domingo, 13 de janeiro de 2013

III SALÃO NACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS ABRE INSCRIÇÕES A 15 DE JULHO EM TODO O PAÍS - 29 DE JUNHO DE 1980

JORNAL A TARDE,SALVADOR,  DOMINGO, 29 DE JUNHO DE 1980

III SALÃO NACIONAL DE ARTES PLÁSTICAS ABRE INSCRIÇÕES EM 15 DE JULHO EM TODO O PAÍS

Será de 15 de julho a 10 de agosto o período de inscrição para o III Salão Nacional de Artes Plásticas, patrocinado pelo Instituto Nacional de Artes Plásticas da Funarte.
O III SNAP será realizado entre 3 a 29 de novembro no Palácio da Cultura, no Rio, e premiará os quatro melhores artistas plásticos com viagens ao exterior. Outros artistas ganharão viagens pelo Brasil. O Prêmio Gustavo Capanema, de CR$100 mil, irá para o melhor conjunto de obras e há prêmios de aquisição, de CR$100 mil, para as obras que serão incorporadas ao acervo da Funarte.
O regulamento do concurso e a ficha de inscrição estarão a partir do dia 15 à disposição dos candidatos na sede da Funarte, no Rio, (Rua Araújo Porto Alegre, 80, sala 15) na representação da Funarte em São Paulo, (Rua Apa, 83, bairro Campos Elíseos), e Funarte de Brasília (Setor de Difusão Cultural, atrás da torre da TV). Nos demais estados e territórios, nas sedes das delegacias do MEC e nas secretarias de Educação e Cultura.

QUEM CONCORRE

O III Salão Nacional de Artes Plásticas está aberto a brasileiros e também aos estrangeiros que comprovarem permanência de, no mínimo, cinco anos em nosso país.Todos deverão ter realizado, nos últimos dez anos, pelo menos uma exposição individual ou participação de duas coletivas. Os artistas poderão percorrer com trabalhos feitos em grupo, desde que um se responsabilize pela obra na ficha de inscrição.
Segundo os membros da Comissão Nacional de Artes Plásticas, que elaborou o regulamento, este ano decidiu-se imprimir maior abertura cultural ao Salão Nacional, de modo a atualizá-lo em relação às tendências e às pesquisas nacionais e internacionais de nossa época. Os candidatos poderão inscrever-se em mais de uma categoria, mas ficarão obrigados a apresentar três trabalhos em cada uma delas. O regulamento entende por trabalho a peça ou conjunto de peças compreendidas em qualquer forma artística de expressão, incluindo as estruturas, pintura, escultura, desenho e gravura, e as mais livres manifestações de poder de criação, inclusive as de fotolinguagem, (vídeo-tape, super 8 e audiovisual) e performance corporal. Além das obras selecionadas para o III Salão Nacional de Artes Plásticas, o público verá também a exposição paralela “O Mundo de Portinari”, de caráter didático e histórico.

SELEÇÃO E PREMIAÇÃO

Para a seleção e premiação será constituída uma subcomissão composta de três membros eleitos pelos próprios artistas inscritos, três membros indicados pela Comissão Nacional de Artes Plásticas, Alem do presidente da Funarte, escritor José Cândido de Carvalho, que terá direito ao voto de desempate. No dia 18 de agosto, às 13 horas, no auditório do Museu nacional de Belas Artes, serão conhecidos os três membros eleitos pelos artistas.
Também consta do regulamento que, em caso excepcional, o artista premiado poderá substituir a viagem ao exterior, no valor de CR$300 mil, ou pelo Brasil, CR$120 mil, por um projeto de trabalho, cujo orçamento não exceda o valor do prêmio concedido. Para isso, a Comissão Nacional de Artes Plásticas examinará o projeto do artista.

OS REFÉNS E A PINTURA

Todos já estão cansados de saber que os iranianos continuam mantendo em cativeiro vários americanos que trabalhavam na Embaixada dos Estados Unidos, em Teerã. Também sabem da fracassada missão de resgate, quando o presidente americano assumiu toda a culpa pelo insucesso da mesma. Agora, todos os americanos foram retirados do prédio da Embaixada e descobriu-se que durante o cativeiro foi pintado um mural onde aparecem os reféns com as mãos cruzadas sobre a cabeça, além de outras pessoas lendo e conversando. Os inúmeros slogans e cartazes cederam lugar a este belo mural.

IDÍLIO PRIMAVERIL, DE GUISEPPE PELLIZA 

Este quadro de Giuseppe Pelliza de Vólpede, intitulado Ilídio Primaveril, foi vendido esta semana a um anônimo colecionar americano, por 385 mil libras esterlinas. Trata-se de novo recorde para uma pintura do século dezenove, levada a leilão pela Galeria Sotheby, de Londres. O quadro foi pintado por volta de 1896 e esteve desaparecido até 1906. Seu novo proprietário, assistindo a um programa de televisão, reconheceu o nome do autor sob uma camada de tinta aplicada no canto inferior da tela. Imediatamente tomou todas as providências, até que a tela foi parar na Sotheby, onde ele, adquiriu para sua coleção. Preferiu ficar no anonimato, mas sabe-se que é um grande colecionador americano.



JULIETA E SUA AMA,OBRA DE TURNER BATE RECORDE

New York - Fora Withney posa ao lado da pintura Juliet And Her Nurse (Juliana e Sua Ama), de autoria do pintor inglês Turner e que quebrou outro recorde de vendas na Sotheby Parke Bernet, New York, ao ser vendida por 6,4 milhões de dólares.
A tela de Turner, feita em 1836, estava com as famílias Paine e Withney Museum of Arts, que sua mãe fundou há 50 anos atrás. Os 6,4 milhões de dólares pagos pela obra de Turner superaram a venda feita em 1970 do Portrait of Juan Pareja (Retrato de Juan Pareja), de Velásquez, vendido por 5,5 milhões de dólares.Como acontece normalmente, não foi revelado o comprador da obra de Turner.

ZÉLIA COUTO VAI AOS ESTADOS UNIDOS

De primeiro a quinze de agosto a pintora baiana Zélia Couto estará expondo sua arte no State College, Pensilvânia, nos Estados Unidos, convidada pelo coordenador do comitê de programas internacionais da universidade, Joseph Alessandro. Ela estará representando a Bahia juntamente com outros artistas brasileiros nessa exposição, que é de nível universitário.
Zélia Couto estudou com os pintores Augusto Bandeira, Euler, Rescála, Oscar Caetano e Afonso Lafita. Embora seu estilo tenha permanecido inalterável, a influência deles contribuiu para que ela alcançasse a necessária maturidade. Seus motivos são o casario, interiores, marinhas, tendo uma preferência especial pela arte sacra, o que levou Luís Jasmim a classificá-la como pintora sacra.
Na Galeria de Arte Panorama, Zélia Couto participou de duas exposições coletivas em 1972 73. Sua primeira exposição individual foi na Galeria Cañizares (Escola de Belas Artes), em 1975. Em 1978, apresentou sua segunda individual no Instituto Cultural Brasil-Alemanha, e a terceira em 1979, no Centro de Convenções da Bahia.
Para Ivo Vellame, diretor da Escola de Belas Artes, Zélia Couto " é dotada de grande talento artístico e tem se firmado nas artes plásticas baianas através dos seus belíssimos interiores e expressivos casarios. Ele fixa em suas telas toda a riqueza da paisagem tipicamente baiana. Suas igrejas barrocas, seus velhos sobrados e seu povo alegre e hospitaleiro."