sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

A FORÇA DA ARTE POPULAR - 25 DE ABRIL DE 1988


JORNAL A TARDE,SALVADOR,  SEGUNDA-FEIRA, 25 DE ABRIL DE 1988

    A FORÇA DA ARTE POPULAR

Vemos o belos porrões feitos em Xique-Xique e registrados pelo  fotógrafo Carlos Santana
 A arte popular costuma encantar todas as pessoas que têm um pouco de sensibilidade. Primeiro, porque é uma arte que brota espontaneamente, como uma plantinha que teima sair numa rachadura do asfalto. Enfrenta pisotões, calor infernal e todo tipo de maus-tratos, até da vassoura de piaçava, quando, de era em era, lembram-se que as ruas precisam de uma faxina. Assim é geralmente, a arte popular, teimosa. Livre e bela. Explode em locais que às vezes a gente nem imagina que ali tem um artista, encoberto pelo anonimato da pobreza.
Não é o caso evidente, dos oleiros de Maragojipinho.Esses não são anônimos assim, pois sempre estão expondo nas Sextas-Feiras Santas na Feira dos Caxixis, em Nazaré das Farinhas e sempre seus trabalhos são citados em reportagens ou mesmo em alguns estudos acadêmicos. Porém estas bonitas peças não são desta região e sim da beira do Velho Chico, na altura de Xique-Xique. Estavam assim arrumadas numa barca que singrava as águas barrentas do rio da Integração Nacional . Um registro que merece destaque. Portanto, aí estão os porrões, que serão utilizados para armazenar água potável em alguns lares humildes desta pobre Bahia. Aliás, cada vez mais...

      LEONARDO DA VINCI TREMEU NO TÚMULO

A primeira dama do Rio Grande do Sul, Alice Simon Heusef, irmã do governador Pedro Simon, que é viúvo, mandou um telex a Leonardo da Vinci, parabenizando-o por uma mostra de seus trabalhos intitulada Aventura do Gênio Universal-, aberta da Reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Embora o múltiplo artista e notável pensador e inventor italiano tenha morrido há quase 469 anos- mais precisamente a dois de maio de 1519, no Castelo Cloux, perto de Amboise -, a primeira-dama gaúcha lamenta, no telex, não poder atender ao gentil convite para a abertura da sugestiva mostra e formula a Leonardo da Vinci os melhores votos de sucesso.

CHINESES VERÃO UMA MOSTRA DE FIGURAS NUAS

Pequim (UPI)- A Galeria de Arte da China autorizou um grupo de pintores de Pequim a preparar uma grande exibição de nus. A mostra será inaugurada em dezembro,  sem patrocínio oficial.
Durante décadas, o governo comunista proibiu a exibição de nus por considerar a temática um sintoma de decadência ocidental. A repressão atingiu o auge durante a Revolução Cultural, de 1966 a 1976.
Os Gao Brothers são uma dupla de artistas que trabalha em Pequim. Os irmãos Gao Zhen e Gao Qiang são muito ativos em instalações de arte, performances, obras fotográficas e textos teóricos da metade dos anos 1980. Seus trabalhos estão na vanguarda da arte chinesa.
Estamos fazendo esta exibição para tentar abrir ainda mais a nossa sociedade, declarou Wu Xiaochong, professor do Instituto Central de Artes Chinesas e um dos organizadores da mostra.
Com o aprofundamento das artes na China e da abertura política, talvez possamos mudar certas coisas vistas como tabu, acrescentou.
Um porta-voz da Galeria Nacional de Arte em Pequim disse que foi dada a autorização para a mostra, que reunirá 120 óleos, todos de nus, pintado na maioria por sete veteranos artistas, havendo participação ainda de outros menos conhecidos.
Nos últimos anos, o governo tem sido um pouco mais tolerante com as experiências no campo das artes, porém, apenas com relação às atividades não-oficiais, como por exemplo, algumas mostras financiadas por grupos estrangeiros.
A exibição de dezembro, embora sem patrocínio oficial, conta com o respaldo da galeria nacional. A mostra comportará alguns riscos, já que os pintores, fugindo da tradição, não solicitaram aprovação prévia do setor de propaganda, o que constitui um desafio.
Até agora não encontramos oposição e esperamos que o silêncio signifique consentimento, declarou Pengren, professor do Instituto Central de Artes.
Depois de 1976, as academias chinesas começaram a usar modelos nus, embora a autorização do governo só tenha sido em 1984. Assim mesmo, as autoridades não permitiram o uso de modelos fora dos grandes centros como Pequim e Xangai durante campanhas anti ocidente, como a que ocorreu no ano passado.
Hoje, a tendência é de modelos também nas academias no interior do país.
Embora haja uma tradição de nus na pintura chinesa desde o tempo de suas tribos nômades, os pintores tradicionais, na maioria, evitaram o tema. No início do século XX, porém, começaram a surgir trabalhos de nus no estilo ocidental.Recentemente o interesse aumentou com a publicação do livro histórico sobre a arte dos nus, de um pesquisador chinês.

CARLOS ARAÚJO MOSTRA TRABALHOS MAIS RECENTES

São imagens envoltas em nuvens de uma sensualidade longínqua, numa postura contemplativa como que estão escutando as diabruras deste mundo. São fruto de observações do cotidiano que Carlos Araújo vai captando nas ruas, nos elevadores, nos parques, ou seja, em qualquer lugar, em seguida faz a transposição envolvenda-os num clima renascentista.
Estudiosos dos mestres, admirador do gênio de Michelangelo, este artista demonstra de cara que é exigente consigo mesmo. O trabalho é cuidadoso, criterioso, rico em elementos e composição.
O velho Pietro Maria Bardi, do alto de sua sabedoria, escreveu sobre o artista: Considerando a obra de Araújo, lógico pensar nos tempos em que o romantismo libera o artista dos esquemas e das regras tirânicas do neoclassicismo, aspiração as mudanças que o tempo estava inaugurando através do realismo; Nossos ajustamentos morais, idéias de ruptura no horizonte, quebra de convenções, o surgir dos novos elementos.
Já é conhecido do público europeu e americano por seus grandes painéis onde ressalta nos corpos retratadas a grandiosiodade da vida envolta por questões sociais, que tanto atormentam os seres humanos de todos os recantos deste mundo.
Carlos Araújo está lançando seu livro e apresentando suas obras mais recentes no dia 28, no Escritório de Arte da Bahia.
Carlos Araújo nasceu em São Paulo.
Aos 13 anos, autodidata, tem uma obra sua reproduzida em catálogo e inicia o painel Alegria do Carnaval. Dez anos mais tarde é convidado a participar da exposição “Imagens do Brasil”, em Bruxelas e, em 1974, realiza sua primeira individual no Museu de Arte de São Paulo. Já tendo participado da Bienal Ibero-Americana e do Prêmio Internacional de Desenho da Fundação Juan Miró, seus trabalhos estão em vários museus, destacando-se o painel “Anunciação” que encontra-se no Vaticano. Em 1984 foi o vencedor do Prêmio de Pintura da Associação Paulista de Críticos de Arte. Aqui em Salvador, expôs individualmente em 86, no Escritório de Arte da Bahia.

GALERIA DE ARTE FUNCIONA COMO CENTRO 
DE ANIMAÇÃO

Juntamente com a realização do XII Campeonato Brasileiro de Hobie Cat 16, em Praia do Forte, na semana passada, foi inaugurada uma galeria de arte nesse povoado do litoral norte baiano, a 90 quilômetros de Salvador. A sala de exposição tem o nome de Galeria Mar do Wind Club e fica junto ao restaurante do Wind.
A inauguração ocorreu na última quinta-feira, às 21 horas, com realização de desfiles, sorteios e apresentação de Marquinhos Som. A galeria TAM a coordenação do artista plástico Fernando Hughes, que já realizou vários trabalhos em Praia do Forte, principalmente para empreendimentos turísticos, dando um toque especial com seus paineaux na decoração dos apartamentos de hotéis.
Fernando Hughes e o arquiteto Beto Carvalho Mendes estão com uma proposta de integrar a arte a todo o potencial da Praia do Forte, seja no esporte, na preservação da natureza e apoio a artistas locais. A galeria pretende mostrar trabalhos de arte, arquitetura, fotografia, escultura, artesanato etc.
Na exposição de abertura, com trabalhos do próprio Hughes, sob título: A essência do voo, compõe-se mais abstrato, abandonando as formas reais, colocando duas araras, tucanos, gaivotas, vistas de um ângulo novo, bastante colorido e movimento. São trabalhos com toque tropical.