terça-feira, 25 de junho de 2013

DUDU SANTOS NA CAPELA DO UNHÃO

JORNAL A TARDE,SALVADOR,  SÁBADO, 26 DE JULHO DE 1975

Obra de Dudu que ficará exposta no Unhão
A Secretaria de Educação e Cultura, através a Fundação Cultural do Estado da Bahia apresentará a partir do próximo dia 29 a exposição do artista paulista Dudu Santos. É filho do marchand Emy Bonfim, que já patrocinou diversas exposições de artistas baianos na capital paulista. É um pintor que se renova e vive à procura de novos caminhos para lançar suas sementes criadoras.
Recria a existência através das cores que vão surgindo espontaneamente em tons claros e fortes. É um mundo de sonho, um mundo do subconsciente onde as formas são concebidas e vistas como objetos fantásticos.
Traços fortes e ritmados vão surgindo e compondo formas que mostram uma obra onde a improvisação não existe. Tudo é pensado e feito com consciência, sem truques ou soluções fáceis, como disse Quirino da Silva, em 1963.
Já fez varias exposições individuais na Galeria Atrium ,de seu pai; na Galeria Azulão, Clube dos Artistas e Amigos da Arte, Casa do Artista Plástico, dentre outras.

            HANSEN VOLTA À BAHIA

O gravador Hansen-Bahia, depois de inaugurar sua exposição no Museu do Estado, partiu de Salvador, via Madri  para Frankfurt, Bonn, Hamburgo, Offenbach e de lá para  a Itália. Voltou a Hamburgo, onde embarcou no navio Cap San Marco com destino a Santos e daí seguindo para Salvador de automóvel. O objetivo desta viagem foi a realização de algumas exposições comemorativas dos seus 60 anos de idade. A primeira foi a do Museu do Estado, no último 19 de abril, intitulada Novo Mundo e a segunda no Museu de Arte Brasileira, da Fundação Armando Álvares Penteado, em São Paulo cuja vernissage foi realizada no dia 16 de junho passado que contou com a presença, durante a mostra, de mais de 8 mil visitantes.
Entre estas duas datas, Hansen-Bahia realizou exposições em Bonn, Offenbach, Frankfurt e em Roma em homenagem à passagem do Ano Santo. O Diretor do Museu de Arte Gráfica, um dos mais importantes da Alemanha, o Klingsor, em Frankfurt, Dr. Halbey, declarou: o ponto mais brilhante de sua exposição é a Via Crucis, que foi elaborada em 3 anos de trabalho incansável na Bahia. Esta obra é tão significante e tão importante para nossa época inquieta que deve ser proposto, lançar, além da edição com os originais das gravuras, uma edição pública barata para todos os jovens. Esta edição pública deveria ser impressa em vários idiomas e deveria fazer parte de todas as bibliotecas de acampamentos, asilos e de todas as espécies.
A Via Crucis de Hansen Bahia foi exposta em Roma e em São Paulo onde o jornal da igreja O São Paulo publicou: Hansen Bahia acaba de expor uma Via Sacra inteiramente nova, porque expressa os sofrimentos de Cristo na sua ligação com o Mundo moderno.
Esta Via Sacra transcende assim aos seus limites estritamente litúrgicos e passa a ser um manifesto em favor da solidariedade humana, da caridade e da misericórdia.
Seus trabalhos serão ainda mostrados em mais de 14 cidades alemãs sema sua presença porque, segundo declarou a este colunista, gosto de ficar é na Bahia trabalhando, porque é muito mais produtivo que me apresentar nas exposições com um copo de Whisky na mão.

Igreja do Bonfim,óleo de autoria de Cholo
     CHOLO NA GALERIA LE DOME

As velhas igrejas e o casario baiano de modo geral exerceram uma grande influência no artista peruano Cholo. Conheço os trabalhos de Cholo  o que me chamou a atenção foram as cores fortes e a segurança com que trabalha com a espátula.
Vários monumentos históricos de Salvador e mesmo do Recôncavo baiano já foram pintados por este peruano Cuzco. Sua exposição estará aberta até o próximo dia 10 de agosto, no salão superior do Gabinete Português de Leitura, reunindo cerca de 50 quadros.
Cholo é autodidata e o espatular seguro foi conseguido através de anos a fio de pesquisa e trabalho contínuo. Sua técnica e seu estilo são reconhecidos de imediato, tal a originalidade do seu trabalho, onde surgem espatuladas macias e outras ásperas, a depender da necessidade da composição.

CONCURSO DE CARTAZES

Estão abertas as inscrições para o Concurso Nacional de Cartazes promovido pela Cebec S.A Engenharia e Indústria- Prêmio Cebec sobre o tema Preservação, do Meio-Ambiente.
Eis o Regulamento:
Art.1º - O trabalho deverá ser apresentado em forma de cartaz, sendo que a imagem, ideia, conteúdo, bem como a utilização ou não de fotografia, desenho, gravura, etc, ficam a critério do autor.O mesmo se dá com a legendagem, também optativa. No caso da utilização de foto é necessário o envio dos negativos.
Art. 2º-O formato do cartaz será de 90 x 60 cm, em cores em branco e preto, com arte final do autor em papel Schoeller.Se for necessário para a ilustração é permitido deixar margem nos contornos.
Art 3º -Não há limite quanto ao número de obras apresentadas. Os artistas poderão ser amadores ou profissionais, participando individualmente ou em equipe.
Art. - Para inscrição, é preciso que cada trabalho tenha como assinatura somente um pseudônimo no verso da peça. Deverá acompanhar o trabalho um envelope lacrado contendo os seguintes dizeres: Prêmio Cartaz Preservação do Meio Ambiente e pseudônimo. Dentro do envelope, uma ficha com o pseudônimo, nome e endereço completos, profissão, idade, nacionalidade, n. do documento de identificação e assinaturas. Se o candidato apresentar mais de um trabalho será suficiente a remessa de um só envelope de identificação, desde que todas as peças concorram sob o mesmo pseudônimo.
Art. 5º- Os trabalhos, juntamente com o envelope de identificação, deverão ser avaliados ao seguinte endereço: Rua Avanhandava 620, São Paulo, Capital.
Art. 6º - O prazo para a entrega dos trabalhos vai de 12 de junho a 31 de outubro de 1975. No caso de remessa postal vale a data do carimbo do correio.
Art. 7º - Aos ganhadores serão oferecidos os seguintes prêmios: 1º colocado uma viagem a Paris e 10 mil cruzeiros em dinheiro; 2º colocado uma viagem a Manaus e 5 mil cruzeiros em dinheiro e o 3º colocado, 5 mil cruzeiros em dinheiro.
Art 8º- Quanto a impressão, os trabalhos colocados em 1º e 2º lugares  serão editados ao mesmo tempo, ou em datas diferentes, a critério do patrocinador, que se reserva o direito de editar ou não o trabalho colocado em 2º. Lugar. As peças impressas serão distribuídas de acordo com o programa de livre escolha do patrocinador.
Art.9º - As obras não premiadas, mas selecionadas pelo Júri do Concurso, serão expostas em uma galeria de arte, na forma deste regulamento.
Art.10º - O prazo de devolução dos trabalhos será de 10 dias, após a proclamação dos resultados, para os trabalhos não selecionados para exposição, e de 90 dias para as peças a serem expostas, não se responsabilizando o patrocinador por perdas, danos ou furto dos originais remetidos.
Art.11º - Dentro desse prazo, os trabalhos deverão ser procurados, mediante identificação, no mesmo endereço. As obras cujos autores residam fora da capital de São Paulo serão desenvolvidas pelo correio, devidamente registradas, sendo que as remetidas por autores residentes na Capital deverão ser retiradas no prazo de 90 dias, após o que serão inutilizadas.
Art.12º- Todos os direitos autorais das peças premiadas como impressão, distribuição, exposição, reprodução de qualquer tipo e por qualquer processo, exceto a autoria propriamente dita, serão transferidos automaticamente ao patrocinador, valendo como instrumento de acesso a ficha de identificação. As demais peças selecionadas ficarão cedidas a título de empréstimo ao patrocinador, pelo prazo e condições já editadas neste regulamento.
Art.13º- Oportunamente, serão divulgadas a composição do Júri e a data da proclamação dos resultados.

Art.14º. Nos casos omissos, a decisão do júri será final e irrecorrível.