quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

I ENCONTRO DE ARTISTAS PLÁSTICOS DO NORDESTE -10 DE AGOSTO DE 1981


JORNAL A TARDE,SALVADOR,   10 DE AGOSTO DE 1981

I ENCONTRO DE ARTISTAS PLÁSTICOS DO NORDESTE

Estão abertas no Museu de Arte Moderna da Bahia, Solar do Unhão, as inscrições para o I Encontro de Artistas Plásticos do Nordeste; que se realiza de 25 a 27 deste, no MAMB. O Encontro tem como objetivo discutir as principais questões das Artes Visuais e a integração entre os artistas do Nordeste.
Estarão participando do evento artistas de toda a região, além dos delegados do MEC em cada estado e diretores de projetos da Funarte, ligados às Artes Plásticas.
O tema básico do encontro é a problemática da Centralização e Descentralização do Mercado da Arte, uma visão crítica do sistema de produção, distribuição e circulação da arte no Brasil.
Além desse serão discutidos mais dois outros temas:
Estratégias para viabilização de novas manifestações artísticas, onde serão propostos vários subtemas, e o problema da Categoria do Ensino das Artes Plásticas no Nordeste. Esses dois temas deverão ser enriquecidos com subtemas provenientes das sugestões que cada estado apresentará. Para um melhor enriquecimento dos debates, todos os  participantes poderão contribuir com sugestões, o que deverá ser feito juntamente com as inscrições.
As pessoas interessadas, nos assuntos e problemáticas que envolvem as Artes Plásticas, estão convidadas a participar do encontro. Para isso deverão dirigir-se ao Museu de Arte Moderna, que fica situado na Avenida do Contorno s/n, no Solar do Unhão, no horário das 9 às 12 e das 14h30min às 17.

SÉRGIO RABINOVITZ FOI PREMIADO EM CURITIBA

Sérgio numa foto de Mário Cravo Neto em seu atelier
Sérgio Rabinovitz, artista plástico baiano, foi um dos vencedores da 3ª Mostra do Desenho Brasileiro, realizado pela Secretaria da Cultura e do Esporte do Estado do Paraná, que tem por finalidade apresentar a obra dos mais destacados desenhistas brasileiros, numa visão panorâmica e documental das atuais tendências do Desenho no país.
Vindo de duas exposições com bastante sucesso de crítica e público, Museu de Arte do Estado da Bahia/1980 e Galeria Paulo Figueiredo/1981, São Paulo, Sérgio iniciou a sua criação autodidaticamente em gravura, estimulado pelo gravador Calasans Neto. Nos primeiros anos da década de setenta passou a trabalhar no atelier do escultor Mário Cravo Jr., fazendo uso de equipamentos ali existentes para a prática da gravura.
Durante este período, veio a desenvolver um extenso material em xilogravura, que conseguem despertar grande interesse local e vem a lhe valer a nomeação para uma bolsa de estudos em arte, nos Estados Unidos, patrocinada pelo Instituto Internacional de Educação de Educação e Comissão Fulbight.
Desta viagem para os Estados Unidos em 1975, estuda na Universidade de Wesleyan, em Connecticut, e na Cooper Union Art School de Nova Iorque, onde gradua-se bacharel em Artes Plásticas. Sua residência, em Nova Iorque, vai até 1979, mantendo intensa atividade criativa e profissional, além de prosseguir suas pesquisas nas mais diversas maneiras de gravura, desenvolvendo extensamente seu vocabulário gestual em desenho e pintura, o que desde então constituem-se os seus principais meios de expressão.

UMA CARTA DE PRINCÍPIOS EM FAVOR DA CULTURA
DA BAHIA

Recebi nova correspondência de Célia Martins de Azevedo dando conta de sua luta pela arte baiana. Fico contente em saber que outras pessoas começam a incentivá-la para que continue trabalhando e ela me envia a carta de princípios em favor da cultura baiana, a qual transcrevo na íntegra para que as pessoas envolvidas com a problemática da arte, em nossa terra, discutam e analisem esta carta que pode ser um ponto de partida para outras discussões. É preciso apoiar a Célia para que possamos discutir abertamente todas as manifestações que estão em nossa volta para que consigamos um resultado que engrandeça a nossa arte. Eis o documento:

CARTA DE PRINCÍPIOS EM FAVOR DA CULTURA BAIANA
(Destinada à todos aqueles que de algum modo participam do processo cultural em nosso meio)

PRESSUPOSTOS TEÓRICOS
1-     A cultura, conjunto de bens culturais de um país, expressão de toda uma sociedade, deverá estar voltada para o estímulo da comunidade e para a incorporação da diversidade regional do país, e como tal, para a Cultura enquanto vivência e não como instrumento de estocagem de conhecimento (interação Arte e Comunidade).
2-     Por serem todos componentes sociais participantes da Cultura, esta deveria alcançar toda a realidade brasileira, contribuindo para evitar a defasagem da informação que mal-distribuída, desinforma a realidade assim como a cristalização dos círculos viciosos e os desníveis regionais, as chamadas ilhas culturais. (Estudos quanto a evolução futura das atividades artísticas nas regiões que não são núcleos de concentração espontânea).
3-     Que o estado possibilite condições para que a Cultura se desenvolva fomentando seu desenvolvimento sem que a aplicação desses recursos geram paternalismo ou dirigismo cultural, pois a Cultura, sinônimo de liberdade,  a ela deverá ser reconhecida a autonomia do fenômeno cultural já que sendo anterior ao estado é o elemento formador de  nacionalidade.

ANÁLISE DA REALIDADE
1-     Dois aspectos devem ser preliminarmente focalizados e levados em consideração, a estrutura social do país, isto é, sua estrutura sócio-econômica e que a sociedade se articula em formas regionais extremamente diferenciadas. A partir de uma estrutura global, nacional e local, a arte brasileira demonstra na capacidade de consumir sem digerir, estruturas tecnológicas inteiras. A causa: uma industrialização importada e não planificada, uma arte que adotara as sequências bastardas legadas pelos grandes centros civilizatórios em escandaloso anacronismo com a realidade vigente, um design indiferente a cristalização dos círculos viciosos de nossa economia e uma crítica que vive a perplexidade da dualidade do desafio e recusa do julgamento estético além de uma vanguarda institucionalizada como academia e seus artistas aburguesados mesmo por que, consumidos pelo Mercado de Arte.
2-     Uma informação visual defasada em relação ao que se processa em outros Estados, fragmentação da pesquisa, o isolamento do artista em relação aos seus colegas.
3-     A inexistência, na Bahia, de documentação relacionada com a Arte Brasileira Pós-Moderna (não catalogada) que venha satisfazer aos anseios dos artistas, historiadores e as pesquisas de estudiosos pois o acervo que temos limita-se apenas a jornais e catálogos além da defasagem dos próprios currículos e publicações sobre arte com a realidade nacional.
4-     Relacionamento povo/cultura. Democratização e interiorização do fato cultural.

PROPOSIÇÕES
1-     Um diálogo maior entre Poder Constituído e a comunidade cultural.
2-     Quanto as áreas, que estas sejam selecionadas e definidas gradativamente principalmente aquelas de concentração espontânea mas que encontram-se desativadas na área experimental (reorganização do espaço estadual situando- a partir de uma coesão com ás áreas de produção artística de tendência centralizadora.
3-     Canais de comunicações alternativos. Estímulo de novos meios expressionais com o objetivo de um maior aprofundamento dos valores culturais de cada região.
4-     Planejamento integrado do seu desenvolvimento, definição das linhas de ação específica para cada caso e os objetivos programáticos cujas diretrizes serão analisadas em relação á obra segundo os valores éticos, políticos, econômicos e sociais (segundo a cultura estudada), consolidados por outros programas de apoio.
5-     É essa conjuntura que vai marcar e definir a linha de ação, os objetivos programáticos consubstanciados nas seguintes diretrizes: seleção das áreas representativas da arte brasileira de produção sistemática e estratégia de desenvolvimento social no sentido de fomentar uma filosofia de transformação social (pedagogia da criatividade). Ação específica em função da possibilidade de seu desenvolvimento.


RAÍZES- A Época Galeria de Arte, Rua João Gomes 246, Rio Vermelho e o marchand Luiz Caetano Queiroz vão homenagear o grupo Raízes que teve, enquanto viveu, a liderança de Heitor dos Prazeres, com uma exposição no dia 13 do corrente naquela galeria.
Trata-se, na verdade, de uma homenagem a uma das mais autênticas figuras da música popular brasileira e da pintura primitiva, Heitor dos Prazeres, ressaltando por esse modo sua valorosa contribuição à cultura popular do nosso país.
Além de 12 quadros inéditos do artista, que nunca foram mostrados ao público, por pertencerem ao acervo da família, a mostra inclui ainda obras dos integrantes do Grupo Raízes, Heitor dos Prazeres Filho, Roberto Oswaldo, Vidal e Gildemberg, que apesar do nome é um baiano de Itabuna há tempos radicado no Rio.

DEODATO- O Cavalete Galeria de Arte do Clube Bahiano de Tênis está promovendo até o dia 17 do corrente a exposição de esculturas sacras e vitrais do artista Deodato.

DIPLOMATA E PINTOR- O embaixador da Áustria na Argentina, Gerhard Gmoser, apresentou, recentemente, em Buenos Aires 20 trabalhos com vigorosas e fluentes pinceladas. Ele pinta paisagens da Argentina, Uruguai e da Bolívia, que, nas suas cores luminosas, apresentam uma impressionante frescura e uma claridade diáfana. A concepção e o tratamento dos motivos escolhidos provam a sua elevada qualidade artística. O pintor consegue reproduzir, duma maneira fascinante e plena de realidade, esses cenários sul-americanos.

CARLÍNIO- De 14 a 27/8/81, o jovem artista baiano Carlínio estará expondo na Eucatexpo Galeria de Arte (Av. Sete de Setembro, 285- Edf. Sândalo,Campo Grande), apresentando ao público a sua Coleção Pindorama, fruto de mais de seis meses de pesquisas sobre os primórdios da civilização brasileira, suas gentes, suas crenças, suas lendas, seus símbolos, agora trazidos ao público através da visão e do sentimento estético de Carlínio.
A Coleção Pindorama é composta de trinta trabalhos em técnica-mista (pastel-seco-nanquim-vernizes) e traz na sua forma imagens gráficas dos símbolos ligados ás origens da civilização brasileira e latino-americana, com o enriquecimento lírico de pássaros nativos, geralmente tucanos, araras e papagaios, numa alusão forte ao elemento vivo, vibrante e excessivamente colorido da fauna brasileira, o que pode ser um sinal de alerta que Carlínio dá, em defesa dos verdadeiros valores culturais da gente brasileira.
Coleção Pindorama, e no dizer do marchand Eduardo José Souza Evangelista (que faz a apresentação de Carlínio ao público) uma visão critica do mundo, sobretudo da latino-americanidade.
Tem uma mensagem artística que transcende o Brasil,porque impregnada de uma linguagem universal, mas com o toque de singularidade de Carlínio, que apresenta, nesta  primeira individual, um trabalho amadurecido, tecnicamente perfeito e esteticamente agradável.