quinta-feira, 2 de maio de 2013

NOVA GALERIA ATESTA QUE MERCADO DE ARTE MELHORA


JORNAL A TARDE,SALVADOR, SEGUNDA-FEIRA 21 DE AGOSTO DE 1989



A galeria fica localizada no térreo deste edifício na Graça
Já está funcionando uma nova galeria de arte no bairro da Graça que é a Roberto Alban Galeria de Artes. De início, merece confiança e aplausos porque está expondo trabalhos da chamada Escola Baiana de Pintura, que embora importante para a história da arte baiana, é ainda pouco conhecida entre os mais jovens. Lembra o professor Carlos Eduardo d Rocha, na apresentação da amostra, que a nova galeria começa valorizando ainda mais a grande produção de artes plásticas que tem sido uma constante na cultura da Bahia, desde o primeiro século até a nossa época, de tantos movimentos de arte moderna. Pintores, escultores, gravadores, toreutas, decorações deixaram, a partir do século XVI, admiráveis trabalhos de criação artística, em tantas igrejas, conventos e capelas da Bahia antiga.
Nesta primeira exposição estão expostas obras de Lopes Rodrigues, Presciliano Silva, Alberto Valença, Mendonça Filho e Réscala, todos ex-professores da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia. Esses mestres da arte baiana devem sempre ser lembrados como exemplo de um trabalho de alta qualidade que marcou época na história não apenas da arte, mas na História da Bahia.
E o curioso é que esta mostra é organizada por um marchand de apenas 28 anos, um administrador de empresas que abraçou a arte e que sabe valorizar o que é bom. Informou-me Alban que a preferência pelos mestres da pintura baiana deu-se porque a escolha de nomes para abrir uma galeria poderia gerar algum descontentamento e, principalmente., porque é preciso sempre lembrar esses artistas que iniciaram o próprio mercado de arte aqui.
A nova galeria tem 85m², sistema de ar condicionado central e iluminação cobrindo uniformemente todo o salão e a área destinada à visitação oferece uma visão global de todas as obras expostas.
Informa o marchand que foram investidos cerca de 15 mil dólares na reforma do prédio, acabamento e decoração interna, e que seu objetivo principal é colaborar com a arte baiana e nacional através de uma troca de experiência e informações com outras galerias e artistas de estados brasileiros.

KAU MASCARENHAS EXPONDO SUAS PINTURAS NA ACBEU

Kau Mascarenhas com uma obra recente
O estudante de Arquitetura Kau Mascarenhas confessa que é um apaixonado pelo ser humano enquanto criatura, dependente, frágil mais expressivo, emocionado e mutável. Uma amante do ser humano como criador, responsável pelo que chega ao mundo, pelo que surge e pelo que se transforma.
AÍ estão as fortes razões porque a figura humana aparece sempre em seus trabalhos. Ele não faz um esboço prévio, muitas vezes os traços vão surgindo intuitivamente e daí vão aparecendo os rostos, corpos em atitudes contemplativas ou em movimentos, numa liberdade expressiva que teima propositadamente em conservar.
É certo que ainda jovem, Kau Mascarenhas se diverte com o desafio do papel branco, imaculado, e, daí, vai colocando as suas pegadas, suas marcas por meio de traços que vão se somando até surgirem suas figuras impregnadas de contemporaneidade. Revela o artista que tudo parece uma trama lúdica onde pago para ver e, quase sempre fica surpreendido com os efeitos que consegue.
Desde a infância que seu interesse pelas artes plásticas despertou e, o lápis de cor à bola de futebol. Ao passar os fins de semana em casa de uma tia, ficava rabiscando em papéis de rascunho, que ela trazia da repartição onde trabalhava. Esta sua obsessão pelo papel continua até hoje, onde faz seus trabalhos utilizando tinta acrílica. Diz Kau Mascarenhas que o papel necessita apenas de um tratamento e determinados cuidados para ter uma durabilidade como qualquer outro suporte. Ele reluta os preconceitos que algumas pessoas menos avisadas tem com relação ao papel. Ressalta que importantes obras dos clássicos como Da Vinci e mesmo antigas gravuras chinesas foram feitas em papel. Com apenas 23 anos, Kau Mascarenhas tem um trabalho de qualidade. Expõe desde 1986 e agora programa mais uma mostra, sendo, desta vez, na Associação Brasil-Estados Unidos. Ele ressalta o trabalho que a ACBEU vem desenvolvendo, enquanto outras instituições que funcionam na Bahia dão pouco apoio a eventos culturais.

O ESCULTOR GOLDBERG ESTÁ REALIZANDO TRÊS EXPOSIÇÕES
Uma escultura do carioca João Carlos Goldeberg

O carioca João Carlos Goldberg escultor, arte-educador e arqueólogo já representou o Brasil na IX Bienal de São Paulo e desde então seus trabalhos tem sido apresentados em diversas mostras e salões no País e, até mesmo, nos Estados Unidos, frança e Suécia. Em 1971,mereceu destaque da crítica, especialmente de Geraldo Ferraz PR sua contribuição notável e variada, quando da seleção para  a XI Bienal Paulista.
Sua atividade como professor de Arte começou em 1968, tendo ministrado no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro diversos cursos, e na Escola de Artes Visuais, do Parque Lage, é coordenador do curso de Escultura. Vem ainda se dedicando a pesquisa sobre as formas geométricas e suas mutações, sendo portanto um artista não- figurativista, de conotação geométrica, como o classifica José Roberto Teixeira Leite.
Goldberg passou três anos na Europa onde expôs individualmente na Galeria HB Situation Action Comunication em Estocolmo,e na Françamonde paticipou da coletiva na Galeria de L’Eltrange, em Porto Alegre recebeu o prêmio lei Sarney à Cultura Brasileira como destaque das Artes Plásticas e Escultura.
Agora trabalhando feltro e ardósia, numa recuperação do gesto do homem pré-histórico e com claras referências a Lúcio Fontana o artista Goldberg mostrará suas mais recentes obras em três exposições simultâneas na Documenta Galeria de Arte, em São Paulo até o dia 22 do corrente, na Galeria Anna Maria Niemeyer, no Rio de Janeiro até o dia 31 de agosto e na Documeta-Haver Shopping,, em Curitiba de 5 a 16 de setembro próximos.

VÁRIOS TÍTULOS

O artista diz que pensou em vários títulos para as exposições: fragmentos, Rupturas, Oval/Ava. Desistiu por entender que nem sempre há necessidade de rótulos para favorecer o entendimento e a compreensão. Mas é verdade que esta sociedade consumista tende a rotular as coisas para diferenciá-las, mesmo no campo da arte que prima pela sensibilidade e a emoção, sensações que estão em contraste com o material. Ele pensou em dedicar a alguém e escolheu a si como merecedor desse gesto. Para ele as esculturas são construções sensíveis, fruto da reflexão/ação, mas, sobretudo, exercício do prazer, resgate.
Intrigam Goldberg os processos, as buscas, o ir e vir, os encontros e desencontros, os contrastes, o que leva o homem a construir e, conseqüentemente, a destruir. E continua  a afirmando que a escultura, enquanto linguagem, permite o necessário exercício da liberdade, admite gastos mais largos, rupturas, rasgos, gritos e cortes, falas, prazer.