domingo, 10 de fevereiro de 2013

AS MARIAS - FUMAÇAS DE ALMIRO BORGES - 24 DE OUTUBRO DE 1988.


JORNAL A TARDE,SALVADOR, SEGUNDA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 1988.

           AS MARIAS-FUMAÇAS DE ALMIRO BORGES

Com os olhos voltados para o passado, Almiro Borges teima em colocar nos trilhões as velhas e saudosas marias-fumaças que percorriam as terras áridas do sertão baiano, deixando para trás um rastro de cinza, saindo das chaminés. O apoio era inconfundível e servia para chamar a atenção da molecada, dos aposentados e de outras pessoas que dispunham de tempo para ver quem estava chegando ou saindo para a capital. Era o tempo do Pirulito, que fazia o percurso entre Alagoinhas e Bonfim, do Mochila, que ligava Alagoinhas a Aramari, ainda existia o Operário e, depois, foi o tempo do Martha Rocha, bem mais confortável, e que já usava a energia para andar por cima dos trilhos.
O Almiro Borges, morador de Alagoinhas,acostumou-se com o barulho das marias-fumaças e com o apito rouco que tanta gente atraía. E isto ocorreu nas décadas de 40 e 50 e ele tem certeza que elas eram bem mais eficientes que os ônibus que as substituem. Para relembrar está época ele vai montar uma exposição, a partir do próximo dia 8 de novembro, quando mostrará 20 telas, todas de marias-fumaças e as pessoas que nelas ganhavam com tanta alegria. A exposição será aberta no dia 8, às 20 horas, no Centro de Cultura de Alagoinhas, abrindo ali uma série de exposições. Ele faz questão de registrar o apoio que vem recebendo do Secretário de Cultura, Carlos Capinan, e do prefeito de Alagoinhas, Judélio Carmo.

SAEM ESTA SEMANA PRÊMIOS DO SALÃO UNIVERSITÁRIO DE ARTES VISUAIS

SUAV - SALÃO UNIVERSITÁRIO DE ARTES VISUAIS
Ainda esta semana serão conhecidos os vencedores do Salão Universitário de Artes Visuais-SUAV, promovido pela Universidade Federal da Bahia e organizado pelo professor da Escola de Belas Artes, Ivo Vellame. Estão inscritos mais de 100 artistas universitários, cada um com três obras, o que demonstra a importância dada ao Salão e mais uma vez a afirmação de que salões são importantes para desenvolver e incentivar o mercado de arte e revelar novos valores.
Também já foi definido o júri que se encarregará da seleção e premiação dos artistas: Reynivaldo Brito, Juarez Paraíso, César Romero, Juracy Dórea e Ivo Vellame. O Salão deverá ser aberto no dia 8 de novembro no Foyer do Teatro Castro Alves.
Quando escrevo sobre os salões promovidos por Ivo Vellame me vem à mente a figura singular do professor Clarival Prado Valadares, que com a sua sabedoria contribuía para a maior grandeza dos eventos. O que ficou gravado realmente foi s sua simplicidade com que examinava as obras de artistas que iniciavam seus primeiros passos em busca de um reconhecimento. O mestre Clarival, que conhecia tão bem como um verdadeiro estudioso da arte brasileira, se prendia a detalhe e a defender seus pontos de vista. Esperamos, que inspirados no mestre, possamos julgar as obras, como já procuramos fazer, com muita serenidade e imparcialidade.

         CARMEM PENIDO NA PENSYLVÂNIA

A artista Carmem Penido vai expor seus trabalhos na Muse Gallery de Filadélfia, na Pensylvânia sob o patrocínio dos Companheiros das Américas, Comitê Bahia, e USIA- Unite States Information Agency. A exposição incluirá também os trabalhos de Maria Adair, Jussara e Yedamaria.
Camem Penido também fará palestras sobre a arte contemporânea na Bahia. A exposição será aberta no dia 4 de novembro e se estenderá até o dia 10. Ao examinar uma obra de Carmem notamos uma evolução em relação á temática Álbum de Família. É um trabalho quase com um enquadramento fotográfico, só que agora está apresentando uma textura mais densa com uso de tinta acrílica e uma presença de movimentos. Antes, suas figuras pareciam posar para o clic de uma máquina fotográfica e, agora, estão sendo invisível da artista. Assim estão mais soltas, mais á vontade porque o elemento movimento se fez presente. Também surgiram outras cores, em vez do preto e branco de antes, vieram o azul, a magenta e o verde. Suas telas aumentaram de tamanho porque a artista sentiu a necessidade de mais espaço para expressar-se e com isto as figuras ganharam mais leveza. Acredito mesmo que esta disposição aliada ao talento de Carmem Penido vão determinar uma obra madura, dentro de alguns anos.

TERMINA HOJE EXPOSIÇÃO DE RENER NA 
GALERIA DO ALUNO

O artista Rener expõe hoje na Galeria do Aluno, da Escola de Belas-Artes, os seus últimos trabalhos. Ele está cursando o segundo ano de Artes Plásticas e há algum tempo que vem trabalhando com nanquim sobre papel, onde demonstra um desenho com certa criatividade e movimentos precisos. Sua exposição intitulada Arame Farpado tem um forte apelo porque nos transporta à falta de liberdade e a outras atrocidades que aconteceram ou estão acontecendo por este mundo afora. Na ocasião da abertura da mostra a banda instrumental Modus Operandi deu um show w foi muito aplaudida.
Com tamanhos médios de 70x60 cm, os 12 trabalhos tem como tema o homem dos nossos dias, entremeado de problemas, êxtases e doses extremados. A representação de tal cenário, longe de ser uma mostra de vícios e expiações humanas, é feito pelo artista com grande dramaticidade, especialmente, quando lança mão do seu traço trêmulo e dos contrastes de preto e branco, transformando personagens, às vezes quase estáticos, em seres explosivos. A propósito, essa relação artista realidade atual, e o seu resultado é a responsável pelo título. “Arame Farpado”, mais passivo de captação intuitiva do que intelectual. Arame farpado surge como símbolo dessa relação por ser algo que arranha, fere enfiam, marca, diz Rener.