sábado, 17 de novembro de 2012

LYGIA MILTON VAI EXPOR NA GALERIA O CAVALETE - 26 DE MAIO DE 1986

JORNAL A TARDE, SALVADOR, 26 DE MAIO DE 1986.

LYGIA MILTON VAI EXPOR NA GALERIA O CAVALETE

Sol de Outono,óleo sobre tela
de 46 X 38 que integra a mostra
Vejo ao longe mulher esguia que anda suavemente sobre caminhos tingidos de cores diversas olhando sempre para frente. Inatingível, mas ela caminha. Observa as flores e os arbustos que se debruçam sobre dunas brancas nas imediações de mares calmos. Senta-se apoiando uma das mãos permanecendo imóvel a observar um barco ancorado na beira da praia. Este é o seu universo com elementos marcantes do geometrismo e que deixa transparecer uma ponta de fantasia do surrealismo. Mas, acima de tudo vejo a pintura de Lygia Milton uma mistura de realidade da solidão do homem moderno que caminha entre blocos de concretos, caminho de asfalto, por entre centenas de outros desconhecidos.
Deixam transparecer pela pressa com que andam Poe esses caminhos atropelando uns, matando outros, que vão resolver todos os problemas do mundo. Mas acontece exatamente o contrário, seguem para complicar ainda mais este mundo conturbado, aumentando a burocracia ou colocando dificuldades na vida de outros.
Sua exposição será aberta no dia 28 e ficará até 7 de junho na Galeria O Cavalete, que funciona no Salvador Praia Hotel.

              ZIVÉ GIUDICE FOI PREMIADO EM CORITIBA

Zivé trabalhando em seu atelier na Barra.
O artista Zivé Giudice que integra à Geração 70 acaba de ser premiado no Salão Brasileiro de Desenho realizado em Coritiba. O prêmio dado a Zivé tem um dado importante. É que foi concedido por unanimidade dos membros do júri.
O nível do Salão estava excelente e inclusive participaram alguns nomes importantes do sul do País. Natural de Jitaúna, no interior da Bahia, Zivé é um dos nomes mais significativos esta nova geração de artistas que está se firmando no mercado de arte plástica baiano. Este prêmio é relevante por ser este Salão muito conhecido e respeitado em todo o País.
Zivé tem participado com muita energia de movimentos de rua, inclusive vários murais bonitos que existem por aí, entre os quais aquele da Mariquita, no Rio Vermelho, tem a marca do seu talento.
Nasceu em Jitaúna, Bahia. Cursou a Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia. Participou do I Salão Universitário Baiano de Artes Visuais (prêmio de desenho), em Salvador, do V Salão universitário de Artes Plástica (Prêmio de Desenho e do Concurso de Cartaz), do VIII Salão de Arte Jovem de Santos (SP) e da III Mostra de Desenho Brasileiro, em Coritiba (PR). Recebeu prêmio no Concurso de Projetos de Artes Plásticas do Museu de Arte Moderna da Bahia. Realizou várias exposições individuais em Salvador e participou de diversas mostras coletivas em Salvador, Rio de Janeiro e no Ceará.

              A CRIATIVIDADE DE 14 PINTORES BAIANOS

Carlos Rodrigues e um dos seus
quadros: Condição Humana.
Esbanjando criatividade, 14 pintores de nova geração de artistas baianos (nem tão nova assim, uma vez que há alguns que já pintam há mais de 14 anos...) estarão expondo, a partir de amanhã e até o próximo dia 31, cerca de 30 trabalhos na Praça da Alegria no Shopping Center Piedade. Serão mostradas pinturas e gravuras, realizadas nas mais diversas técnicas e a preocupação com o que acontece no mundo não foi esquecida: o pintor Carlos Rodrigues, por exemplo, denominou um dos seus trabalhos de Aos Mortos de Chernobyl.
Além de Carlos Rodrigues, estão expondo Zé Mané, Normélia Borges, Larry, Ives Quadlia, Ruy, Cezar D’Àvita, Amilton, Mônica Tanajura, M. Augusto Bonfim, Márcia Abreu, R.R. Costa, Euro E Cláudia Silvany. O objetivo da exposição é o de levar ao público baiano, de modo generalizado, os trabalhos de novos talentos das artes plásticas na Bahia.
Quando me transporto para uma tragédia humana, como a de Chernobyl, afirma o pintor Carlos Rodrigues, procuro expressar todo o impacto da gigantesca ameaça. Destruo em uma todo o sentido lírico e faço, de minhas telas uma tragédia, também,expressa muito mais pelas cores e suas combinações do que necessariamente pela forma.A exposição começa às 21 horas de amanhã, prolongando-se até sábado, dia 31.

NÚBIA CERQUEIRA MANDA TRABALHOS PARA OS EUA


Núbia cerqueira (nossa colega de A Tarde) conseguiu entrar no fechado mercado de arte americano. No último dia 2 um coquetel abriu em Los Angeles (Hotel Méridien Neuport Beach) a Exposição Coletiva de Artistas Baianos, que vai até o próximo dia 12 de maio. Estão expondo, além de Núbia, Virgínia Zart, Mary Jane e Fred Saúza (este último está vivendo em L.A). Entre os presentes ao vernissage. O cônsul do Brasil, conselheiro Edgar Telles Ribeiro; Lúcia de Garcia (“Mulher do Ano” em Newport Beach): Sérgio Mendes; Ana Capaccio, do Museu de Plaza de La Raza; Aurélia Brooks, do Afro América Museum; entre outros.

AQUARELAS DE ADEMAR GALVÃO NA GALERIA O ATELIER

As aquarelas de Ademar Galvão estão expostas na Galeria O Atelier, em Vitoria da Conquista, até o dia 07 de junho. Tenho acompanhado o trabalho de Ademar e posso assegurar que já podemos notar um crescimento na sua técnica, principalmente, na aquarela que é realmente difícil de ser executada. Certa vez conversando com um aquarelista uruguaio Zelayeta, ele me falava da dificuldade em se fazer uma boa aquarela. A tinta se espalha no papel com uma rapidez e surgem formas que às vezes não interessam. Mas este artista de 26 anos, natural de Vitoria da Conquista sabe das coisas e assim vem construindo seu mundo pictórico.


   ARTISTAS BRASILEIROS EM PARIS

Paris, (AFP) – A Galeria Debret, de Paris, está expondo atualmente obras de cerca de 20 grandes pintores brasileiros, oferecendo uma demonstração da diversidade, riqueza e expressividade da Arte Contemporânea do Brasil. Cerca de 60 quadros, reunidos sob o título de A Cor e o Desenho do Brasil, constituem uma exposição itinerante patrocinada pelo Ministério das Relações Exteriores, que será apresentada em seis capitais européias.
A iniciativa tem por objetivo dar ao público europeu um panorama das artes plásticas brasileiras, em virtude de o critério usado para a seleção dos artistas ter sido o da excelência técnica. Este critério fundamental permitiu incluir obras de Amilcar de Castro, Lothar Charoux, Maria Leontina, Arcanelo Lanelli, Alex Glemming, Glauco Pinto de Moraes, Isabel de Jesus, Israel Pedro, Ivald granato, Miguel dos Santos, Siron Franco, Uirajara Ribeiro, Aldemir Martins, Carlos Prado, Evandro Carlos Jardim, fayga Ostrower, Guima, José Zaragoza, Marcelo Grassmann e Wilma Martins.