domingo, 18 de novembro de 2012

AUGUSTO RODRIGUES ESTÁ DE VOLTA COM SUA ARTE - 21 DE ABRIL DE 1986

JORNAL A TARDE, SALVADOR, 21 DE ABRIL DE 1986.

AUGUSTO RODRIGUES ESTÁ DE VOLTA COM SUA ARTE

O pernambucano Augusto Rodrigues está de volta. Aliás ele está presente em todos os recantos deste País, pois é o amigo incondicional das crianças, aquele homem que vê na sensibilidade artística da criança a sua própria existência. Quando se fala em escolinha de arte ou em arte-educação, surge a figura angelical de Augusto Rodrigues com seu semblante inconfundível, sempre disposto a ouvir as crianças.
O artista Augusto Rodrigues com
suas crianças
" Eu acredito que é da natureza humana fazer-se, fazendo. E não foi por outra razão, acreditando no homem, que eu criei escolinhas de Arte como abertura para o fazer-se fazendo. O fazer um simples desenho é começo para a descoberta do mundo”, afirma categórico Augusto com sua experiência vivida por este pais afora. Quando garoto tinha que procurar o seu mundo fora das paredes das escolas tradicionais. “Havia um encantamento com a natureza. A natureza da escola era a violência, a opressão. A natureza, a liberdade.
Mas, exprimir os sentimentos era um problema, exceto se havia um lápis e o branco do papel”.
Augusto Rodrigues sempre teve uma ligação muito forte com a arte popular nordestina. E tem uma postura muito firme sobre esta ligação:
“Muitos do que pensam fazer arte para o povo jamais viram a arte do povo. É inacreditável como até hoje não se tenha feito um estudo sério sobre a nossa arte plástica de caráter folclórico”.
Sua arte é despojada a acessível a todos aqueles que se propõem a observá-la.
Ele mesmo afirma que está cada vez mais acessível, evitando o supérfluo num esforço permanente em busca da síntese. E isto tem uma razão de ser porque Augusto Rodrigues diz que "só vim a tomar consciência da condição de artista quando, finalmente, compreendi essa coisa tão simples: sendo a arte uma forma de conhecimento do mundo e de comunicação, artista é todo aquele que procura ver os homens e as coisas em sua verdade essencial, e, para isso desenvolva sua atividade com esforço, humildade e intensidade. Não importa se é artista menor ou maior, importa ser”.
Cada contato com o artista Augusto Rodrigues a gente aprende.Cada frase pronunciada tem um pouco de sabedoria de sua existência vivida entre crianças e a arte. Deixo aqui algumas frases suas que o critico Geraldo Edson de Andrade selecionou para esta sua mostra que será aberta no próximo dia 24, na Galeria Época, no Rio Vermelho.

ALGUNS PENSAMENTOS
* “Duas coisas na minha vida foram atento para que eu continuasse fazendo arte.Uma vez entrou no Gabinete Português de Leitura, Von Hering, especialista em peixes, e manifestou simpatia pelos meus desenhos. Outra vez, em 1934, mandei três trabalhos para uma Feira de Amostras onde Pernambuco apresentava produtos da indústria e comércio e algumas obras de arte. Guignard foi à exposição e escreveu-me um cartão dizendo:“Você tem talento. Avante!”

* “Todo artista que se preze desse nome deve fazer arte sem pensar para quem a faz.O grande erro das elites culturais foi sempre o de crerem que a arte pode ser feita para determinadas pessoas."

* "A arte popular é sempre o reflexo do estado de Espírito e de Ânimo do povo. É uma arte como qualquer outra. É sempre uma arte primitiva e como tal revela perfeitamente a passagem de uma época."

* "Muitos dos que pensam fazer arte  para o povo jamais viram a arte do povo. É inacreditável como até hoje não se tenha feito um estudo sério sobre a nossa arte plástica de caráter folclórico."

* "Lembro-me de que, quando comecei a desenhar, deformava com intenção de chocar e comover o espectador. Hoje, desejo apenas oferecer um desenho sem qualquer intenção preconcebida, a não ser fiel a mim mesmo."

* "Parece a mim que a educação deveria incluir, em seu processo, o poético, a pesquisa, a perplexidade. Digo perplexidade porque sempre estou perplexo em face da criança. E a estímulo a projetar o que há dentro dela para que ela própria me revele quem é, o que aspira, o que deseja, seja como sentimento de alegria ou tristeza. Só assim poderemos conhecê-la em sua essência.O que pode advir desse conhecimento me deixa sempre perplexo. Lembro-me de que, muitas vezes, uma criança tímida, cuja realização do desenho, da pintura, era pobre ( e, talvez, até pudéssemos catalogá-la como débil mental), de repente, sai daquela projeção de desenhos pobres e tristes para atingir um grau de beleza, de equilíbrio, de harmonia porque, ao superar a sua problemática, sua timidez, reencontrou-se e nos traz uma imagem nova."
Noturno, 40x50,uma das obras  que serão expostas

* "Um dia Guignard me falou que havia feito na véspera o seu melhor quadro - uma paisagem . E acrescentou:"Mas o céu , Augusto Rodrigues, eu roubei de uma criança."

* "Há uma diferença entre poeta e pintor. Para o devaneio do poeta uma simples varanda sobre o largo tem a força do infinito e é da varanda que eu descubro o largo e procuro a visão do cosmo. Mas seja o homem pintor, poeta, fotógrafo ou qualquer coisa, ele é o homem no espaço, lógico para a sua integração em ritmos de Universo."