quinta-feira, 2 de maio de 2013

O ASSALTO


JORNAL A TARDE, SALVADOR,  SÁBADO, 12 DE MARÇO DE 1977

                     

O mercado de arte na Bahia é capenga em relação a outros centros mais adiantados. Um mercado que oscila e depende de um minguado número de colecionadores, alguns novos ricos e turistas. Aliado à falta de quantidade de consumidores de arte encontramos a falta de preparo dos proprietários e dirigentes das nossas pobres galerias de arte. Basta dizer que acerca de dois meses que nenhuma  exposição de interesse é realizada. Tudo está parado. O pior é quando uma galeria programa um vernissage, aparecem duas ou três concorrentes, que marcam também a mesma data. Com isto os salões dessas casas ficam semi vazios e os convidados passam a ser disputados mesmo que não venham adquirir os quadros expostos.
Querem salvar a aparência e esconder a falta de entrosamento e programação.
Tenho comparecido a quase todas exposições realizadas por nossas galerias de arte e posso afirmar que  realmente ainda estamos muito longe de apresentar algo de novo. O que vemos é um garçom mal vestido distribuindo batidas de péssima qualidade ou doses de um barato uísque nacional que no dia seguinte dá uma ressaca danada. Assim os habitués divertem-se saboreando os poucos salgadinhos e tomando as fracas doses de uísque. Os quadros ficam às moscas, porque na realidade poucos para ali foram com o objetivo de observá-los. O catálogo geralmente é também de péssimo gosto. Pobre, porque o pobre do artista não pode gastar muito. A percentagem de 33% que as galerias de arte cobram representa um verdadeiro assalto ao responsável pela criação. O intermediário leva quase a metade. É preciso valorizar melhor o ato da criação porque vender é muito mais fácil.
Além desta percentagem é por conta do expositor os gastos com catálogos, selos, táxi, estacionamento, coquetel e muita outras coisas que parecem no momento de montar e desmontar a exposição. No final o artista vende poucos quadros e tudo vai na despesa. O único consolo é que no próximo catálogo de uma nova exposição já constará: exposição realizada no dia X, na Galeria Y, Salvador Bahia 1977. Mas um pontinho no seu célebre curriculum.
Temos ainda de considerar que as nossas galerias estão aquém de um local adequado para uma mostra representativa. Basta dizer que a maioria está instalada em casarões inadaptáveis. Outras em seletas onde o visitante entra e sai imediatamente porque não tem possibilidade de sentar-se. É a improvisação tão comum no brasileiro e mais freqüente no baiano, que sempre arranja um jeitinho. É preciso que programemos nossas exposições e que as galerias de arte pensem um pouco nos artistas que são a razão de sua existência.

           DESNUDARAM CRISTO

Um Cristo desnudo está gerando controvérsias. Trata-se de um trabalho da pintora Bina Maraldi Dini. Uma artista desconhecida na Itália que resolveu pintar um Cristo totalmente desnudo no muro da cripta da antiga abadia de São Bernardino de Siena. A obra foi encomendada pelos frades franciscanos e passou despercebida algum tempo.
Porém, um turista inglês viu a obra e fotografou e enviou uma enérgica carta de protesto ao Vaticano. O resultado é que os especialistas consideraram a obra como medíocre e contratante com o estilo da cripta. Com isto foi feita uma barreira de ladrilhos e o Cristo está coberto.

Busto de prata de
um rei persa exposto
em Londres 
OURO ROMANO
Preciosos tesouros de ouro e prata do grande Império Romano serão mostrados no Museu Britânico de Londres, numa exposição que irá de 1º de abril a 30 de setembro do corrente ano.
Intitulada Riqueza do Mundo Romano, esta exposição, uma das mais importantes desde a bem sucedida exposição de Tutankhamon, Incluirá artigos emprestados do Metropolitan Museun of Art, Nova Iorque e do Hermitage de Lenigrado. Estarão expostos mais de 800 objetos, inclusive moedas, medalhas, taças, placas e jóias.
Um dos que despertarão maior interesse, naturalmente, será o famoso Cálice de Antioquia, considerado por muitos estudiosos como a taça usada por Cristo durante a Última Ceia; de prata, datando do século IV, o cálice foi encontrado por trabalhadores árabes que escavavam um poço em Antioquia.
O tesouro descoberto em um campo arado em Water Newton, no condado de Huntingdonshire, há dois anos, será exposto ao público pela primeira vez. O tesouro de Walter Newton é a mais antiga coleção de prataria da Era Cristã, jamais encontrada.
Tesouros encontrados em Chipre também estarão reunidos pela primeira vez.
Entre os objetos contam-se um grande colar de ouro, um sólido cinto de casamento, de ouro, e uma bela série de placas de prata contando a estória de Davi e Golias.
A exposição Riqueza do Mundo Romano custará mais de US$ 170.000 para ser montada, e o Museu Britânico espera pelo menos um milhão de visitantes.

               A TÉCNICA DO SILK-SCREEN

O ator Marlon Brando, reproduzido em silk-screen
Tendo em vista de que além de informar o colunista tem obrigação de formar opinião acerca de estilos, trabalhos pictóricos e também de sempre acrescentar algo a seus leitores vou mostrar como se precisa toda a técnica do Silk-screen para aqueles que desejam trabalhar na impressão. Embora a primeira vista pareça uma técnica complicada tudo é muito fácil. Inicialmente você deverá começar com desenhos simples, com impressão de apenas uma cor e, depois de dominar a técnica, poderá imprimir em várias cores, com exceção da tela e do filme todo o instrumental é de uso permanente o que possibilita um trabalho barato.


OS MATERIAIS:
Filme Poliéster para Silk-Screen, no qual o desenho será recortado.Deve-se calcular a medida pelo tamanho do desenho, sem esquecer de deixar margens de pelo menos um dedo de largura de todos os lados;
PUXADOR: espécie de pequeno rolo manual com o qual se passa a tinta sobre a tela depois de pronta.
MOLDURA: Composta de quatro ripas de madeira com uma tela de nylon esticada por cima, a moldura deve ser um pouco maior do que o filme recortado e pode ser feita em casa. Para isso, basta montar os quatro pedaços de madeira, molhar um pedaço de tela de nylon e depois pregar com tachinhas. A tela, que pode ser encontrada em lojas de tecidos ou armarinhos, deve ser esticada como um tambor, sempre com cuidado para não rasgar.
FACA DE ARQUITETO: parecendo uma navalha, embutida em revestimento plástico, ela pode ser encontrada nas papelarias em diversos modelos. Para o trabalho a ser feito pode ser escolhido um tipo bem simples. A faca serve para recortar o desenho do filme.

THINNER: produto químico que gruda o filme na tela. Pode ser comprado em qualquer loja de tintas.

DOIS PEDAÇOS DE PANO: um para passar o thinner, outro para ir enxugando o excesso.

TINTA DE IMPRIMIR FAZENDA: de qualquer marca (tintex, imprimex, etc.

ROLO DE FITA ADESIVA DE PAPEL: espécie de fita durex, só que de papel. Deve ser escolhida uma que tenha pelo menos dois dedos de largura.

UM PEDAÇO DE TECIDO ou camiseta, onde será impresso o desenho.


MANEIRA DE FAZER: Arranje a superfície que será impressa, de modo que ela fique bem passada e limpa. Escolha o desenho de preferência algo simples, sem muitos detalhes, como, por exemplo, uma estrela. Depois de escolhido o motivo, desenhe-o numa folha de papel branca e pinte-o por dentro, com lápis de qualquer cor, para facilitar na hora de recortar e o filme. Não se esqueça que a parte a ser recortada no filme, é apenas a que vai receber a cor.
Coloque o filme, que é meio transparente, sobre o desenho, observando o seguinte: o filme é composto de duas folhas plásticas, uma transparente e grossa, outra colorida e muito fina. Tente separá-las com a unha, ou uma lâmina de faca, numa das margens, apenas um pouco, para distingui-las bem. A falha mais fina e colorida deve ficar para cima. A mais grossa fica em contato com o desenho. Então com a faquinha vá recortando apenas o lado mais fino do filme bem de leve, para não cortar a segunda folha, sempre seguindo o contorno da estrela. (1).
Quando acabar de contornar toda a estrela, puxe-a com a unha ou com a ponta  da lâmina, sempre devagar, para não tirar nada mais do que a estrela (2).
Agora cubra uma mesa com jornais. Para não manchar nada. Coloque o filme com a estrela vazada sobre a prensa, com o lado da folha a mais fina para cima. Isso é muito importante. Apanhe a moldura. O lado da tela fica para baixo em contato com o filme. Molhe um dos panos no thinner e passe na tela com força (3). Ele vai fixar o filme á ela de nylon.
Com o pano seco, vá esfregando logo em seguida para espalhar e secar o thinner que é um produto corrosivo; se não for secado rapidamente pode comer a folha da estrela. Quando estiver passando o thinner, tenha cuidado para não mexer a moldura e logo que tiver passado a primeira demão não  separe mais a tela do filme: eles já estão colando.
Com o filme todo colocado e bem seco espere alguns minutos, desvire a moldura e comece a puxar a folha plástica grossa e transparente, destacando-a toda, bem de leve (4)
O mais difícil já foi feito.
A moldura está com o filme criado e somente a estrela vazada deixa a tela de nylon á mostra. Agora é preciso passar a fita adesiva bem esticada pelos lados da moldura, sobre a junção do filme com a tela para não haver vazamento de tinta durante a impressão (5). Lembre-se que todas as áreas sem filme sairão impressas na fazenda: qualquer buraco indesejável deve, por isso, ser tapado com esta fita, de modo que apenas o desenho fique vazado (6). Mas se houver um pequeno rasgo no contorno da estrela ainda há um jeito: basta emendar nesse pedaço uma tira de filme, tendo o cuidado de passar o thimmer por cima, como já foi ensinado.
Estique a fazenda muito bem passada sobre a mesa.
Caso seja de malha, coloque num jornal ou papelão por dentro, para não manchar o outro lado. Em seguida ponha a moldura em contato com a fazenda, sempre com o lado do filme para baixo. Derrame a tinta escolhida num prato raso para facilitar seu trabalho.
O rodo é um pouco largo, fica mais fácil derramar a tinta numa superfície chata um prato, por exemplo, do que trabalhar direto no vidro. Com o rolo molhado na tinta e segurando firme a moldura com a outra mão faça pressão para baixo, comece a passá-lo na tela de um lado para outro (7). Não encharque tudo, vá pegando a tinta devagar. Recolha e espalhe algumas vezes por toda a área vazada. Preste atenção nas pequenas áreas, no caso as pontas da estrela, para que não saiam mal impressas. No final raspea sobre de tinta com  o rodo mesmo. Depois segure a fazenda e vá levantando a moldura devagar: se escorregar, mancha (8).
O desenho está impresso.

Deixe-o secar. Algumas tintas precisam de até 24 horas para se fixar bem.
Por isso é melhor esperar pelo menos um dia para lavar o tecido ou camiseta etc. também é importante ler as instruções que acompanham a tinta, para que não saia nada errado.
Depois de tudo pronto, lave bem a tela com água corrente, passando a ponta dos dedos de leve até soltar toda a tinta. Para escorrer melhor, é bom deixar a tela de pé. Em seguida lave o rodo: o material limpo facilita o novo trabalho.

COMO IMPRIMIR EM VÁRIAS CORES.

Para imprimir desenhos com mais de uma cor, três, por exemplo, é preciso observar alguns pontos. O principal é que cada uma das cores requer uma tela diferente. Aqui vai uma explicação, rápida, de como deve ser feito: faça o desenho, colorindo conforme desejar. Nada de cores em claro-escuro ou em tonalidades diferentes, esta técnica, muito simples, pede cores fechadas, sempre numa tonalidade só. Por exemplo, a bola de um sol pode ser vermelha e os ratos amarelos, mas na se pode tentar efeitos de nuance dentro da bola, indo do vermelho ao laranja. Só daria certo se fossem áreas diferentes: o pedaço correspondente ao círculo do sol em vermelho, numa tela só para tinta vermelha, e o outro pedaço, dos raios laranja, em outra tela. Com o desenho colorido coloque o filme sobre ele de maneira anteriormente explicada. Escolha uma cor e recorte neste filme apenas os contornos desta cor. Em outro filme corte o contorno de outra cor e assim por diante, fazendo uma tela par cada cor apenas.