMIA E INCENTIVA 
NOVOS VALORES

Alcançou seus objetivos o II Salão de Artes plásticas da Ucsal, realizado na Sala de Artes Plásticas Calasans Neto e Núcleo de Criação do Instituto de Música da Universidade Católica do Salvador- Promoção Departamento de Educação Artística e Patrocínio Especial da SEAC- Funarte, do Ministério da Educação e Cultura.
O II Salão de Artes Plásticas da Ucsal, teve a coordenação do prof. Luiz Ademir Souza e visou uma melhor informação do que se faz hoje no campo das artes da Universidade Católica do Salvador, além de facilitar o relacionamento artístico-cultural com profissionais, artistas, pesquisadores, estudantes e interessados nessas atividades, durante a referida mostra. Sobre o Salão, a Prof.º Maria Dulce Calmon de Almeida - Diretora do Instituto de Música da Ucsal.- acrescenta: Como parte das comemorações dos 20 anos de fundação da Universidade Católica do Salvador, o II Salão de Artes Plásticas teve como objetivo promover o contato artístico-cultural entre educandos, artistas, estudiosos e comunidade de modo geral a fim de possibilitar uma melhor integração de experiências.
Distribuído em sete categorias (desenho, pintura, gravura, fotografia, cerâmica, escultura e objetos) o II Salão contou com a colaboração da Fundação Cultural do Estado da Bahia e a Comissão Julgadora foi composta por Maria Dulce Calmon de Almeida - presidente de honra Luiz Ademir Souza, Mércia Leite Vianna Rocha, Márcia Maria Teixeira de Cerqueira, Germano Machado e Mauro Porru, todos professores de Educação Artística da Universidade Católica do Salvador.

PREMIAÇÃO

A Comissão Organizadora juntamente com a Comissão Julgadora e de acordo com o Regulamento do Salão selecionou os vencedores: Categoria Desenho 1º lugar: o desenhista Jorge Farias, com o trabalho Silvana Antar Pereira; Menção Honrosa : às artistas Gisele Rocha, Thereza Lopez e Cristina Valadares; Categoria Pintura : 1º lugar - com o artista plástico Jorge Farias, cujo título da obra a óleo sobre tela é  Banho de Verão; Menção Honrosa: Gisele Rocha e Helena Concentino; Categoria Objetos - 1º lugar - Marileide Gonçalves e Menção Honrosa - Susana Tupinambá com Máscara; Categoria Fotografia -  1º lugar Marília Noronha; Categoria Cerâmica e Escultura -dois prêmios- lugar - Sônia Costa; e Gravura ,1º lugar -  Lizete Fernandes. No que se refere a prêmios especiais: Originalidade - Sílvio Jessé (pintura); Antônio Sérgio Fernandez (objetos) e cartun o desenhista Paulo Marcus Vianna.




Técnicos instalando a Guernica no Museu do Prado
GUERNICA- A célebre obra de Pablo Picasso que ficou 40 anos no Museu de Arte moderna de New York, onde tive a oportunidade de visitá-la quando da exposição comemorativa do centenário do grande mestre já foi colocada em seu lugar definitivo no último dia 15. Ela está protegida por um vidro a prova de bala, em uma sala do Museu do Prado, em Madri. A tela pintada, em preto, branco e cinza, chegou a Madri no dia 9 de setembro e depois de desenrolada foi ligeiramente retocada em alguns pontos. Ela poderá ser vista pelo público a partir do dia 25 do corrente, data do centenário de Pablo Picasso.

CLARO-ESCURO- Um grupo de artistas acreditando na terra e no povo de Salvador, e mais ainda, no que fazem e na coragem que têm, decidiram realizar um velho sonho, e algo de ainda novo aqui.Inauguram no dia 22 de outubro, ás 21 horas os seus ateliers de artes plásticas e show-room Claroescuro na Av. Euclides da Cunha -Graça.
Eles não tem nenhuma pretensão de galeria. Somente querem para si, um espaço aonde, além de executarem seus trabalhos, poderão mostrá-los, e serão adquiridos pelo público. Assim, independerão das custosas exposições em galerias, sem contudo negarem a sua validade, e aonde inclusive, quando necessário se fizer, farão exposições.Além de mostruário do show-room, cada artista dará aulas das técnicas que executa, e cursos á nível de atelier.Fazem parte do Grupo Claroescuro: Liane Katsuki, Alain Pigot, Manoel Neto e Sérgio Sampaio, criando e executando: jóias, esculturas, objetos, desenho, pintura, vitraux, serigrafia, espelhos e murais.


FALECEU- O pintor argentino Antônio Berni morreu, dia 13, vitima de ataque cardíaco quando era operado pela segunda vez em uma semana, informaram parentes do artista. Berni tinha 76 anos.
Internado na semana passada quando sofreu um ataque durante um jogo de pólo, em Buenos Aires, Berni, artista reconhecido internacionalmente, foi levado para a terapia intensiva onde permaneceu desde então.
Berni em 14 de maio de 1905. era casado com Nélida Gerino e tinha dois filhos. Considerado um dos grandes do século vinte, Berni foi recentemente homenageado com uma exposição pelo Museu de Arte Moderna de Paris.
Sua pintura sofreu forte influência surrealista para logo depois, ainda na década de 1930, quando começou a pintar, adotar o realismo como forma preferida de representação artística, cujo exemplo mais marcante é o Massacre dos Inocentes.
Em novembro de 1972, quando estava em Paris, houve um atentado contra sua residência sem provocar ferimentos no artista ou em sua mulher. O ataque não ficou esclarecidos e ainda não se conhece seus autores.

FEIRA DE ARTE- Os alunos da 7ª série - A do Colégio N.S da Vitória comunicam a realização, nos dias 22 e 23 deste, da 1ª Feira de Arte Marista, com trabalhos de alunos daquele estabelecimento, os quais encarecem o comparecimento de todos, pois, além de estimular artistas adolescentes, toda a renda apurada reverterá em benefício das Obras Sociais de Irmã Dulce.

FIGUEIREDO- Regressando ao labor artístico, após uma parada de dois anos, em que aproveitou para efetuar pesquisas no campo da forma e da cor, o artista plástico baiano Guilherme Figueiredo expõe na Eucatexpo - Galeria de Arte (Av. Sete de Setembro, 285/7 Campo grande), até o dia 22 do corrente.
Sem abandonar, o desenho como base de sua forma expressional, Guilherme Figueiredo apresenta ao público um trabalho essencialmente marcante em termos de conteúdo e forma.
Uma forma expressiva, onde o artista consegue fazer o espectador vibrar com a desestruturação do espaço. Trabalhando a perspectiva com elementos ópticos que, de alguma forma, transmitem as mais diversas sensações no espectador, Figueiredo inova o desenho, a introdução da cor, o que torna o seu trabalho atual vibrante e comunicativo.
Aproveitando o ensejo dessa individual e o espaço físico da Galeria  Eucatexpo, Guilherme Figueiredo mostra a sua mais recente proposta ambiental apresentada ao IV Salão Nacional de Artes Plásticas, após vencer concurso público da Fundação Cultural do Estado da Bahia e que tem o título de O Boi em Simbolismo racional.

FOTOGRAFIA – A Fundação Cultural do Estado da Bahia promove de hoje a 24 de outubro o Curso de Fotografia Sem Câmara, na Biblioteca Central do Estado.O curso será ministrado pela artista plástica carioca Regina Alvarez, que conta com ampla experiência no setor.
As inscrições encontram-se abertas no 3º andar da Biblioteca Central, até hoje, para 15 participantes, que terão 6 horas de aula diária. O curso é dividido em duas partes, uma prática e outra teórica:
Na parte teórica haverá:
Projeção do audiovisual sobre a pré-história da fotografia; primeiras descobertas, diversos tipos de câmara escura; evolução e desenvolvimento de processos fotográficos; os princípios básicos da teoria fotográfica; análise dos métodos e dos elementos básicos da história da fotografia.
Na parte prática: fotografia sem câmara; construção de câmaras com caixas e latas; documentação, registro de imagens do ambiente externo; fotogramas-fotos ao sol; revelação-cópias positivo-negativo; utilização de vários suportes; laboratório; montagem de um portólio e projeção de slides.