terça-feira, 25 de junho de 2013

CASA DO PESO VIROU GALERIA DE ARTE

JORNAL A TARDE, SALVADOR, SÁBADO, 10 DE JANEIRO DE 1976

A casinha de Yemanjá ou Casa do Peso virou galeria de arte
 Por mais respeito que tenho ao trabalho da artista Yeda Maria acho que escolheu mal o local para realizar sua exposição. A Casa do Peso, é um local destinado a guarda de objetos de pescadores e também dos presentes que todos os anos no dia 2 de fevereiro são lançados ao mar para Yemanjá. Portanto, um local que deve ser preservado e defendido contra as investidas do turismo e de outras explorações que venham desvirtuá-la. É uma questão de colocação das coisas em seus devidos lugares. Local de exposição é galeria de arte, museu  ou praça pública. É para isto que existem.
Estamos assistindo de braços cruzados às investidas de turistas curiosos que, de máquinas fotográficas a tiracolo vão abelhudando tudo, querendo fotografar cenas de candomblés, e até mesmo pequenos objetos retirados indevidamente das imagens das nossas igrejas.
Por outro lado, o baiano ainda contribui para que esses locais sejam depredados, a exemplo desta exposição.Este é sem dúvida um precedente que deve ser evitado para evitarmos a tempo a descaracterização da Casa do Peso. Sei da boa intenção da Yeda Maria em homenagear  Yemanjá, tendo em vista que a temática é a Rainha do Mar. Mas, prefiro que esta homenagem seja feita em outro local. Não sou fetichista, mas nem por isso posso fechar os olhos a tamanho absurdo. Cada um tem o direito de acreditar e venerar aquilo que mais lhe pareça correto.
Sobre Yeda Maria tenho a dizer que é uma artista integrante da chamada segunda geração de plásticos da Bahia com formação universitária. Gosto de suas cores, do seu traço, pois revelam uma certa coerência e uma personalidade artística muito grande. Espero que da próxima vez escolha um lugar adequado para mostrar seus trabalhos.

HAMILTON FERREIRA O PINTOR DOS ORIXÁS

A luta do ser humano pela sobrevivência desde os primórdios do tempo e o próprio tempo se encarrega de moldar e aprimorar uma técnica de pintar. A verdade é que este meu modo de criar estas cores alegres, fortes e quentes satisfaz plenamente o meu ego. Venho cada vez mais me aprimorando, procurando, pesquisando, para que o público entenda a minha mensagem, a qual é de muito amor e paz, para todos os seres sem discriminação de raça e credo. Estas palavras foram escritas por Hamilton Ferreira, um pintor que se dedica a pintar Orixás. Ele era barbeiro e como surgimento dos cabeludos Liderados pelos Beatles, Hamilton notou que o movimento vinha caindo. Ao lado de sua profissão de barbeiro ele sempre pintava e muitos fregueses o incentivavam a iniciar sua carreira artística do ponto de vista profissional. Assim ele foi aos poucos deixando a tesoura pelo pincel, e hoje, vive exclusivamente dedicado à sua arte. Já fez várias exposições individuais e coletivas e seus trabalhos estão espalhados nos quatro cantos do país. È um artista primitivo com tendência ao figurativo. Destaco suas cores e o movimento de suas figuras.
Agora ele está expondo na Vila da Barra, na Avenida Sete de Setembro, 540, desde a última quarta-feira

CURSOS EM CACHOEIRA

Em decorrência da assinatura do convênio entre o Departamento de Assuntos Culturais do MEC, dentro do Programa de Ação Cultural e a Prefeitura Municipal de Cachoeira, tiveram início os cursos de desenho, pintura, xilogravura, fotografia e cinema na Galeria de Arte Costa Pinto e no cine Clube da Bahia, ambos em Cachoeira.
Os cursos de desenho, pintura e xilogravura terão lugar na Galeria Costa Pinto, e os de fotografia e cinema no Cine Clube da Bahia, que também funciona naquela cidade. A coordenação geral dos cursos está a cargo de Noelice Costa Pinto e, estão inscritos 140 alunos.

PORTINARI, NAVEGANTE

 O lote de 12 trabalhos de Portinari pertencente a revista O Cruzeiro, que há mais de dois anos está à venda no sul do país sem encontrar comprador, está prestes a ter novo dono, o Banco Central. As telas, de 2 metros por 1,5m que não faz muito tempo andaram sendo oferecidas por CR$650 mil cruzeiros cada, perfazendo um total de Cr$ 8 milhões de cruzeiros. Nova avaliação colocaram as peças num total de CR$900 mil cruzeiros cada, perfazendo um total de CR$ 10 milhões e 80 mil cruzeiros.
O negócio está na área de decisão...

ZANINI VAI PARA O MUSEU

Cento e oito óleos, guaches, aquarelas, desenhos e gravuras de Mário Zanini foram doados pela família do pintor ao Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo. As obras selecionadas abrangem as fases de carreira desde os anos 20 até 1971, quando morreu o artista aos 64 anos de idade.
Nascido em São Paulo em 1907, Zanini começou a pintar no início da década de 20. Estudou no Liceu de Artes e Ofícios e foi aluno de George Elpons. Integrou a Família Artística Paulista, e o Grupo Santa Helena, demonstrando viva presença no movimento artístico de São Paulo.
Sua obra que mostra várias alternativas, passou por uma tendência abstratizante na década de 50, mas tornou a apresentar um caráter de figuração no fim de sua vida, com particular empenho nas soluções de cor e nos estudos de composição.

MAIS MIGUEL ÂNGELO

 É uma descoberta. Peritos em arte acabam de descobrir uma série de afrescos de Miguel Ângelo. Esses dois últimos anos foram realizadas algumas descobertas, desta vez no porão da nova sacristia da Basílica de São Lourenço, em Florença, coincidindo com a comemoração do quinto século de nascimento do artista.
A Basílica é do século XIV foi reformada com ajuda do mestre do Renascimento, durante 16 anos ele trabalhou em segredo.
As figuras, dois anjos, a Ascensão de Zacarias, um homem com uma capa, um Cristo de dois metros e um ensaio de pernas, foram achados sob duas camadas de argamassa, em bom estado, durante a restauração de outras obras, deterioradas e atribuídos também á escola de Miguel Ângelo.
A sacristia original de São Lourenço contém as tumbas da família Médici. A Basílica tem a fachada em ladrilho foi destruída por um incêndio em 1423, e reformada por Miguel  Ângelo  a partir de 1521.
Na sacristia estão ainda as estátua do Dia e da Noite, sua última obra antes de deixar a região em protesto contra a abolição da República.
A eliminação da crosta que cobre a nova descoberta continua, mas os especialistas acreditam que o trabalho durará alguns meses.Quanto a outra descoberta ocorreu em julho de 1974, numa casa demolida no Trastevere, em Roma, onde foi encontrada uma cabeça, que seria a original de estátua de idade Rondanini, e que teria sido atirada fora pelo artista, insatisfeito com o resultado do trabalho.

GRUPO DE FOTÓGRAFOS INDEPENDENTES

Árvore Seca E Grade Se Unem E Se Protegem
 Em Uma Estação.Esta foto foi feita em
Santa Teresa, no Rio,por Januário Garcia
Assinado por Januário Garcia e Armando Rosário, recebi um ofício e um farto material, inclusive fichas de inscrição, com um pedido de divulgação do Grupo de Fotógrafos Independentes. A finalidade deste grupo é ampliar o público apreciador e colecionador de fotografia do Brasil
A fotografia vem tomando um lugar de destaque no ano da Comunicação. Todos os grandes acontecimentos são documentados para História. Para termos uma idéia, somente na cidade de Nova Iorque existem atualmente mais de 20 galerias que se dedicam à venda de fotografias para colecionadores. Mesmo nos museus, a fotografia já ocupa uma boa arte do plano de arte e os maiores jornais do mundo contêm colunas sobre fotografia, como também são incontáveis as revistas que dedicam A fotografia e aos próprios fotógrafos.
O grupo considera que a fotografia no Brasil ainda é uma arte incipiente, tendo em vista que muitos a considerem como um simples retrato. Não nos interessa realmente questionar se a fotografia é ou não uma obra de arte, o que importa é que ela mostre a realidade presente no mundo habilitado pelo fotógrafo.
Como aconteceu com a gravura que se multiplicou e ganhou a as paredes e os museus, a fotografia também inicia esta caminhada e agora o GRU/FI possibilitará aqueles que gostam de fotografias adquiri-las a preços razoáveis. As fotos são assinadas e numeradas.
Assim a fotografia de alto nível, em cor ou preto e branco, em papel fotográfico e em vários tamanhos podem ser adquiridas.

TAPETES DE AINDA EM ITAPARICA

Aída espalha suas cores em Itaparica
Uma explosão de cores vivas é o resultado  do trabalho que a tapeceira Aída está mostrando no Grande Hotel de Itaparica. Esta é a sua primeira exposição individual na Bahia onde ela apresenta vinte trabalhos. Justifica ter escolhido o Hotel de Itaparica para realizar sua exposição porque no momento, as galerias de arte da capital estão com uma intensa programação.
Por outro lado, o Grande Hotel de Itaparica é, atualmente, ponto de convergência das pessoas que vem de outros Estados e assim elas tem oportunidade de ter contato com a arte feita na Bahia.

                   DEVOLVERAM A TELA DE REMBRANDT

Um quadro de Rembrandt avaliado em um milhão de dólares, mais de 9 milhões de cruzeiros, foi devolvido ao Museu de Belas Artes de Boston depois de nove meses em poder de dois ladrões que o levaram após colocar a guarda do museu sob a mira de revólveres.
A tela é um retrato da irmã do pintor, Elizabeth Van Rijn. Foi devolvida sem que o museu pagasse qualquer quantia por resgate. Mesmo assim a polícia continua investigando em busca de identificação dos ladrões.