quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

O HOMEM BRASILEIRO E SUAS RAÍZES CULTURAIS - 27 DE JULHO DE 1980


JORNAL A TARDE DOMINGO, 27 DE JULHO DE 1980

O HOMEM BRASILEIRO E SUAS RAÍZES CULTURAIS
O Museu de Arte de São Paulo, associando-se ás comemorações do centenário da Kodak, no mundo e sexagésimo da instalação da empresa no Brasil, promove a Exposição Fotográfica O Homem Brasileiro e Suas Raízes Culturais, ao lado de outras atividades componentes do evento Fotografia Arte e Uso, que se realiza de 01 a 30 de setembro de 1980, nas dependências do MASP.
A participação, no evento, é reservada a fotógrafos de reconhecida capacidade e qualificação, ou profissionais que deverão inscrever seus trabalhos mediante atendimento das seguintes instruções.

 - A exposição prevista tem como tema O Homem Brasileiro e suas Raízes Culturais e mostrará cerca de 350 fotos, escolhidas por uma Comissão de Seleção e enviadas pelos interessados em participar, até 10/08/80, mediante inscrição espontânea e submetidas à aceitação de Comissão de Seleção, indicada elo MASP, sem direito a recurso.
2º -  Poderão ser inscritas fotografias artísticas, críticas, dramáticas e flagrantes representando situações ou acontecimentos, em qualquer ponto do país, preferivelmente com a presença do ser humano e abordando paisagens, cenas de cidade, do campo ou montanha, do litoral ou praia, manifestações artísticas, folclóricas ou religiosas, atividades representando trabalho, Tecnologia, ciência, cultura, educação, lazer etc. Os trabalhos escolhidos deverão representar uma unidade plástica temática e conceitual, abordando o homem brasileiro na sociedade, sua evolução no contexto histórico e sócio-cultural brasileiro, as influências recebidas (do meio ambiente, das correntes migratórias, do desenvolvimento humano e tecnológico, das tendências artísticas) ao longo da evolução da fotografia no Brasil e refletindo uma proposta, um depoimento ou uma visão pessoal do autor.
3º -  Cada participante poderá inscrever até 06 (seis) fotos, de sua autoria, em preto e branco ou em cores, em tamanho não superior a 0,50x0,50m e não inferior a 0,40mx0,40, (não necessariamente quadradas).
4º -  As fotos serão enviadas pelos autores, acabadas e prontas para exibição, no entanto, sem qualquer montagem, suporte ou proteção que possa impedir sua colocação nos módulos adotados para a exposição.
Além disso, deverão estar identificadas, no verso, e cada uma estar acompanhada de uma ficha de inscrição, conforme modelo anexo ao presente.
5º -  Todo o material enviado tem o caráter de doação ao MASP, para composição de um acervo fotográfico do qual o museu poderá fazer uso que melhor lhe aprouver independente de consulta e mediante a simples citação de título e autoria em cada peça.
6º -  Caberá á Comissão de Seleção, a escolha das fotos que irão compor a exposição ficando estabelecido e desde logo aceito pelos participantes que nenhuma foto será obrigatoriamente, exibida ou devolvida, podendo no entanto, ser utilizada, conforme venha a ser decidido pelo MASP, em outros eventos.
 - Os grupos de fotos que venham a ser  inscritos por um mesmo participante poderão ou não ser aceitos, como grupo ou individualmente, com a faculdade para os selecionadores de optarem pela manutenção ou não da unidade dos grupos inscritos, ou pela separação das fotos.
8º -  As inscrições estarão abertas até o dia 10 de agosto de 1980 e toda a correspondência deverá ser dirigida ao Museu de Arte de São Paulo, AV. Paulista, nº 1578 Cep 01310 São Paulo-A/C do Sr. Luiz Hossaka.
- Os trabalhos recebidos serão analisados por uma comissão indicada pelo MASP e presidida por Pietro Maria Bardi- Diretor do MASP.
10º - O MASP não se responsabilizará pela eventual deteriorização da imagem resultante de processamento inadequado das cópias, nem por danos ou extravio da remessa das obras.

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSA DE ESTUDOS E PESQUISA

A Fundação Nacional de Arte, do Ministério da Cultura , através de seu Núcleo de Estudos e Pesquisa – NEP, visando a estimular a pesquisa da produção artística dará continuidade, este ano, ao Programa de Bolsas de Estudo e Pesquisa, de acordo com o seguinte Regulamento:
Item 1 – As pesquisas não terão tema definido, podendo abranger as mais diversas manifestações da arte e da cultura brasileira.
Item 2 – As inscrições serão recebidas entre os dias 9 de junho e 31 de julho do corrente ano, através da apresentação de proposta contendo os seguintes requisitos: a) Descrição da Proposta contendo a explicitação do tema, seu objetivo e justificativa, bem como seu desenvolvimento através dos tópicos principais e cronograma; b) Os Meios Utilizados na elaboração do trabalho, tais como: Bibliografia básica, pesquisa de campo, material empregado e qualquer outro que se faça necessário, além da metodologia de pesquisa e análise; c) A Pesquisa não poderá ultrapassar o prazo de nove meses; d) A Apresentação do currículo do pesquisador.
Parágrafo Único – O não cumprimento de qualquer dos requisitos anunciados neste artigo desclassificará o candidato.
Item 3 – As Bolsas de Estudos terão o valor máximo de C$180 mil ( Cento e oitenta mil cruzeiros).
Item 4 – A avaliação das propostas recebidas será feita por uma comissão da Funarte sob a coordenação do Núcleo de Estudos e Pesquisas.
 Item 5- A Funarte fará a divulgação dos projetos aprovados sessenta dias após o término do prazo das inscrições.
Item 6 – O número de projetos aprovados não deverá ultrapassar de 12.
Parágrafo Único – A critério da Diretoria Executiva da Funarte , o prazo de avaliação dos projetos poderá ser prorrogado.
Item 7 – A Funarte estabelecerá um vínculo com o pesquisador, através de um contrato de Bolsa de Pesquisa, pelo qual o pesquisador se comprometerá a realizar o trabalho de acordo com o projeto e no prazo combinado.
Item 8 – O pagamento da Pesquisa será feito em quatro parcelas da seguinte maneira: A primeira no ato da assinatura do contrato;As duas seguintes mediante a apresentação e aprovação dos relatórios parciais; a última, mediante entrega da pesquisa.
Item 9 – A Pesquisa deverá ser apresentada à Funarte obedecendo às seguintes normas: a) Título do Trabalho; b) Índice das diversas partes que compõem a Pesquisa; c) Bibliografia e outras fontes de pesquisa; d)Textos em caráter de monografia sobre o assunto pesquisado em duas vias, datilografada em papel ofício , espaço 2, numeradas e grampeadas; e) O material iconográfico deverá ser entregue identificado e, no caso de material fotográfico, deverá ser enviado à Funarte de acordo com as instruções do Guia de Recomendações  para Documentação Fotográfica do CDO.
Item 10 – A Funarte se tornará proprietária de todo o material de Pesquisa levantada, estudado e analisado, tendo inclusive o direito de editá-lo integralmente, em uma primeira edição, estando a quitação dos direitos autorais da mesma já compreendida no pagamento realizado na forma do Item 8 citado.



FIM,DA ÚLTIMA CEIA ?

Uma grande rachadura na parte detrás da parede onde se encontra pintada a obra- prima de Leonardo Da Vinci – A Última Ceia – é aqui apontada pelo Oficial do Mosteiro de Santa Maria Delle Grazia, em Milão. Um trabalho de ação de emergência está sendo executado cuidadosamente para tentar impedir o alastramento da rachadura. E  com isto os turistas aproveitam para contemplar e fotografar o famoso afresco, datado de 1498.



Atualmente a Última Ceia está bem
conservada e é admirada por todos quetêm a oportunidade de ver de
perto ou mesmo através de reproduções de qualidade.



              A ARTE PRIMITIVA E 20 ANOS DE PEDROSO

- Desde a pré-história, o homem já demonstrava possuir sentimento artístico quando executava nas paredes das cavernas animais com o fim de propiciar a caça ou com finalidade religiosa em homenagem a seus deuses. Usavam para realizar o trabalho, os mais rudimentares instrumentos. Estas palavras integram a apresentação do catálogo do cearense Joaquim Pedro Gomes de Oliveira ou simplesmente Pedroso, que agora completa 20 anos de atividade artística.
Confesso que gosto do trabalho de Pedroso, embora tenha certa reserva quando penso em artista primitivo, completamente integrado no consumismo. Entendo que a arte primitiva  por ser espontânea e inata tem mais validade quando é feita por pessoas que dispõem de poucas informações ou quase nenhuma. Não é efetivamente , o caso de Pedroso, que à esta altura já poderia estar fazendo uma arte com composições mais firmes e entremeada de informações conseguidas durante este período.
Mas, com isto não quer dizer que a arte de Pedroso seja falsa ou não mereça um lugar entre os artistas baianos. Não acho, mesmo, que seus quadros são razoáveis dentro do que ele se propõe a fazer. As igrejinhas, as figuras das negras descendo e subindo as ladeiras, os vendedores ambulantes  e o tão desgastado casario  e sem esquecer , evidente as festas de largo, etc.
De qualquer forma Pedroso funciona quase como um fotógrafo que traz formas do cotidiano para as telas., Só que sem a a arte da fotografia, sem a realidade e com um colorido forte e cru.
Sei quanto é difícil viver de arte.Sei que durante estes 20 anos, Pedroso trabalhou muito e passou por muitas dificuldades. Mas é um obstinado e continuou representando  e pintando e registrando este mundinho baiano que passa despercebido por muitos.
O escritor Jorge Amado com sua generosidade que lhe é peculiar falando sobre os 20 anos de arte de Pedroso disse que “ Os pintores primitivos ou ingênuos , com a sabedoria da vida e as cores mágicas, talvez  sejam os únicos pintores brasileiros que não são colonizados com a Escola de Paris. Porém, com sua pureza, mestre Pedroso revela a realidade verdadeira, mais algumas violência e a solidão."
Concordo, em parte com Jorge, porém, ressalvo que existem artistas que atualmente fazem uma composição da arte contemporânea dos centros industrializados a exemplo de França e dos Estados Unidos. Porém, existem outros artistas que fazem uma arte fora destes padrões e o Rubem Valentim, exemplo.

                            PAINEL

Portal 800- A Galeria Portal recém-inaugurada, em São Paulo, acaba de prolongar a exposição de Arlindo Castellane de Carli. A referida exposição tem sido muito visitada, porém, o que  coroou a mostra foi a doação feita pelos proprietários da galeria de um quadro de 1m x 70cm para o Museu de Arte Moderna de São Paulo. O quadro retrata o pintor Paulo de Vale Jr., que é amigo do expositor.

Arte no Interior- A artista Noélia Paula está viajando pelo interior do estado ministrando alguns cursos de arte sob o patrocínio do Pacce. Durante um mês ministrará um curso, em Ubaitaba e em seguida para Ilhéus. Ela fez a apresentação do pintor Valdemir que ora expõe no Rotary Clube de Ubaitaba.



Leilão- Marysia, Tarsila, Speltri, Lewy e Guinard são alguns dos artistas que integram um leilão a ser inaugurado no dia 28 deste, até 2 de agosto, sob a responsabilidade do leiloeiro Arnaldo de Leo.
Além de trabalhos desses artistas serão colocados, em leilão, raros objetos de Art Decô, cristais da Boêmia, vidros de Murano, porcelanas de Limogens, tapetes Belouch e tocheiros do século XV foto, São Sebastião, técnica mista com 36 de Alberto da Veiga Guinard. 



Exposição Didática- No Museu Arte Moderna da Bahia estão expostas as gravuras produzidas pelos alunos que participaram de um curso patrocinado pela Fundação Cultural do Estado da Bahia. A mostra estará aberta até o dia 3 de agosto no Solar do Unhão, na Avenida do Contorno, S/N.




Manoel Jerônimo- Está expondo na Galeria de Arte, no Rio de Janeiro. Como diz  Edson de Andrade, "engenheiro de profissão, ele encara a pintura como meio de expressão autônomo em relação à engenharia.
 Mas, é um decorrência desta que, em grande parte de sua obra pintada tende a estruturar os espaços pictóricos que  inerentes, talvez pela própria formação.