quinta-feira, 1 de novembro de 2012


JORNAL A TARDE SALVADOR, SEGUNDA –FEIRA, 7 DE DEZEMBRO DE 1987

UM ESPAÇO ALTERNATIVO PARA ARTE NO CORREDOR 
DA VITÓRIA

Mais uma opção de expor obras de arte em Salvador.Trata-se do Espaço Mansão Jorge Amado localizado numa das mais belas construções no Corredor da Vitória, que dentro em breve se tornará o hall de entrada de um luxuoso prédio de apartamentos. O espaço cultural Mansão Jorge Amado está fomentando exposições individuais e coletivas de pinturas, desenhos gravuras e até mesmo apresentações de conjuntos de música erudita, concertos de câmera, lançamentos de livros. Enfim, é um espaço aberto às manifestações culturais. Esta medida é do Consórcio Andrade Mendonça e Suarez que está construindo o edifício. O nome da mostra é  Móveis de Época composta de peças dos séculos XVII e XVIII, alfaias e arte sacra, ficando até o dia 20 próximo.
Um detalhe importante é que o espaço é garantido ao público pelo menos durante três anos, tempo de duração da construção do prédio. Depois disso a decisão de continuar ou não com o espaço aberto ao público ficará a critério dos proprietários. Acho que mesmo com o prédio em funcionamento seria interessante que o espaço ficasse disponível e para evitar qualquer transtorno bastaria selecionar, com critério, o que poderia ser mostrado. Desta forma o espaço ficaria totalmente integrado à própria arquitetura e a vivência do local.
Sabemos que este casarão construído há mais de 40 anos pela família Manoel Joaquim de Carvalho e a idéia de preservá-lo merece aplausos, porque outros imóveis que marcaram época, no Corredor da Vitória, foram simplesmente jogados abaixo para construção de espigões horrorosos que contribuíram para desfigurar mais ainda a cidade.O mobiliário exposto no Espaço Mansão Jorge Amado faz parte do acervo do colecionador baiano Antônio Gide.

                              A OBRA FIGURATIVA DE ABELLEIRA

Após dois anos e meio sem expor, Abelleira volta com novos trabalhos, a partir do dia 11, no hall da sede da Telebahia, no bairro do Cabula. Recentemente, fez algumas exposições em Belo Horizonte e São Paulo. Ele é um dos artistas da nova geração que prestigiam os chamados espaços alternativos, onde a arte fica integrada com outras atividades, inclusive comerciais como bares, boates, cafés e shopping.Acha Abelleira populariza a arte. ''Muita gente vê o nosso trabalho, inclusive gente que não frequenta as galerias e museus." Evidente que esta afirmação do artista é correta e o importante é que esta gente está sendo informada e educada. A mulher é uma presença constante nas telas de Abelleira.
Na medida em que uma pessoa vê uma nova linguagem plástica e passa a observar com  mais interesse e frequência, pode até ser um futuro colecionador ou até mesmo despertar para a arte.Digo mais:diante de uma tela de Abelleira é difícil que o frequentador de um bar ou de qualquer outra casa comercial onde ele esteja expondo fique passivo. A obra de Abelleira mexe com as pessoas, é intrigante e a presença da figuração tem realmente uma grande força e agrada, quase sempre, de imediato.
Outa coisa é que a empresa onde ele trabalha – Telebahia – criou um espaço alternativo para seus empregados. Foi com o projeto Prata da Casa que ele teve oportunidade de expor seus trabalhos e de lá para cá foi crescendo. Agora expõe juntamente com Lima, outro empregado da empresa, o qual já ganhou um concurso nacional do emblema das olimpíadas do Sistema Telebrás. É preciso que outras empresas atentem para este fato. Como é importante abrir espaço para seus empregados.
Voltando a falar de Abelleira, inicialmente, ele usava somente modelos  através do recurso da fotografia. Agora, é capaz de imaginar suas figuras. É ainda bom retratista – "é um trabalho paralelo que realizo"– explica  "e procuro captar o sentimento das pessoas na medida em que transfiro para a tela suas expressões." O Abelleria tem um impulso forte que lhe permite enfrentar as mais variadas dificuldades. Diria que seu trabalho vem melhorando rapidamente, que é agradável. Verdadeiramente, não é um trabalho de grandes méritos  mas atinge a escala a que o artista se propõe , dentro de uma linguagem mediana. Em outras palavras, seus trabalhos impressionam e são agradáveis as pessoas que tem um conhecimento mediano da arte.
Para expressar o que acho , se alguém me perguntasse se recomendaria colocar na parede da casa o trabalho de Abelleria, eu, certamente responderia afirmativamente. O artista que tem poucos anos de atividade, vai crescer muito porque está num bom caminho. Ele não distribui convites . A exposição será aberta no próximo dia 11 às 21 horas, e todos que gostam de arte serão bem recebidos pelo Abelleira que diz: “Para se ir a uma exposição não é preciso convite”.

FLORA OLIVEIRA EXPÕE 20 OBRAS DIA 9 NO BISTRÔ do LUÍS

A artista Flora Oliveira, sergipana, é uma boa abstracionista. Evidente que quando falamos nesta corrente de arte muitos acham ultrapassada por ter marcado época, mas muitos artistas ainda continuam se expressando desta forma. Existe também uma forte presença da influência de Manabu Mabe, que ela certamente vai se desvincilhando no decorrer dos anos. É bom lembrar que todos os artistas importantes sofreram influência dos mestres e que aos poucos foram se libertando. Este será o caminho natural de Flora na medida em que for dominando melhor as formas abstratas e as cores.
Tudo acontece espontaneamente na obra de Flora Oliveira e para alcançar o processo de uma arte sem influências terá que trabalhar muito.
Um trabalho incessante onde via vencer a tenacidade em fazer. Além de talento, que é uma coisa inata, é preciso habilidade, e isto só se adquire com a mão na massa. Não adianta ficar teorizando que não resolve nada. É preciso pintar e pintar, para, no decorrer deste processo de aprendizado, o artista vá melhorando a qualidade de sua obra.
Vejo que Flora é uma artista que precisa realmente de muita habilidade para criar, e a pintura abstrata é um campo insondável para o exercício da liberdade plena. Para isto, é bom dizer que o desenho não pode ser desprezado para que , no futuro, surjam boas composições, mesmo as abstratas.