terça-feira, 25 de junho de 2013

GATO ESTÁ NA DECORAÇÃO DO CARNAVAL BAIANO

JORNAL A TARDE,SALVADOR, SÁBADO, 21 DE FEVEREIRO DE 1976

Gravura de Edivaldo Gato
Poucos artistas baianos conseguiram reunir em torno de seu nome várias atividades de destaque: pintor, gravador, tapeceiro, publicitário, decorador e até mesmo programador. Em umas dessas você poderá identificar Edivaldo Gato que além de tudo isto, consegue ostentar o privilégio de ser o vencedor de mais de vinte concursos para estampilhas de selos elaborados pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.
Nascido em 1942 na Cidade do Salvador, Edivaldo Santos Araújo, mais conhecido como gato, costuma dizer que o artista vive de teimoso, vive porque gosta do seu trabalho e entre uma coisa e outra, afirma que costuma tomar a responsabilidade de realizar trabalhos de programação visual ou alguma elaboração de projeto pra ver se a situação melhora.
Seu contato com a arte pode-se afirmar que foi iniciado desde a época em que ele era pequeno, quando não conseguia encontrar um papel em branco que começava logo a rabiscar. Mas a curiosidade de Gato não ficou nos rabiscos. Ele continuou. Foi adiante e sua técnica de trabalho atual, apresenta muito bem um amadurecimento nos trabalhos de um artista que vi se firmando cada vez mais no cenário nacional.
"Na realidade costumo levar as coisas sempre a sério.Quando decidi ingressar na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia 1961, estava disposto a concluir o curso, mais por uma necessidade de angariar dinheiro. Resolvi abandonar o que estava fazendo e parti para a publicidade.
Hoje, vivo praticamente dos meus trabalhos. E apesar de enfrentar certas dificuldades pela frente, o resultado tem sido até o momento mais ou menos satisfatório."
Como reunir ao mesmo tempo decorador, gravador, e tapeceiro? Bem, a situação é mais ou menos simples, quando eu poderia afirmar que tudo depende do estado de espírito em que eu me encontrar no momento. Este estado sim, é que vai definir o meu trabalho. Eu poderia dizer que minhas gravuras são mais expressionistas, caóticas, enquanto que meus trabalhos em tapeçaria inclinam-se mais para o lírico."
Seu contato com o público, começou praticamente no ano de 1962, quando se inicia como ilustrador de alguns jornais baianos. De lá pra cá, foram surgindo exposições individuais e coletivas, bienais; confecciona cartazes, roteiros turísticos.
Atua como desenhista. Faz citações filatélicas; maneja com rádio, televisão, curta metragem; recebeu vários prêmios, convites e elabora projetos.
E por falar em projeto, Gato será mais uma vez o responsável pela decoração que será usada nas ruas e avenidas de Salvador para o carnaval Baiano de 1976.
A decoração que tem como tema Bahia, Terra dos Afoxés, começou a ser instalada na última quinta-feira e segundo ele comenta, ela faz parte de uma iniciativa em grupo de trabalho que decidimos criar dentro da Escola de Belas Artes e o que na realidade será muito útil para os alunos que terão a oportunidade de criar e desenvolver um determinado projeto, tirando aquele sentido exclusivo de teoria que geralmente é fornecido por estabelecimentos de ensino.
A iniciativa destes trabalhos em grupo reúne 20 pessoas; 16 alunos e mais os artistas Gato e Renato Viana que contaram ainda com a participação do Professor Ionias Kamardelle, o projeto foi apresentado e aprovado pelo Professor Ivo Vellame. Surgiu a oportunidade oferecida pela Prefeitura Municipal, eles enfrentaram, venceram e mostrarão aos baianos durante o reinado de Momo que diante de tudo isto, podemos afirmar que foi um trabalho muito intenso onde precisamos utilizar um total de mais de cem pessoas para colocar tudo em ordem entrevista a Tito Lívio marques.

EILA NO MUSEU DO ESTADO

No dia 10 de março, no Museu do Estado, a vernissage da exposição de tapetes de Elia, finlandesa de nascimento mas radicada no Brasil desde 1929. usando uma temática bem brasileira os tipos do Nordeste, as igrejas e os casarios da Bahia, Maranhão, Pará, enfim a nossa cultura popular, a prestigiada artista não faz tapetes bordados e sim tapete tecido em tear, empregando malha de Jersey em lugar de lã. Com várias exposições no Brasil e no exterior, contando-se entre individuais e coletivas, a tapeceira Elia deverá mostrar ao público baiano seus trabalhos da melhor fase de sua criativdade.