domingo, 24 de fevereiro de 2013

SCLIAR QUER MAIOR ESPAÇO PARA OS JOVENS ARTISTAS - 16 DE NOVEMBRO DE 1981

JORNAL A TARDE,SALVADOR,  16 DE NOVEMBRO DE 1981

SCLIAR QUER MAIOR ESPAÇO PARA OS JOVENS ARTISTAS

Marinha - 2 Barcos, técnica com uso de vinil
e colagem encerado sobre tela
O mestre Carlos Scliar está na praça, mais precisamente na Galeria Época, no Rio Vermelho, mostrando alguns de seus trabalhos feitos em Cabo Frio. Continua defendendo suas idéias e gritando alto contra a marginalização a que são relegadas as artes e a cultura neste país das contradições. No Brasil a arte e a cultura são setores marginalizados. São casos de Polícia. A mentalidade é tão atrasada que, no geral, o que se refere a arte é considerado algo não essencial para a nação. Dentro deste raciocínio de Scliar é possível que o guru (?) Delfim Neto resolva também taxar a arte e a cultura como supérfluos.
Até o próximo dia 25 você tem oportunidade de ver as telas de Scliar onde ele mostra a perfeição das cores, suas transparências, composições fantásticas e acima de tudo a coerência com a sua própria existência. Revela ainda Scliar que tem um consolo. Os políticos e suas promessas são como trens nas estações de metrôs. Eles passam, e a obra de arte permanece viva. É por isto que acha inteligentes os governantes que dão apoio integral ás atividades culturais.

VINCULAÇÃO À BAHIA

Scliar confessa um grande vinculação com o estado. Lembrou sua amizade com Jorge Amado, com quem, em 1941, veio para o sul da Bahia, onde em Pontal do Sul, na fazenda do pai do escritor, realizou durante meses um trabalho que foi essencial por mim, principalmente para a minha gravura, que se iniciou no ano seguinte em São Paulo: Os  primeiros temas que gravei em São Paulo, em 1942, foram temas realizados na Bahia.
Disse que em 49, quando ilustrou em Paris o livro Seara Vermelha, utilizou muito a experiência vivida no sul da Bahia.
Em 73, visitando, novamente com Jorge Amado e Zélia, Porto Seguro e Cabrália, me apaixonei pelas cidades e, envolvido que estava em fazer painéis, pensei em transformar essa impressão num trabalho que se consolidou no convite do governador Antônio Carlos Magalhães para a confecção de dois painéis sobre essa cidade, no prédio do IAPSEB, no Centro Administrativo da Bahia.

ESPAÇO AOS JOVENS

 Apesar de considerar válida a Bienal, Scliar acha que ela não resolve a situação dos artistas mais jovens. Falando sobre as bienais, e particularmente da Bienal Internacional de São Paulo, Carlos Scliar disse que foram uma forma encontrada para dar aos jovens a sensação de que eles existem, que são importantes e que ocupam um espaço determinado na arte atual.
Sou favorável, disse, não só às bienais, mas a todos os espaços que permitam aos jovens mostrar os seus trabalhos e suas idéias. Salientou, entretanto, que a sobrevivência profissional é uma conquista e que a atividade de todos os artistas, quaisquer que sejam as suas tendências, valem e ajudam nessa afirmação.
Carlos Scliar nasceu em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, a 21 de junho de 1920, e iniciou em 1931 as suas primeiras atividades artísticas como colaborador de jornais. Participou pela primeira vez de uma coletiva em 1935 e desde então não mais parou. Um fato, no entanto, segundo faz questão de frisar, teve uma importância capital para a sua obra: a convocação para a FEB e os combates na Itália, que fizeram a sua arte, até então social passar a humanística, valorizando sobretudo o homem e suas realizações.
Depois de um intenso trabalho, segundo ele próprio afirma, e de comum acordo com as entidades patrocinadoras, Scliar decidiu concentrar todas as suas exposições no mês de novembro.
Assim, além da exposição de pintura em Salvador, iniciará no dia 17, em Porto Alegre, outra de pintura; no dia 20 uma de gravura no Museu das gravuras Brasileiras, em Bajé, no dia 23 uma retrospectiva de gravura na Universidade Federal de Santa Maria, cidade em que nasci e volto agora. No dia 27 encerrará a temporada com a abertura de uma exposição de pinturas, em Recife.

O PENSAMENTO DE SCLIAR

"Gostaria de mostrar em cada obra que faço, qualquer que seja o tema, minha concepção do mundo.
Tento mostrá-la através das coisas que me rodeiam e que me parecem significantes, seja um fruto, uma flor ou um objeto feito pela mão do homem.
Uso tudo que aprendi: as formas, as cores, sua organização no espaço, os textos, as colagens...
Nessa minha tentativa de comunicação procuro passar adiante o que me parece essencial termos consciência de que o mundo pode ser belo e habitável para todos os homens.
Assistimos, no entanto, a cobiça, a gana e a loucura de alguns, na defesa de seus interesses, transformarem o mundo rápida e cientificamente num cemitério.
Queremos crer que a inteligência e sensatez dos homens devam predominar.
Na medida em que não lutamos contra isso somos coniventes e nos colocamos na escala animal, como o mais estúpido; o único que vem sistematicamente destruindo seu habitat.
A todo o instante tenho consciência do que está acontecendo e desejaria, com minhas obras, gestos e palavras, atuar sobre os homens.
Gostaria de poder sensibilizá-los, fazer de seus olhos instrumentos inteligentes que saibam ver, pensar e agir na defesa do que é belo e essencial para todos.
São precários nossos meios e pretensiosas nossas intenções, e inúmeros os caminhos, mas penso que todos os meios servem, até este catálogo, para discutirmos o que nos parece mais importante.
Minha crença nos valores fundamentais da humanidade faz de mim um elo, ainda que precário, com tudo o que foi e que será. Tento fazer do ato de criar um instante de inteligência e de amor ao homem." Carlos Scliar. Ouro Preto, outubro de 1981.

BICO DE PENA- O artista plástico Edmundo M. P. expõe suas mais novas criações em bico de pena, até 24 deste mês, no hall da Biblioteca Central, Barris. Baiano, Edmundo já desenvolve a arte em bico de pena há alguns anos, já tendo mostrado seus trabalhos ao público no Gabinete Português de Leitura e Aliança Francesa. Promoção da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

ESCOLA DE ARTE- A partir do próximo ano, funcionará em Salvador a primeira escola infantil com toda a sua infra-estrutura educacional voltada para as artes. Trata-se da Escola Nova, com sede na Rua Amazonas, 1316, Pituba, onde uma equipe de professores especializados em educação infantil, tentará desenvolver um método de ensino pedagogicamente novo, uma das razões do nome da escola. As crianças, quer do material à 4ª série, terão como base para a aprendizagem, o contato direto com todas as formas de arte.

PINTURA REAL- O Príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth, mostra pinturas de sua autoria para promover as vendas de uma obra beneficente, anunciou o prefeito de Londres.
Poucos pintores amadores teriam a coragem de expor 36 de suas obras ao exame intenso de cada polegada quadrada, disse um funcionário da empresa de leilões Sotheby. É muita coragem , especialmente considerando a proeminência do pintor, acrescentou. O príncipe Philips não colocará á venda os seus quadros, na maioria paisagens, mas espera atrair com eles maior interesse para um leilão de obras de arte destinado a angariar fundo para o seu programa de treinamento de Liderança Juvenil.
O prefeito de Londres, sir Ronald Gardner-Thorpe colocou seis dos quadros do príncipe à mostra. A Sotheby exigirá todos os 36 de 18 a 23 de novembro.
Gardner-Thorpe disse que o príncipe Philip é uma mistura de Gauguin e Laminck, enquanto que um especialista perito em arte da Sotheby afirmou que o que mais se nota é o seu senso de cor.

AIKO EM FEIRA- A artista plástica Iracy Aiko Watanabe vai inaugurar a sua primeira exposição individual no próximo dia 21 de novembro de 1981 no Museu Regional de Feira de Santana. Aiko vai mostrar suas últimas criações em desenho a nanquim, óleo sobre tela e tapeçaria, retratando elementos característicos da cultura japonesa e baiana. Esta será a primeira exposição individual de Aiko, mas seus trabalhos já são conhecidos tanto em Feira de Santana como em Salvador, onde já participou de várias exposições coletivas.
Sua primeira mostra aconteceu justamente no Museu Regional, onde participou de uma exposição juntamente com outros artistas integrantes do projeto Bolsa Arte, em convênio com o Ministério da Educação e Cultura e Universidade Estadual de Feira de Santana.

MUSEU GERALD FORD - Uma festiva cerimônia, que contou com a presença de altas personalidades norte-americanas e estrangeiras, marcou recentemente a inauguração do Museu Gerald Ford, em Grand Rapids, Michingan, EUA. A  nova e moderna edificação, com dois pavimentos, abriga, entre outros aspectos interessantes, uma réplica perfeita do Salão Oval da Casa Branca, bem como objetos, documentos e fotos relativos ao período do governo do Presidente Ford (1974-1977). Na foto, no instante em que era entoado o Hino nacional dos EUA, são vistos, a partir da esquerda: o primeiro-ministro do Japão, Zenko Suzuki; o ex-presidente da França, Valery Giscard d’Estaing ; o primeiro ministro do Canadá, Pierre Elliot Trudeau; o presidente do México, José Lopez Portillo; a Sra George Bush; a Sra. Nancy Reagan, a Sra. Betty Ford, o presidente dos EUA, Ronald Reagan, o ex-presidente Gerald Ford e o Sr. John Sheperd, organizador da cerimônia inaugural.

UNIVERSITÁTIOS PREMIADOS - O júri que selecionou os participantes do VI Salão Nacional Universitário e premiou os 10 melhores trabalhos foi integrado por quatro artistas e um jornalista residentes em Porto Alegre: o escultor Francisco Stockinger, os pintores Paulo Porcella, Carlos José Pasquetti e Rubens Cabral (os dois últimos, do Instituto Nacional de Artes Plásticas-INAP da Funarte) e o jornalista Décio Presser.
Eis a relação das obras premiadas: Pintura: Detalhes de Interiores, de Jorge Luiz Sampaio Duarte (RJ);Litorafia: Encontros dos Gatos Ei, de Rogéria Moreira de Ipanema (RJ) e Sem título 10/15, de Suzana Queiroga (RJ). Desenho: Descaso do Modelo, de Teresa Cavalcanti (RJ); O Cláudio Otto Nei e o Tio Negro, de Jailton Marengo Moreira (RS); Mandala 72, 73 e 76- Conjunto de Emanuel Rubim (SP); Guerreiro III, de Paulo Fernando Campinho de Carvalho (RJ) e Margot e D. Fernando,  de Vicente Martinez Barrios (DF). Escultura: Comendo Bananas, Conjunto de Miriam Massaro (MG). O Prêmio de Inovação Técnica foi concedido a Diva Helena Picardo, de Minas Gerais, que concorreu com um desenho gravura em papel artesanal intitulado Posta-Restante das Gerais II.