terça-feira, 25 de junho de 2013

MÁRIO CRAVO NETO E O APRIMORAMENTO DE SUA ARTE

JORNAL A TARDE, SALVADOR,  SÁBADO, 31 DE JANEIRO DE 1976

Escultura em resina poliester composta de 79 unidades 
As experiências realizadas por Mário Cravo Neto, o aprimoramento de sua arte e sua visão sobre o mundo atual  e as coisas, vão surgindo de um momento para o outro, bastando para isto você lembrar algum fato corriqueiro ou até mesmo uma palavra ou ideia.
Após alguns minutos, você toma conhecimento de que aquele espaço de tempo em que o artista passou hospitalizado foi o suficiente para perceber algo de novo naquela figura de quase 30 anos de idade ou melhor, na figura de um artista que já nasceu dentro da própria arte e para a arte. De uma pessoa que pensou desde cedo em concluir um curso colegial sem pretender jamais ingressar em uma universidade, pois desde cedo sempre pensei em ser simplesmente aquilo que eu sentia dentro de mim mesmo.
Isto foi o bastante e como resposta, basta memorizar a sua primeira tentativa em ingressar no setor das artes plásticas, até o seu estágio atual, onde seu trabalho passou a ser solicitado e recomendado pela crítica especializada de todo o País.
"Eu comecei desde pequeno. Desde aquela época que a arte me sensibilizava e acredito que o meu primeiro contato com o público foi por ocasião da 1ª Bienal de Artes Plásticas da Bahia, que foi realizada em 1965.
Daí prá cá, as coisas foram acontecendo e após um longo período que passei em Nova Iorque 1970 e princípios de 1972, foi que meu trabalho encontrou uma primeira afirmação de interesses."
Na realidade, esta afirmação de interesses que vem sendo firmada cada vez mais mediante seus estudos e suas análises fez com que Cravo Neto espalhasse por todo o Brasil a sua linguagem universal.
Talvez seja por este motivo e por vários outros, que Mário conseguiu reunir ao seu redor, as razões pelas quais foi escolhido, como, o mais artista baiano a participar do conjunto da mostra Arte Agora I Brasil 70/75 que deverá ser realizada dentro dos próximos meses no Rio de Janeiro.Até o momento, afirma Mário Cravo Neto, não recebi qualquer comunicado oficial sobre a minha participação nesta mostra.
Lembro-me apenas que na última vez que o Roberto Pontual esteve em salvador ele teve a oportunidade de ver alguns dos meus trabalhos e me falou de alguma coisa parecida sobre este assunto. Acredito por outro lado, que isto se trata de  uma coisa jovem, sem fronteiras e de acordo com o espaço físico que me for concedido, ou das exigências que deverão ser feitas, poderei participar com trabalhos em poliéster com uma série de coisas naturais, ou até mesmo com minhas últimas experiências em fotografia as quais tenho realizado desde o acidente até o meu estado atual."
Mário Cravo Neto e a intimidade com a arte
De fato, refugiado com sua esposa Eve e seus filhos Lua Indiana e Chistian Apoena a junção escandinava com a indígena em uma pequena casa localizada no bairro da Boca do Rio, Mário Cravo Neto vem se reabilitando aos poucos, de um grave acidente automobilístico de que foi vitimado no dia 31 de maio do ano passado, o qual o colocou imobilizado por um bom espaço de tempo. Durante este período, ele conseguiu reunir um vasto material de trabalho que ele mesmo passou a denominá-lo de minha arte anticéptica.
"Eu não consigo ficar parado e isto vim comprovar durante todo este tempo que passei acamado. Foram quase seis meses que de uma certa forma ou de outra, fez com que eu passasse a ver a arte e a vida de uma maneira muito mais calma e mais resignada. Resignada em decorrência do meu próprio estado físico e estado de espírito, por tomar consciência d que as dores e o gesso que foi colocado em volta da minha cintura pélvica e dos meus membros inferiores estavam impedindo de realizar certas coisas. Agora o que me resta é ter paciência e começar tudo de novo."
Mas, o seu maior remédio tem sido na realidade a sua própria força de vontade.
Costumo praticar muita coisa que não foi recomendada pelo médico e talvez por isto é que a minha reabilitação tem sido tão progressiva. E quanto à sua produção? E a arte cultural e o natural, e enquanto espera um comunicado oficial sobre a sua participação no conjunto da mostra Arte I/Brasil 70-75, Mariozinho vai vivendo no seu estúdio de trabalho, sempre envolvido por fotografias, um aprimorado aparelho de som até mesmo no pátio da sua casa onde instalou objetos em acrílicos ou materiais como liquens, fungos minérios e água. 

                   UMA COLETIVA DE TALENTOS

Uma cena de rua de autoria de  Costa Lima
A Galeria O Cavalete abriu ontem, suas portas para uma vernissage onde reuniu grandes nomes das artes plásticas: Rubem Valentim, Maria Leontina, Geraldo Orthof, Carlos Bastos, Augusto Rodrigues, Rescala, Floriano Teixeira, Carl Brussel, Leonardo Alencar, Mirabeau Sampaio, Adelson do Prado, Lygia Milton, Costa Lima, J. Cunha, Jaime Hora, Capelotti, Itamar Espinheira, Edson da  Luz, dentre outros.
A mostra intitulada Arte Bahia 76, traz o Costa Lima que atualmente vem trabalhando uma nova temática: Marinha. São quadros onde o azul o movimento, e bater das ondas contra os rochedos são apresentados numa composição plástica agradável e demonstra à vista a individualidade do artista. Gosto dos quadros onde Costa Lima retrata cenas de ruas, com uma espontaneidade e movimento surpreendentes. Tive oportunidade de ver uma de suas marinhas, e posso afirmar a qualidade do seu trabalho que a cada dia vem evoluindo, o que não vem acontecendo com uma série de artistas baianos que pararem no tempo.Por isto é sempre agradável para nós que gostamos e apreciamos o trabalho plástico quando podemos afirmar que um trabalho vem evoluindo.

                     POLÍTICA NACIONAL DE CULTURA 

 O Ministro Ney Braga aprovou a Política Nacional de Cultura, fixando os elementos considerados básicos e estabeleceu também oito diretrizes destinadas a estimular o desenvolvimento cultural. No centro desta política está a revelação do que constitui o âmago do homem brasileiro e o teor de sua vida. Segundo o documento através desse conhecimento, da preservação da criatividade e da difusão da cultura, o Brasil, com sua vasta extensão territorial, população em crescimento acelerado, miscigenação étnica contínua e permanente confluência de fatores culturais mais diversos, Irá plasmando e fixando a sua personalidade nacional, devido à harmonia e á manutenção de seus vaiados elementos formadores.
O primeiro componente será o apoio direto e  acompanhamento das fontes culturais regionais, representadas, sobretudo, pelas atividades artesanais e folclóricas. O segundo será a literatura, com dinamismo do mercado de publicações de modo a promover o financiamento e a comercialização de edições. O terceiro, é a reavalidação do patrimônio histórico, científico brasileiro. O quarto, será o apoio a produção teatral nacional. O quinto. Apoio a produção cinematográfica.
O sexto elemento da política é o apoio ás diferentes modalidades da produção musical, com o objetivo de difundir, estimular e proteger a obra do autor e a defesa dos direitos autorais e o implemento às artes plásticas com o objetivo de aumentar a pesquisa no campo através de laboratórios de criatividade e correspondente comunicação, novas tendências.
Assim o MEC espera realizar festividades de arte com o objetivo de mobilizar a juventude para a criatividade. Tudo isto será feito com respeito às diferenciações regionais da cultura brasileira, oriundas da formação histórica e também com respeito a liberdade de criação em todos os campos da cultura.
A primeira vista, vemos com bons olhos os objetivos da Política Nacional da Cultural e esperançosos do que ela seja realmente colocada em prática com os objetivos maiores, que são a liberdade de criação e o incentivo a criatividade e as novas tendências das artes em todos os setores.


                 SÔNIA CASTRO VOLTOU

É com perspectiva de uma grande exposição que tomei conhecimento da volta de Sônia Castro à Bahia. Conheço a artista através dos seus trabalhos espalhados pelos quatro cantos de Salvador. São gravuras marcantes pela presença de figuras humanas, crianças e velhos famintos dispostas estrategicamente deixando espaços vazios que são preenchidos pelo espectador.
Considero Sônia Castro a mais importante gravadora baiana.Suas xilogravuras refletem muito do que algumas pessoas não enxergam:gritos, o povo nordestino e a terra seca, uma situação dramática que muitas vezes não chega à compreensão dessas pessoas.as esta gente existe, e Sônia como nenhuma outra gravadora baiana sabe transportá-los para a madeira e depois para o papel levando a mensagem ou comunicando a metrópole que esta gente clama por amor.