terça-feira, 10 de julho de 2012

LEONEL MATTOS - PINTURAS RECENTES



ARTES VISUAIS
Texto Reynivaldo Brito
Este texto escrevi para sua mostra realizada no dia 17 de março de 1987 na Galeria ArteMaior,no Rio de Janeiro. Esta mesma exposição aconteceu também em 23 de abril de1987 na Galeria de Arte O Cavalete, então localizada no bairro do Rio Vermelho, em Salvador.


Vejo na obra de Leonel Mattos o desfilar de signos, que traduzidos são mensagens do inconsciente de um jovem artista inquieto que explode em criatividade. Sua arte reflete exatamente uma personalidade que está sempre perscrutando, sempre com os olhos abertos em busca de novas formas de expressão. Agora, o homem é o centro de suas atenções,  resultado de sua permanência numa grande metrópole, onde enfrenta a escravização imposta pela modernidade. O buzinar dos carros, o som das portas do metrô fechando e abrindo sem parar, no atravessar do sinal luminoso e nas letras de neon ou eletrônicas que anunciam os produtos mais variados. Até mesmo o aluguel de corpos que se desnudam e se dão por alguns instantes, estão refletidos na a obra de Leonel Matos. E sua forma de expressão beira a arte chamada de “Bruit” onde é preciso traduzir toda sua linguagem simbólica que sobressai da própria linguagem do cotidiano.
O vigor das cores e da própria ocupação dos espaços vem ao encontro de seu lado emocional, impulsivo. Sim, porque aí é o lado irracional do artista, que em determinado momento se deixa dominar pelo impulso desta contemporaneidade contraditória.  Sua arte traz a marca inconfundível deste Brasil, explorado e espoliado,mas principalmente deste Nordeste quente e forte. Só que a sua linguagem embora respaldada numa cultura brasileira é entendida por todos aqueles que têm oportunidade de examinar com atenção a sua obra, sim porque é uma linguagem que tem elementos da universalidade. E um dado importante é que ele não se fecha em si mesmo.
Deseja que todos participem de sua obra. Lembro que certa vez colocou nas ruas de Salvador algumas placas de compensado e deixou que os que passavam dessem algumas pinceladas. Fez isso em locais diferentes,. Num sanatório , no Campo Grande, no bairro da Liberdade, Instituto dos Cegos, na Casa de Detenção, no Porto da Barra, e em seguida fez uma exposição desses trabalhos. Na rua dialogava com o povo, ouvindo os mais variados comentários, inclusive taxado de louco por alguns transeuntes menos avisados. Leonel procurava exatamente sentir as reações, mesmo àquelas que poderiam lhe incomodar. O fruto desta experiência foi o surgimento de elementos que passaram a compor novos trabalhos do artista. Uma experiência rica em manifestações das mais variadas. Cada traço , cada desenho, aparentemente desconexo foram importantes no desenvolvimento do trabalho de Leonel Mattos.
Recentemente participou de exposições importantes, e foi premiado em vários salões oficiais.É um artista que tem fôlego para enfrentar adversidades que se apresentam, fundamentado no seu forte talento.