sábado, 23 de fevereiro de 2013

ESPAÇO PARA A ARTE - 14 DE DEZEMBRO DE 1981

JORNAL A TARDE, SALVADOR,  14 DE DEZEMBRO DE 1981

                 ESPAÇO PARA A ARTE

Não existe em Salvador um local determinado para que os artistas exponham seus trabalhos. Tenho observado nas viagens empreendidas a outras capitais e até mesmo ao exterior a preocupação das autoridades municipais de abrir espaços para os artistas. Assim a obra de arte é mostrada em espaços públicos e o artista tem contato direto com seu próprio público.
Em San Francisco, na Califórnia, são dezenas de artistas que vendem suas obras e ficam pintando ou esculpindo em frente e possíveis compradores. No Rio de Janeiro, a Rua Bittencourt da Silva, em frente a estação do Metrô, no Largo da Carioca, passou a ser a Rua do Pintor nº2, pois a Rua do Pintor nº1 fica numa transversal entre a Rua do México e a Avenida Rio Branco, além da Praça da Bandeira. Aqui, o que existe é o Terreiro de Jesus, um local bonito e que podia ser apropriado, mas infelizmente está ilhado e cercado pela marginalidade. Muitos artistas que no início da feira do artesanato colocavam suas obras lá, desistiram pela falta de policiamento. Hoje, o que vemos é somente artesanato e muita bugiganga que não deveria estar ali exposta.
Devido a impraticabilidade do Terreiro de Jesus seria o caso do Departamento Cultural da Prefeitura, e a Bahiatursa pensarem em criar um espaço destinado a exposição de trabalhos e com isto estariam promovendo a arte e educando o povo. A informação chegaria mais de perto ao público com a simples exibição e mesmo com a possibilidade de assistir um artista pintar ou esculpir. Os preços seriam acessíveis e assim muita gente de classe média poderia colocar em sua residência uma obra de arte. Seria a democratização da obra de arte, que na maioria das vezes sempre é elitizada. Vamos também chamar a atenção da Associação dos Artistas Plásticos para não apenas cuidar dos projetos oficiais ou defesa de concursos, mas também lutar por abertura deste espaço. Os jovens e pobres artistas seriam os mais beneficiados.
Sempre estímulo o mercado de arte e dou força às galerias, mas é preciso salientar que custa caro moldurar quadros, imprimir convites e oferecer um coquetel. Somente artistas de algum recurso financeiro são capazes de realizar exposição em galeria. Os pobres ficam a mercê de espaços em locais onde não são cobradas taxas, e são poucos, e na maioria das vezes com inconveniência de horários e acesso.
Poderia ser escolhida uma transversal da Avenida sete, por exemplo, o beco da Maria Paz ou mesmo aquele defronte ao Banco Econômico em São Pedro ou mesmo a Praça da Piedade e assim por diante. Caberia aos órgãos estaduais e municipais através de seus representantes estudar a possibilidade de espaço para a arte. Isto é inclusive obrigação do poder público, porque assim estaria ajudando a cultura, aos artistas e a própria comunidade.
Lembro o caso dos cordelistas que hoje estão instalados numa barraca em frente ao Mercado Modelo. Foi uma providência acertada do então prefeito Mário Kertész. Eu mesmo já fui algumas vezes comprar livros de cordel e levar visitantes para assistir os cantadores, que quase todas as tardes aparecem por lá com suas violas.
Este espaço que reivindico para os artistas seria, sem dúvida, mais uma atração para os turistas que nos visitam e principalmente para os baianos que precisam incentivar o nosso mercado de arte. Fica aí a sugestão para ser discutida, analisada e certamente daí poderá surgir uma solução mais acertada e definitiva. Com a Palavra a Prefeitura, Bahiatursa e os artistas baianos.

                      ADÃO E EVA DE A. PITTALUGA

A escultora A. Pittaluga, em Nova Iorque, com as peças Adão e Eva, em bronze, que virão para o Brasil, onde completarão a decoração da sala de jantar de Glorinha e Moacyr Gomes de Almeida.
A escultora é esposa do ministro Carlos Bueno, representante do Brasil junto ás Nações Unidas.
A.Pittaluga, que desenhava e pintava há muitos anos, estudou desenho e pintura no Art Students League, mas é autodidata em sua escultura.

   AS FOTOS DE JORGE  AMADO FEITAS POR ZÉLIA

Zélia selecionando as fotos que vai expor
Ninguém melhor do que Zélia para fotografar Jorge Amado. Normalmente quando um fotógrafo aciona a máquina para fotografá-lo ele fica sério e tenso. Já presenciei esta cena algumas vezes. Porém, Zélia na intimidade do lar consegue flagrar o escritor dentro de um clima de total espontaneidade. Agora as fotos de Zélia, algumas já foram até publicadas em jornais e revistas nacionais e estrangeiras estão expostas no Shopping Center Iguatemi, na Praça Jorge Amado. São 120 fotos e a maioria históricas porque documenta o maior escritor vivo deste País com personalidades as mais importantes de todo mundo, além de sua intimidade.
Uma exposição que merece ser vista porque é fruto da visão de uma pessoa que conhece de perto a intimidade do escritor.
Nenhum profissional, pois mais gabaritado que seja, conseguirá penetrar como Zélia na vida e no sentimento de Jorge. Portanto, além da qualidade e da t´pecnica apurada suas fotos revela algo mais.

          O NATAL DA ARTISTA  YEDAMARIA

Estive na Oficina de Artes do Museu de Arte Moderna e lá encontrei a artista e professora da Escola de Belas Artes Yedamaria fazendo gravuras. Ela mesma tirando suas cópias num trabalho moroso e cansativa. Fiquei impressionado com a qualidade de algumas gravuras que cheguei a examinar. Na realidade não é novidade porque Yedamaria é uma das boas artistas que trabalha em Salvador. As gravuras que criou integram 15 albuns que pretende vender a CR$20 mil cada. Assim quem deseja dar um bom presente de Natal deve procurá-la na Escola de Belas Artes, porque, quem o receber nunca mais esquecerá o presente. São apenas 15 álbuns cada um com seis gravuras, com quatro impressões. São gravuras em metal que apresentam um colorido forte onde Yedamaria concebeu seus peixes, frutas e flores. A natureza é a fonte maior de sua inspiração. Ela utilizou a técnica chamada cologate ou seja, trabalhou com uma matriz feita de papelão e tecido e uma cola especial, com isto conseguiu uma impressão de alto nível.

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA- Os alunos dos professores Odete Valente e Roberval Marinho dos cursos de pintura e técnicas diversas, oficina de expressão plástica e desenho estão mostrando seus trabalhos como resultado do aprendizado do ano letivo que ora finda. A mostra está na Galeria Cañizares e reúne obras de Alda Senna, Augusto César Morais, Cristiana Maria Freitas, Edith Bruni, Hélio Valois, Francisco Feliz, Isabel Lerner, José Nascimento (Nay), Júlio César Pinheiro, Maria Du Ó Kessin, Neilton Silva, Nilda Lopes Maira, Tânia Mara de Oliveira, Yone Nerila, Antônia Bastos Costa, Débora Judith Arber, Leana Silveira do Amaral, Maurício dos Santos Virgens, Silvana Regina de Alcântara, Antônio Carneiro, Antônio Pires, Carla Almeida, Cláudio Palmeira, Denni Oliveira, Iris Jane, Jailton Said, Júlio César Peixoto, Suzana Simões, Tela Souza, Telma D’ Alexandria Rodrigues e Zelita Rodrigues. Na foto o jovem estudante Nay

LICURGO- Participa da exposição coletiva da Panorama Galeria de Arte o artista baiano Licurgo. Ele pinta desde 1973 e declara que atualmente está preocupado com os problemas que afligem nosso povo. Está preparando algumas obras para uma individual que fará e cujo título já escolheu Descriminação e Sociedade.

ROBERTO MIGUEL- Está expondo no Centro de Artes da Bahia, na Rua Santa Rita de Cássia, 12, no bairro da Graça. A exposição de Roberto Miguel é de desenhos e gravuras.

MARY JANE- A temática da artista nos é bastante familiar. São os santos que habitam as igrejas católicas.
Considero ousadia de um artista contemporâneo voltar a esta temática já desgastada e explorada em muitas concepções plásticas. Mas como a criatividade humana não tem limites aí está a nossa Mary Jane perturbando o sono dos deuses, ousando com o samba de nossas festas de largo, como diz Nélson Cerqueira. A exposição de Mary Jane será aberta ao público no dia 15, no Museu de Arte Moderna, permanecendo até o dia 4 de janeiro de 1982.


DIRIGENTES DE BIENAIS- A Fundação Bienal de São Paulo promoveu nos dias 10 a 12 passados em sua sede, no Parque Ibirapuera, um encontro ao qual estiveram presentes os responsáveis pelas principais manifestações internacionais de arte.
Luigi Carluccio, diretor do Setor de Artes Visuais da Bienal de Veneza, Goerges Boudaille, delegado geral da Bienal de Paris; Rudi Fucks, organizador da Documenta 7, de Kassel e, Oscar Mejia, diretor da Bienal de Medelín.
Representou a Bienal de São Paulo, o curador geral da XVI Bienal, Walter Zanini. Pela Bienal de Sidnei, veio o seu diretor, Bill Wright. O encontro- congregando pela primeira vez as entidades-objetivou permitir uma maior aproximação entre elas, quando houve um largo confronto de idéias sobre a orientação e os métodos observados em suas respectivas organizações, assim como a definição de um possível intercâmbio técnico científico que possa resultar em proveito para todos, e trazer subsídios para o planejamento das futuras bienais de São Paulo. As reuniões foram em caráter técnico e reservadas, à execução da última, para a qual convidaram interessados.

ESPERANDO A COPA- É O tema do próximo Carnaval, conforme Regulamento assinado pelo secretário de Educação, Antônio Fábio Dantas, logo depois de o prefeito Renan Baleeiro assinar decreto instituindo o Concurso para Ornamentação do Carnaval de Salvador. estabelece o Regulamento, que a critério da administração municipal, o vencedor do concurso será premiado com 200 mil cruzeiros  e poderá ser o executor do projeto, caso comprove capacidade técnica que o habilite. O projeto inclui a iluminação. Poderão inscrever-se, individualmente ou em equipe, pessoas ou empresas especializadas, residentes ou sediadas na Bahia. Os interessados podem obter cópia do Regulamento no Departamento de Esporte e Animação Urbana.

DESTAQUE HILTON- No Teatro Castro Alves estão expondo dez dos maiores gravadores brasileiros que compõem a exposição Destaque Hilton de Gravura, que desde setembro vem percorrendo diversas capitais brasileiras. Projeto cultural patrocinado pela Companhia Souza Cruz, com o apoio da Funarte, o Destaque Hilton foi criado no ano passado-premiando pintores brasileiros com o objetivo de difundir as artes plásticas brasileiras, estimular o artista e enriquecer os acervos de nossos museus. Assim, o projeto vem procurando desenvolver uma política de estímulo ás artes plásticas, através do patrocínio da empresa privada. Apontado por uma comissão especial de críticos, historiadores de artes, artistas plásticos foram considerados os gravadores que mais contribuíram e se destacaram na gravura brasileira contemporânea, Arthur Piza (SP), Anna Letycia (RJ), Dionísio Del santo (RJ) Evandro Jardim(SP), Fayaga Ostrower (RJ) Franz Krajcberg (RJ), Gilvan Samico (PE), Lívio Abramo (SP), Lótus Lobo (MG) e Marcelo Grassmann (SP).
Na foto obra de Fayga Ostrower.